Prevalência de identificação e notificação de abuso físico infantil por dentistas e fatores associados

Laís Soares Nunes Fernando Silva-Oliveira Flávio Freitas Mattos Fernanda Bartolomeo Freire Maia Efigenia Ferreira e Ferreira Patrícia Maria Pereira de Araújo Zarzar Sobre os autores

Resumo

Estudos que avaliem os fatores associados à subnotificação e às dificuldades dos dentistas para identificar e notificar abuso físico infantil são escassos e necessários. Este estudo teve como objetivo investigar a prevalência de identificação e de notificação de abuso físico infantil (AFI) e fatores associados por dentistas da atenção primária. Trata-se de um estudo transversal com amostra representativa dos dentistas da Estratégia Saúde da Família de Belo Horizonte. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário autoaplicável, validado para uso no Brasil. A análise estatística incluiu análise univariada e múltipla pela regressão de Poisson. Um total de 181 profissionais participaram do estudo. Destes, 73 (40,3%) já identificaram algum caso de AFI, mas apenas 11 (6,1%) realizaram a notificação. Dentistas com seis a 19 anos de trabalho no município apresentaram probabilidade 2,38 vezes [RP = 2,38 (CI 95%: 1,29-4,41)] maior de identificar casos de AFI do que aqueles com menos de seis anos de atuação. Possuir pós-graduação com foco em crianças [PR = 4,50(CI 95%: 1,08-18,68)] esteve positivamente associado a um maior número de notificações. O tempo de trabalho no município esteve associado à identificação de casos de AFI. A prevalência de notificação encontrada foi baixa.

Palavras-chave:
Maus-tratos infantis; Notificação; Estratégia Saúde da Família; Violência; Dentistas

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br