Posição periférica em teoria social: Limitações para fazer pesquisa social e escrever teses no Irã

Ladan Rahbari Sobre o autor

Resumo:

Dois grupos de fatores contribuem para a formação do status de associações científicas e de acadêmicos iranianos individualmente como periféricos na arena acadêmica internacional das ciências sociais. O primeiro grupo consiste em fatores externos, tais como o persistente eurocentrismo, a hegemonia do idioma inglês e os inevitáveis problemas político-econômicos. O segundo grupo de fatores é de ordem interna. A atitude dos acadêmicos e das organizações acadêmicas iranianas em relação às escolhas dos pesquisadores relativas a seus temas de pesquisa, suas metodologias preferidas e às teorias que preferem têm resultado em aridez e estagnação da pesquisa social no Irã. Uma ênfase excessiva no paradigma positivista, na pesquisa quantitativa, interpretação arbitrária da indigenização da ciência social e a carência de pesquisa orientada por problemas levaram ao status atual ambíguo das ciências sociais no Irã.

Palavras-chave:
Generalização; Indigenização; Teoria local; Periferia; Pesquisa qualitativa; Irã

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Av. Ipiranga, 6681 - Partenon, Cep: 90619-900, Tel: +55 51 3320 3681 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: civitas@pucrs.br
Accessibility / Report Error