Pesquisa Nacional de Saúde (PNS-2019): resgate da atenção primária à saúde

Luiz Felipe Pinto Karina Cardoso Meira Angelita Alves de Carvalho Sobre os autores

As pesquisas populacionais de base domiciliar constituem o padrão-ouro para análise da situação de saúde das sociedades modernas. Institutos de Estatística em todo o mundo realizam, periodicamente, levantamentos censitários, ou estudos amostrais para a consecução desse objetivo. Desde 1998, e particularmente na década de 2000, a Revista Ciência & Saúde Coletiva divulga em números especiais (7.4, 11.4, 16.9, 21.2) os principais resultados de pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na área da saúde, realizadas por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Em 2013 e 2019, o suplemento ganhou vida própria e passou a se chamar “Pesquisa Nacional de Saúde (PNS)”.

Nesta edição, um grupo de pesquisadores, profissionais e gestores da saúde brindam-nos com um conjunto de artigos que analisam os principais resultados da PNS-201911 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2019. [acessado 2021 Maio 29]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9160-pesquisa-nacional-de-saude.html?=&t=o-que-e
https://www.ibge.gov.br/estatisticas/soc...
com ênfase na Atenção Primária à Saúde (APS).

A APS é a base para os sistemas de saúde que buscam obter os benefícios do acesso universal. Essa área temática, numa pesquisa avaliativa com usuários e profissionais de saúde e gestores, realizada por Pinto & Hartz22 Pinto LF, Hartz ZMA. Experiências em atenção primária em 25 anos da Revista Ciência & Saúde Coletiva: uma revisão de literatura. Cien Saude Colet 2020; 25(12):4917-4932., destacou-se pela grande quantidade de produção de conhecimento nos últimos 25 anos.

Na PNS-2019 que entrevistou os moradores dos domicílios brasileiros, o IBGE inovou e pela primeira vez na história da avaliação da APS no Brasil, incluiu a versão reduzida do instrumento intitulado Primary Care Assessment Tool (PCATool), destacado pelos autores supracitados. Os resultados mostram uma cobertura populacional domiciliar pela Estratégia de Saúde da Família no Brasil de 60,0% [58,9% - 61,1%], com diferenças locais e regionais importantes que influenciam diretamente no menor ou maior acesso e utilização dos serviços do SUS.

Um destaque importante desta edição é o fato de não se pretender esgotar todas as possibilidades de análises e temas da PNS-2019, uma pesquisa com multipropósitos e múltiplas possibilidades de recortes geográficos, respeitando-se os coeficientes de variação estimados em cada domínio estatístico.

Agradecimentos

Nossos agradecimentos especiais ao IBGE, patrimônio da ciência brasileira, pela inclusão da APS na PNS-2019.

Referências

  • 1
    Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2019. [acessado 2021 Maio 29]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9160-pesquisa-nacional-de-saude.html?=&t=o-que-e
    » https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9160-pesquisa-nacional-de-saude.html?=&t=o-que-e
  • 2
    Pinto LF, Hartz ZMA. Experiências em atenção primária em 25 anos da Revista Ciência & Saúde Coletiva: uma revisão de literatura. Cien Saude Colet 2020; 25(12):4917-4932.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    27 Set 2021
  • Data do Fascículo
    Set 2021
ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br