O uso da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde para acompanhamento de pacientes usuários de Implante Coclear

Use of the International Classification of Functioning, Disability and Health for monitoring patients using Cochlear Implants

Resumos

OBJETIVO: Caracterizar o perfil dos pacientes usuários de Implante Coclear a partir do proposto pela Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde para Crianças e Jovens (CIF-CJ). MÉTODOS: Tratou-se de um estudo descritivo, retrospectivo transversal, em que foram analisados 30 prontuários de pacientes usuários de Implante Coclear do Centro de Pesquisas Audiológicas. Para caracterização do perfil dos pacientes, foi utilizada a CIF-CJ. Para avaliação, os pesquisadores basearam-se em procedimentos realizados na rotina clínica, além de informações registradas no prontuário. Após a revisão dessas informações, estas foram relacionadas com o código da CIF-CJ, sendo acrescido posteriormente um qualificador. RESULTADOS: No total, 55 códigos da CIF foram relacionados com os instrumentos para caracterização desta população. Com relação ao domínio Funções do Corpo, a maioria dos participantes não apresentava deficiência quanto aos aspectos relacionados à recepção e expressão da linguagem oral e funções auditivas, sendo apenas encontrada deficiência na linguagem escrita. Esse mesmo achado foi observado no domínio Atividade e Participação. Quanto aos Fatores Ambientais, o ruído e a não disponibilidade de recursos tecnológicos para auxiliar na compreensão auditiva no ruído foram caracterizados como barreira, além da não realização da terapia fonoaudiológica. CONCLUSÃO: Este trabalho permitiu-nos concluir que a maioria das crianças participantes não apresentou deficiência nas Funções do Corpo, sendo observadas apenas dificuldades no desempenho escolar. Os fatores ambientais (ruído, não disponibilidade de recursos tecnológicos, não realização da terapia fonoaudiológica) foram caracterizados como barreira. Notou-se também a necessidade de ampliar as avaliações na rotina clínica.

Audição; Perda auditiva; Implante coclear; Criança; Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde


PURPOSE: To characterize the profile of patients with cochlear implant as proposed by the International Classification of Functioning, Disability and Health for Children and Youth (ICF-CY). METHODS: This is a descriptive, cross-sectional retrospective study, which examined 30 medical records of patients using the cochlear implant of Centro de Pesquisas Audiológicas; To characterize the profile of the patients, the ICF-CY was used. Regarding the assessment, researchers relied on procedures performed in clinical routine, besides information registered in the medical record. After reviewing the information, it was related to codes from the ICF-CY; with the addition of a qualifier afterwards. RESULTS: Overall, 55 codes from the ICF were related to the instruments to characterize this population. Regarding the Body Functions field, most participants did not have disabilities related to reception and expression of oral language and auditory functions, with only written language disabilities being found. These same findings were observed in the Activity and Participation Field. Regarding environmental factors, noise and the non-availability of technology resources to assist in the auditory comprehension of noise were characterized as a barrier, as well as the absence of speech therapy. CONCLUSION: This study concluded that most of the participating children showed no deficiency in the body functions, with difficulties being only reported in relation to school performance. Environmental factors (noise, non-availability of technological resources, absence of speech therapy) were characterized as a barrier. The need to expand assessments in the clinical routine was also noted.

Hearing; Hearing loss; Cochlear implant; Child; International Classification of Functioning, Disability and Health


