Utilização da enrofloxacina (Baytril®) no tratamento da mastite bovina estafilocócica

Utilization of enrofloxacina (Baytril®) on staphylococcal bovine mastitis

Resumos

A ação da enrofloxacina pela administração via intramamária e sistêmica na mastite bovina subclínica por Staphylococcus aureus foi avaliada. Como tratamento local, infundiram-se, após as ordenhas da manhã e da tarde, 250mg do produto, diluídos em água estéril, a um volume final de 10ml, durante três dias. O tratamento sistêmico constituiu na aplicação de 5mg/kg do produto, pela via intramuscular, uma vez ao dia, durante o mesmo período. A estimativa de cura deu-se através da realização do California Mastitis Test (CMT) e do cultivo bacteriano em agar sangue e MacConkey, três semanas após o término do tratamento. Dos 184 quartos acometidos por Staphylococcus aureus, a droga mostrou-se eficiente em 72,0% e 75,0%, pelas vias intramamária e sistêmica, respectivamente. A análise dos resultados mostrou não haver diferença estatística significante, com p<0,50 para as duas formas de tratamento.

mastite; enrofloxacina; terapêutica


The activity of Enrofloxacina on bovine subclinical mastitis after systemic and intramammary administration was evaluated. As local treatment, 250mg of the product diluted in sterile distilled water to a final volume of 10ml, was infused into the teat during three days. The systemic treatment was performed with 5mg/kg of product administred intramuscularly, once a day, during the same period. The recovery was estimated three weeks after the treatment had finished through California Mastitis Test (CMT) and milk culture on blood agar and MacConkey agar. The drug was effective in 72.0% and 75.0% of 184 quarters with Staphylococcus aureus after intramammary and systemic treatments, respectively. Statystical analysis showed no significant differences (p<0.50) between both forms of treatment.

mastitis; enrofloxacin; therapy


MICROBIOLOGIA / MICROBIOLOGY

Utilização da enrofloxacina (Baytril®) no tratamento da mastite bovina estafilocócica

Utilization of enrofloxacina (Baytril®) on staphylococcal bovine mastitis

Helio Langoni1 1 Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail: helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência. Kenio de Gouvêa Cabral2 1 Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail: helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência. Paulo Francisco Domingues3 1 Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail: helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência. Mario Eduardo Pulga4 1 Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail: helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência. Marcia Marinho5 1 Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail: helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência. Renata Bonini Pardo2 1 Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail: helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência.

- NOTA -

RESUMO

A ação da enrofloxacina pela administração via intramamária e sistêmica na mastite bovina subclínica por Staphylococcus aureus foi avaliada. Como tratamento local, infundiram-se, após as ordenhas da manhã e da tarde, 250mg do produto, diluídos em água estéril, a um volume final de 10ml, durante três dias. O tratamento sistêmico constituiu na aplicação de 5mg/kg do produto, pela via intramuscular, uma vez ao dia, durante o mesmo período. A estimativa de cura deu-se através da realização do California Mastitis Test (CMT) e do cultivo bacteriano em agar sangue e MacConkey, três semanas após o término do tratamento. Dos 184 quartos acometidos por Staphylococcus aureus, a droga mostrou-se eficiente em 72,0% e 75,0%, pelas vias intramamária e sistêmica, respectivamente. A análise dos resultados mostrou não haver diferença estatística significante, com p<0,50 para as duas formas de tratamento.

Palavras-chave: mastite, enrofloxacina, terapêutica.

SUMMARY

The activity of Enrofloxacina on bovine subclinical mastitis after systemic and intramammary administration was evaluated. As local treatment, 250mg of the product diluted in sterile distilled water to a final volume of 10ml, was infused into the teat during three days. The systemic treatment was performed with 5mg/kg of product administred intramuscularly, once a day, during the same period. The recovery was estimated three weeks after the treatment had finished through California Mastitis Test (CMT) and milk culture on blood agar and MacConkey agar. The drug was effective in 72.0% and 75.0% of 184 quarters with Staphylococcus aureus after intramammary and systemic treatments, respectively. Statystical analysis showed no significant differences (p<0.50) between both forms of treatment.

Key words: mastitis, enrofloxacin, therapy.

