A controvérsia sobre a possível relação entre o uso do telefone celular e câncer

Na última década, a prevalência do uso do telefone celular aumentou cerca de 100% em muitos países. Evidências de potenciais riscos acumulados para saúde em paralelo por pesquisas epidemiológicas levantam controvérsias sobre a interpretação apropriada e o grau de influência e desordem responsável pela redução ou aumento das estimativas de risco. Ao todo, 33 estudos epidemiológicos foram revistos por pares, sendo a maioria (25) sobre tumores cerebrais. Considerações metodológicas revelaram que não foram atendidas três importantes condições de estudos epidemiológicos para detectar um aumento de risco: não há nenhuma métrica de exposição baseada em evidências; a duração do uso de telefone celular observada é geralmente ainda muito baixa; não é possível a seleção de parâmetros com base em evidências entre os tipos de neoplasias totalmente diferentes, devido à falta de hipóteses etiológicas. As evidências no geral expressam um risco aumentado, mas sua magnitude não pode ser avaliada no momento graças à informação insuficiente sobre o uso a longo prazo.

Neuroma do acústico; Tumores cerebrais; Glioma; Meningioma; Telefones celulares; Avaliação de risco


ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br