  • 1
    Bevilacqua MC, Costa OA, Nascimento LT, Ventura LMP, Resegue-Coppi MM. Implante coclear: da seleção à reabilitação. In: Berretin-Felix G, Alvarenga KF, Caldana ML, Sant'Ana NC, Santos MJD, Santos PRJ, organizadores. (Re)Habilitação Fonoaudiológica: Avaliação da Eficácia. São José dos Campos: Pulso Editorial; 2009. p. 212-27.
  • 2
    Stuchi RF, Nascimento LT, Bevilacqua MC, Brito Neto RV. Linguagem oral de crianças com cinco anos de uso do implante coclear. Pró-Fono. 2007;19(2):167-76
  • 3
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Portaria nº 211, de 8 de Novembro de 1996. Estabelece as normas para Cadastramento de Centros/Núcleos para realização de Implante Coclear e os Critérios de Indicação e Contra-Indicação de Implante Coclear. Brasília: Ministério da Saúde; 1996.
  • 4
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Portaria nº 1.278, de 20 de Outubro de 1999. Aprovar, na forma do Anexo I, os Critérios de Indicação e Contra-Indicação de Implante Coclear e Aprovar, na forma do Anexo II, as Normas para Cadastramento de Centros/Núcleos para realização de Implante Coclear. Brasília: Ministério da Saúde; 1999.
  • 5
    Bevilacqua MC, Costa AO, Moret ALM. Implante coclear em criança. In: Tratado de Otorrinolaringologia da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2003. p. 268-77.
  • 6
    O'Neill C, O'Donoghue GM, Archbold SM, Nikolopoulos TP, Sach T. Variations in gains in auditory performance from pediatric cochlear implantation. Otol Neurotol. 2002;23(1):44-8.
  • 7
    Organização Mundial da Saúde (Brasil). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, organizadores; coordenação da tradução - Cassia Maria Buchalla. São Paulo: EDUSP; 2003.
  • 8
    Farias N, Buchalla CM. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde da Organização Mundial da Saúde: Conceitos, Usos e Perspectivas. Rev Bras Epidemiol. 2005;8(2):187-93.
  • 9
    Bornman J. The World Health Organization's terminology and classification: application to severe disability. Disabil Rehabil. 2004;26(3):182-8.
  • 10
    Morettin M, Bevilacqua MC, Cardoso MRA. A aplicação da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) na Audiologia. Distúrb Comum. 2008;20(3):395-402.
  • 11
    Buchalla CM. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Acta Fisiátrica. 2003;10(1):29-31.
  • 12
    Organização Mundial da Saúde. CIF-CJ: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde: versão para Crianças e Jovens. Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, org.; coordenação da tradução - Heloisa Ventura Dinubila. São Paulo: EDUSP; 2011.
  • 13
    Delgado EMC, Bevilacqua MC. Lista de palavras como procedimento de avaliação da percepção dos sons da fala para crianças deficientes auditivas. Pró-fono. 1999;11:59-64.
  • 14
    Lacerda AP. Audiologia Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1976.
  • 15
    Castiquini EAT, Bevilacqua MC. Escala de integração auditiva significativa: procedimento adaptado para a avaliação da percepção da fala. Rev Soc Bras Fonoaudiologia. 2000;6(1):51-60.
  • 16
    Geers AE. Techniques for assessing auditory speech perception and lipreading enhancement in young deaf children. Volta Review. 1994;96(5):85-96.
  • 17
    Nascimento LT. Uma proposta de avaliação da linguagem oral [Monografia]. Bauru: Especialização em Audiologia, Universidade de São Paulo; 1997.
  • 18
    Bevilacqua MC, Delgado EMC, Moret ALM. Estudos de casos clínicos de crianças do Centro Educacional do Deficiente Auditivo (CEDAU), do Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais - USP. In: Anais do Encontro Internacional de Audiologia; 1996; Bauru. Bauru: EIA; 1996;11:187.
  • 19
    Palisano RJ. A collaborative model of service delivery for children with movement disorders: a framework for evidence-based decision making. Phys Ther. 2006;86(9):1295-305.
  • 20
    Andrade PMO, Ferreira FO, Haase VG. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) e o trabalho interdisciplinar no Sistema Único de Saúde (SUS) In: Haase VG, Ferreira FO, Penna F, organizadores. O enfoque biopsicossocial à saúde da criança e do adolescente. Belo Horizonte: COOPMED; 2009. p. 67-88.
  • 21
    Fitzpatrick E. A Framework for Research and Practice in Infant Hearing. CJSLPA. 2010;34(1):25-32.
  • 22
    Simser J. Parents: the essential partners in the habilitation of children with hearing impairment. Aust J Educ Deaf. 1999;5(1):1-13.
  • 23
    Boothroyd A, Geers AE, Moog JS. Practical implications of cochlear implants in children. Ear Hear. 1991;12(4):81-9.
  • 24
    Brazorotto JS. Desempenho acadêmico em crianças surdas usuárias de Implante Coclear [Tese]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2002.
  • 25
    Preisler G, Ahlström M, Tvingstedt AL. The development of communication and language in deaf preschool children with cochlear implants. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 1997;41(3):263-72.
  • 26
    Weisel A, Most T, Efron C. Initiations of social interactions by young hearing impaired preschoolers. J Deaf Stud Deaf Educ. 2005;10(2):161-70.
  • 27
    Martin D, Bat- Chava Y, Lalwani A, Waltzman SB. Peer relationships of deaf children with cochlear implants: predictors of peer entry and peer interaction success. J Deaf Stud Deaf Educ. 2011;16(1):108-20.
  • 28
    Percy-Smith L, Jensen JH, Cayé-Thomasen P, Thomsen J, Gudman M, Lopez AG. Factors that affect the social well-being of children with cochlear implants. Cochlear Implants Int. 2008;9(4):199-214.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    19 Jul 2013
  • Data do Fascículo
    2013

Histórico

  • Recebido
    08 Ago 2012
  • Aceito
    27 Mar 2013
Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Al. Jaú, 684, 7º andar, 01420-002 São Paulo - SP Brasil, Tel./Fax 55 11 - 3873-4211 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@codas.org.br