Alteridade da dor nas práticas de Saúde Coletiva: implicações para a atenção à saúde de pessoas idosas

Wagner Jorge dos Santos Karla Cristina Giacomin Josélia Oliveira Araújo Firmo Sobre os autores

Resumo

A dor é vivência solipsista que acontece sem a mediação do outro no seu mal-estar, enquanto o sofrimento configura uma experiência alteritária de quem sofre e dirige ao outro sua demanda. Este artigo busca compreender o significado atribuído pelos idosos da comunidade sobre sua vivência álgica a partir da abordagem conferida à dor nas práticas de saúde coletiva. A pesquisa foi desenvolvida na abordagem qualitativa de cunho antropológico e fundamentada nos pressupostos da etnografia. Foram realizadas entrevistas individuais com roteiro semiestruturado em universo de 57 idosos. A metodologia de Signos, Significados e Ações orientou a coleta e a análise dos dados, possibilitando a investigação das representações e dos comportamentos concretos associados à experiência da dor. Observou-se o sentido da vivência da dor nas práticas da saúde coletiva em relação a duas categorias analíticas associadas ao processo saúde/doença e às relações de cuidado nos serviços públicos de saúde. A vivência da dor modula o conceito de saúde/doença dos entrevistados e medeia a produção de alteridade nas práticas de saúde coletiva, configurando a necessidade de um diálogo alteritário que nem sempre se estabelece com o profissional que cuida. É fundamental que este diálogo aconteça para que seja transmutado em cuidado que alivia e conforta.

Dor; Alteridade; Idoso; Serviços públicos de saúde

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br