As mastites continuam sendo o principal problema para a pecuária leiteira, tendo em vista os graves prejuízos acarretados, quer seja pela diminuição da produção ou pela perda dos tetos afetados (DOMINGUES, 1993). O tratamento precoce desta afecção aliado a outras medidas constitui importante profilaxia, pois elimina uma fonte de infecção em potencial para as demais vacas lactantes. Pode-se lançar mão de vários medicamentos para o seu tratamento, entretanto, muitas vezes pode ocorrer o insucesso terapêutico, tendo em vista a possível seleção de microrganismos resistentes. As razões mais comuns para justificar as falhas da antibioticoterapia são: distribuição inadequada da droga pelos fluidos e tecidos do organismo; baixo grau de ionização no leite com pH normal ou alterado; efeito negativo de sua ação nos mecanismos de defesa do organismo; localização do foco infeccioso e baixa sensibilidade do microrganismo em frente à droga (MOORE & HEIDER, 1984; SANDHOLM & LOUHI, 1991), entretanto, a resistência microbiana é o principal motivo da ineficiência terapêutica na mastite.

A enrofloxacina é um quimioterápico antibacteriano, derivado do ácido quinoloncarboxílico. Foi sintetizado, pela primeira vez, em 1983, sob a marca comercial de BAYTRIL, para uso exclusivo em Medicina Veterinária (SCHEER, 1987a). Como todos os derivados do ácido quinoloncarboxílico, apresenta um mecanismo de ação caracterizado pela inibição da girase, enzima fundamental na replicação do DNA bacteriano, que ao ser inativada provoca transtornos funcionais, resultando na destruição da bactéria (Dickgiesser, citado por SCHEER, 1987a, AUCOIN, 1994). Esse mecanismo de ação especial permite a eliminação de cepas resistentes aos princípios antibióticos comumente utilizados, que agem sobre a parede celular, a membrana citoplasmática ou sobre a síntese protéica. O desenvolvimento de resistência com a sua utilização foi observado somente em condições experimentais, após repetidas passagens, aparecendo de forma lenta e gradual (SCHEER, 1987b). Vem sendo muito recomendada para o tratamento de infecções causadas por diversos patógenos em diferentes espécies animais, bem como no homem, uma vez que seu espectro de ação abrange número grande de agentes Gram positivos e Gram negativos (GOLLUM, 1986; SPIECKER, 1986; BEHR, 1986; BRAUNIUS, 1987; MARÇAL, 1993).

Suas características farmacocinéticas foram estudadas por FRANKLIN & ASTRÖN (1986), que avaliaram as concentrações no plasma e no leite de vacas, após a administração intramamária e intravenosa de 2,5mg/kg e detectaram concentrações inibitórias para Escherichia coli e Klebsiella sp. presentes no leite até 24 horas, independente da via de administração e concentrações adequadas para a eliminação de estreptococos e estafilococos no leite, por 12 e 24 horas após a aplicação via intramamária, respectivamente.

GANDOFER (1991), comparando a sua utilização pelas vias subcutânea, intramuscular e endovenosa, em vacas com mastite, confirmou os resultados obtidos por SCHEER (1987a) quanto à distribuição praticamente uniforme da enrofloxacina nas diferentes vias de aplicação. Observou, ainda, que a administração pela via subcutânea proporcionou uma meia-vida do princípio mais longa que a aplicação intravenosa e que a concentração bacteriostática no leite foi de até 36 horas por essa mesma via.

Estudos in vitro, utilizando-se a enrofloxacina para diferentes agentes bacterianos envolvidos na etiologia das mastites, revelaram resultados favoráveis quanto à sensibilidade desses microrganismos. STEINBERGER (1986) verificou que todas as amostras de coliformes e de Pseudomonas aeruginosa testadas foram sensíveis. GEDEK (1987) confirmou essas observações e demonstrou, ainda, a eficiência da droga sobre o Staphylococcus aureus. CARACAPPA et al. (1991) observaram que 90,0% das cepas de Staphylococcus aureus isoladas de leite mastítico foram sensíveis à enrofloxacina. No Brasil, LANGONI et al. (1994), estudando a ação in vitro dessa droga, encontraram 101 (71,63%) amostras de Staphylococcus aureus sensíveis, dentre 141 testadas.

O efeito terapêutico em vacas com mastite subclínica foi verificado por DINC et al. (1991), com a infusão de 250mg de enrofloxacina, uma vez ao dia, durante três dias, nos quartos afetados. Observou- se cura bacteriológica em 83,3% dos 18 tetos com mastite por estafilococos coagulase positivos.

Tendo em vista a importância do controle das mastites bovinas e os aspectos relacionados à resistência microbiana, avaliou-se sua eficiência no tratamento da mastite bovina subclínica, pelas vias intramamária e sistêmica.

