Processos e desafios da interação entre pesquisa e política na perspectiva dos pesquisadores

Antonia Angulo-Tuesta Leonor Maria Pacheco Santos José Antonio Iturri Sobre os autores

Resumo

As políticas informadas por evidências podem produzir impactos sociais e econômicos e benefícios na equidade e na saúde. A interação dos pesquisadores na política depende de interesses dos atores sociais e de ambientes políticos favoráveis. Este artigo busca compreender os significados e as perspectivas de pesquisadores sobre os processos de interação entre cientistas e tomadores de decisão que influenciam o impacto da pesquisa na política de saúde. Trata-se de estudo qualitativo, realizado em 2014, de análise de conteúdo para identificar os núcleos de sentido e as relações entre a pesquisa e a política. Baseou-se na abordagem do programa RAPID da Overseas Development Institute. Foram entrevistados 14 pesquisadores de projetos sobre morbimortalidade materna e neonatal financiados pelo Ministério da Saúde. Os pesquisadores orientaram-se para a produção de conhecimentos, o fortalecimento de capacidades de pesquisa e a divulgação dos resultados. Participaram, em algumas ocasiões, da definição de políticas de cuidado clínico e desempenho dos serviços de saúde. Apontaram barreiras para interatuar e produzir impactos na política devido às tensões do contexto político, econômico e social, às mudanças institucionais e organizacionais no setor saúde, e ao sistema de avaliação acadêmica.

Palavras-chave
Política de pesquisa em saúde; Pesquisa em saúde; Utilização da pesquisa

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br