Espécies de Eimeria em ovinos jovens e adultos criados em sistema intensivo e / ou semi - intensivo de um rebanho da cidade de Umuarama, Estado do Paraná, Brasil

Welber Daniel Zanetti Lopes Fernando de Almeida Borges Thais de Paula Faiolla Liliane Tada Antunes Dyego Gonçalves Lino Borges Fernando de Souza Rodriguez Gisela Ferraro Weslen Fabricio Teixeira Willian Giquelin Maciel Gustavo Felippelli Alvimar José da Costa Valdomiro Pereira Antônio Campanha Martinez Sobre os autores

O presente trabalho teve como objetivo realizar a identificação das espécies de Eimeria em ovinos jovens e adultos, criados em sistema intensivo e/ou semi-intensivo, de um rebanho da cidade de Umuarama, estado do Paraná, Brasil, utilizando-se métodos tradicionais de diagnóstico, bem como correlacionando o grau de infecção/tipo de infecção nas diferentes categorias animal presentes no rebanho. Amostras de fezes de 210 ovinos foram colhidas diretamente da ampola retal desses animais. Em seguida, procedeu-se à diferenciação das espécies em laboratório. Além disso, os animais foram observados, diariamente, durante o período de 20 dias, após a colheita de fezes, a fim de se evidenciar se a eimeriose ocorreu de forma clínica ou subclínica nos rebanhos. Das 210 amostras de fezes colhidas, 147 (70%) foram positivas para oocistos de Eimeria. Dentre as 210 amostras, 101 (47,8%) pertenciam aos animais jovens criados no sistema intensivo e/ou semi-intensivo. Foram identificados oocistos de nove espécies de Eimeria parasitas de ovinos, com a seguinte prevalência: E. crandallis (50,0%), E. parva (21,6%), E. faurei (8,1%), E. ahsata (8,1%), E. intrincata (5,4%), E. granulosa (2,7%), E. ovinoidalis (2,0%), E. ovina (1,3%) e E. bakuensis (0,7%). Não houve diferença quanto às espécies de Eimeria mais frequentes, entre as diferentes idades dos animais e também entre os diferentes regimes de criação (manejo). Diante do exposto, E. crandallis foi a espécies mais prevalente, seguida da E. parva e E. faurei, independente da idade dos animais. Maior nível de parasitismo foi encontrado nos animais jovens criados em regime de confinamento, e a enfermidade foi classificada como eimeriose subclínica, independente da idade dos animais. Futuros estudos deverão ser conduzidos neste rebanho, a fim de evidenciar se a eimeriose subclínica desencadeia danos aos animais, especialmente nos jovens criados em confinamento.

coccídeos; eimeriose; OoPG; ovinos


Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Rurais , 97105-900 Santa Maria RS Brazil , Tel.: +55 55 3220-8698 , Fax: +55 55 3220-8695 - Santa Maria - RS - Brazil
E-mail: cienciarural@mail.ufsm.br