A triagem dos tetos mamários deu-se pelo do California Mastitis Test (CMT). Aqueles que apresentaram reação positiva (+++) tiveram uma amostra de leite coletada, após lavagem, secagem, eliminação dos primeiros jatos e desinfecção da pele do teto e do óstio com álcool a 70%, para a análise microbiológica. Semeou-se 0,1ml de leite em meio de agar sangue bovino e em meio de MacConkey, incubando-se as placas a 37°C, observando-se as culturas após 24, 48 e 72 horas. Os microrganismos isolados foram estudados morfologicamente pelo método de Gram e repicados em caldo cérebro coração para obtenção de mênstruo bacteriano, e posterior realização de provas taxonômicas segundo KRIEG & HOLT (1984), e de antibiograma pelo método de BAUER et al. (1966).

Foram tratados 100 tetos por via intramamária e 41 animais com 84 tetos afetados por via intramuscular, nos quais o agente envolvido era o Staphylococcus aureus. Como tratamento intramamário infudiram-se, durante três dias, após as ordenhas da manhã e da tarde, 250mg de enrofloxacina, diluídos em água destilada estéril, a um volume final de 10ml. Para o tratamento sistêmico, aplicaram-se 5mg/kg da mesma droga, uma vez ao dia, pelo mesmo período. A estimativa de cura deu-se pelo resultado negativo na prova do CMT, bem como no cultivo das amostras de leite, três semanas após o término do tratamento.

O estudo da sensibilidade in vitro de 100 amostras de Staphylococcus aureus testadas revelou 5 (5,0%) amostras resistentes, 23 (23,0%) parcialmente sensíveis e 72 (72,0%) sensíveis à enrofloxacina. Estes diferem dos encontrados por CARACAPPA et al. (1991), que verificaram sensibilidade à mesma droga em 90,0% das cepas de S.aureus isoladas de leite mastítico. Por outro lado, confirmam os resultados obtidos por LANGONI et al. (1994) que, de 141 amostras, 101 (71,63%) foram sensíveis, mostrando a importância de levantamentos regionais quanto à sensibilidade microbiana, como orientação na instituição terapêutica.

A tabela 1 revela que dos 100 quartos afetados por S.aureus tratados pela via intramamária, obteve-se cura microbiológica em 72 (72,0%), bem como em 63 (75,0%) dos 84 tratados pela via sistêmica. Analisando-se estes resultados pelo método do qui-quadrado (c2), observou-se não haver diferença estatisticamente significante entre uma e outra via (p<0,50). A ação da enrofloxacina, em casos de mastite por estafilococos coagulase positivos, com cura bacteriológica em 83,3% dos casos, foi também demonstrada por DINC et al. (1991).

Pode-se concluir que tanto o uso intramamário como sistêmico da enrofloxacina foi eficiente para o tratamento da mastite produzida por Staphylococcus aureus, que é um patógeno importante na etiologia da mastite bovina. O tratamento sistêmico pode ser vantajoso e mais econômico no caso de haver o acometimento de mais de um teto. A critério profissional, na dependência das condições da cada propriedade, essa talvez possa ser a melhor opção para o tratamento.

AGRADECIMENTOS

Ao Sr. Fernando José P. Listoni e a Sra. Maria José B. Carmargo, pelos serviços técnicos.

2Pós-graduando, nível de mestrado, FMVZ, UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública.

3Professor Auxiliar, FMVZ, UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública.

4Médico Veterinário, Bayer Saúde Animal.

5Pós-graduando, nível de doutorado, FM, UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Doenças Tropicais.

