Automedicação na adolescência: um desafio para a educação em saúde

Self-medication in adolescence: a challenge to health education

Ilane Magalhães Silva Ana Maria Fontenelle Catrib Vânia Cordeiro de Matos Ana Paula Soares Gondim Sobre os autores

O estudo visa analisar o conhecimento dos estudantes de escolas públicas e privadas do município de Fortaleza (CE) sobre o uso de medicamentos e suas implicações para a saúde. Trata-se de um estudo descritivo, com 722 adolescentes matriculados em dez escolas do município de Fortaleza. Levantou-se, por meio de um questionário, aspectos relativos ao consumo, indicação e orientação de medicamentos e a influência da mídia. Relataram uso de medicamentos, nos últimos sessenta dias, 72,0% dos participantes, sendo os analgésicos os mais citados (65,4%). Os responsáveis pelas indicações foram familiares (51,2%) e médicos (33,1%), sendo a automedicação relatada por 20,8% dos estudantes. Não receberam orientações sobre o uso correto de medicamentos 70,9% dos alunos. Do total, 34,1% revelaram já terem sido influenciados por meios de comunicação na compra de medicamentos. É possível concluir que o conhecimento dos adolescentes sobre medicamentos e suas implicações na saúde é bastante incipiente e desprovido de qualquer noção básica sobre o uso racional deles. Além disso, os estudantes da rede pública são mais orientados sobre o uso correto de medicamentos, por parte dos profissionais do sistema público de saúde, o que demonstra a eficiência do sistema como promotor de saúde da população matriculada em escolas públicas de Fortaleza.

Automedicação; Adolescentes; Educação em saúde


ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br