Será o crescimento mundial de incidência da asma um impacto antecipado de mudanças climáticas antropogênicas?

Paul John Beggs Hilary Jane Bambrick Sobre os autores

O crescimento na incidência, prevalência e morbidade da asma durante as recentes décadas representa importante desafio para a saúde pública. Pólen é um importante desencadeador de alguns tipos de asma e tanto a sua quantidade como as especificidades das estações em que eles mais se disseminam dependem de variáveis climáticas e meteorológicas. No mesmo período em que se observa o incremento na incidência da asma houve considerável crescimento de concentração de dióxido de carbono na atmosfera e aumento da média de temperatura da superfície da terra. Nossa hipótese é a de que as mudanças antropogênicas do clima constituem um fator plausível para o incremento da incidência da asma. Maiores concentrações de dióxido de carbono e elevadas temperaturas podem aumentar a quantidade de pólen e induzir o aumento de variações climáticas que facilitam sua dispersão. Alergias a pólen podem aumentar como resultado de mudanças climáticas. Exposição precoce a ambientes que predisponham a alergias também podem provocar o desenvolvimento de condições atópicas, como eczema e rinite alérgica. Embora a etiologia da asma seja complexa, o recente incremento de sintomas de asma em nível global pode significar um dos antecipados efeitos sobre a saúde, de mudanças climáticas antropogênicas.

Alergias; Alergias a pólen; Mudanças climáticas antropogênicas; Asma; Dióxido de carbono


ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br