Recebido para publicação em 25.11.98. Aprovado em 28.04.99

  • AUCOIN, D.P. Uso da enrofloxacina em infecções crônicas envolvendo Staphylococcus intermedius ou Pseudomonas aeruginosa Prevenindo o aparecimento das resistências. A Hora Vet, n. 80, p. 25-7, 1994.
  • BAUER, A.W., KIRB, W.M.M., SHERRIS, J.C., et al. Antibiotic susceptibility testing by a standardized single disc method. Am J Clin Path, v. 45, p. 493-6, 1966.
  • BEHR, K.P. Untersuchungen zur verträglichkeit und kompatibilität von BAY VP 2674 (Baytril) bei gesunden jungen Puten und zur Wirksamkeit nach experimenteller Mycoplasma gallissepticum - Infektion Hannover, 1986. Inaugural Dissertation (Doctor Medicinae Veterinariae) - Tieräztliche Hochschule Hannover, 1986.
  • BRAUNIUS, W.W. Effect van Baytril (BAY VP 2674) op jonge kalkoenen lijdende aan luchtweginfecties. Tijdschr Diergeneeskd, v. 112, p. 531-3, 1987.
  • CARACAPPA, S., LORIA, G.R., NOTO, et al. Sensibilita e resistenza verso alcuni chemio-antibiotici in ceppi de Staphylococcus aureus isolati de latte mastitico bovino in Sicilia. Atti della Soc Itali Buiatria, n. 23, p. 229-33, 1991.
  • DINC, D.A., ERGANIS, O., GULER, M., et al. Imeklerin subklinic mastitilerinde Baytril in etkisi. Hayvancilik Arastirma Derg, v. 1, p. 12-5, 1991.
  • DOMINGUES, P.F. Produção de leite e mastite bovina por Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Streptococcus agalactiae e Corynebacterium bovis Botucatu, 1993. 39 p. Dissertação (Mestrado Nutrição e Produção Animal) Curso de Pós-graduação em Zootecnia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP, 1993.
  • FRANKLIN, A., ASTRÖN, G. Concentration of a new quinolone drug in bovine plasma and milk. IN: SYMPOSIUM ON MASTITIS CONTROL AND HYGIENIC PRODUCTION OF MILK, 1986, Espoo. Proceedings... Espoo, 1986, p. 203- 17.
  • GANDOFER, B. Pharmacokinetics of Baytril (enrofloxacin), particularly passage from blood to milk. Unter besonder Berucknchtigreng der Blut-Milch-Schranke Munchen, 1991, 104 p. Inaugural Dissertation.
  • GEDEK, W. Antibakterielle Wirkung von neuren Chinilonen und Nalidixinsaure gegenuber Mastitiserregern vom Rind. Deutsch Tieraztl Wochenschr, v. 10, p. 545-8, 1987.
  • GOLLUM, H. Klinischen Untersuchungen zur Wirksamheit und Verträglichkeit von BAY VP 2674 (Baytril) nach verschiedenen Applikationen bei Zuchtsauen und Saugferkein Hannover, 1986. Inaugural Dissertation (Doctor Medicinae Veterinariae) - Tieräztliche Hochschule Hannover, 1986.
  • KRIEG, N.R., HOLT, J.G. Bergeys manual of systematic Bacteriology 9. ed. Baltimore: Williams & Wilkins, 1984. 1268 p.
  • LANGONI, H., MARINHO, M., BALDINI, S., et al. Ação in vitro da enrofloxacina em microrganismos isolados de leite mastítico. IN: CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 23, 1994, Olinda. Anais... Olinda, 1994, p. 259.
  • MARÇAL, W.S. O efeito antibacteriano das quinolonas: uma revisão. A Hora Vet, n. 74, p. 17-20, 1993.
  • MOORE, G.A., HEIDER, L.E. Treatment of mastitis. Vet Clin North Am Large Anim Pract, v.6, p.323-33, 1984.
  • SANDHOLM, M., LOUHI, M. Bovine mastitis: why does antibiotic therapy fail? Mammites des laitieres, sv, p.88-106, 1991.
  • SCHEER, M. Concetraciones de sustancia activa en el suero y en los tejidos después de administración oral y parenteral de Baytril. Not Méd Vet, v.2, p.104-18, 1987a.
  • SCHEER, M. Estudios sobre la actividad antibacteriana de Baytril. Not Méd Vet, n.2, p.90-9, 1987b.
  • SPIECKER, R.M. Untersuchungen zur Wirksankeit des chinoloncarbonsäurederivats BAY VP 2674 (Baytril) bei der Behandlung der latenten Salmonellen - Infektion des Rindes Hannover, 1986. Inaugural Dissertation (Doctor Medicinae Veterinariae) - Tierärtliche Hochschule Hannover, 1986.
  • STEINBERGER, A. Empfindlichkeitsprufung von euterpathogenen coliformen Keimen gegenuber BAY VP 2674 - Baytril und Gentamicin Munchen, 1986. Inaugural Dissertation (Doctor Medicinae Veterinariae) - Tierärtliche Facultat, Ludwig Maximilians Universitat, 1986.

  • 1
    Professor Adjunto, FMVZ – UNESP, Campus de Botucatu, Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, 18618-000, Distrito de Rubião Junior, SP. E-mail:
    helio.langoni@mailcity.com, autor para correspondência.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    08 Dez 2006
  • Data do Fascículo
    Mar 2000

Histórico

  • Recebido
    25 Nov 1998
  • Aceito
    28 Abr 1999
Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Rurais , 97105-900 Santa Maria RS Brazil , Tel.: +55 55 3220-8698 , Fax: +55 55 3220-8695 - Santa Maria - RS - Brazil
E-mail: cienciarural@mail.ufsm.br