Habilidades auditivas temporais em crianças com histórico de otite média nos primeiros anos de vida e persistente nas idades pré-escolar e escolar

Priscila Cruvinel Villa Sthella Zanchetta Sobre os autores

OBJETIVO:

Estudar as habilidades auditivas temporais de ordenação e resolução em crianças sem e com antecedentes de otite média com efusão precoce e recorrente, assim como estudar as repostas em função da idade.

MÉTODOS:

Foram avaliadas 59 crianças, todas com limiares tonais dentro da normalidade no momento da realização dos testes auditivos. As crianças foram divididas em dois grupos, de acordo com a ocorrência ou não de episódios de otite média com efusão recorrente. Em um segundo momento, cada um dos grupos foi subdividido em dois subgrupos em função da idade: 7 e 8, e 9 e 10 anos. Todas as crianças foram avaliadas com os testes temporais de padrão de frequência (ordenação) e Gap-In-Noise (resolução).

RESULTADOS:

As crianças com antecedentes de otite média apresentaram resultados inferiores, de forma significativa, quando comparados ao grupo controle, para as habilidades temporais estudadas. No teste de padrão de frequência, as respostas corretas aumentaram em função da idade nos dois grupos. No teste de identificação de intervalos de silêncio, não houve alteração no limiar em função da idade no grupo controle, mas houve para o grupo com antecedente de otite média.

CONCLUSÃO:

Episódios de otite média com efusão, ainda no primeiro ano de vida, recorrentes e persistentes em idade pré-escolar e escolar, influenciam negativamente as habilidades temporais de ordenação e resolução.


Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Al. Jaú, 684, 7º andar, 01420-002 São Paulo - SP Brasil, Tel./Fax 55 11 - 3873-4211 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@codas.org.br