Influência do desempenho físico na mortalidade, funcionalidade e satisfação com a vida de idosos: dados do estudo FIBRA

Vinícius Nagy Soares André Fattori Anita Liberalesso Neri Paula Teixeira Fernandes Sobre os autores

Resumo

O objetivo deste artigo é verificar a influência do desempenho físico na mortalidade, funcionalidade e satisfação com a vida de idosos. Foi realizado o seguimento de 900 idosos brasileiros não hospitalizados entre os anos de 2008 e 2016, no qual foram incluídos na análise de sobrevivência 154 óbitos por causas naturais. Os piores desempenhos de força de preensão manual (R.R. = 1,60; IC 95% = 1,15-2,23; p = 0,005) e de velocidade usual de marcha (R.R. = 1,82; IC 95% = 1,30-2,55; p < 0,001) associaram-se com o aumento do risco de mortalidade. A idade foi um fator de confusão para a força (R.R. = 1,06; IC 95% = 1,03-1,09; p < 0,001) e a artrite reumatoide foi um fator de confusão para a velocidade (R.R. = 2,02; IC 95% = 1,36-3,01; p < 0,001). Os idosos com bom desempenho físico faziam mais atividades instrumentais e avançadas da vida diária, e o bom desempenho de marcha apresentou efeito significativo na satisfação com a vida (F = 6,87; p = 0,009). O bom desempenho físico parece ser fundamental para a longevidade e para a realização de tarefas do cotidiano. Além disso, a boa mobilidade pode afetar mecanismos relacionados à satisfação com a vida.

Palavras-chave
Mortalidade; Funcionalidade; Satisfação com a vida

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br