A prevenção das infecções sexualmente transmissíveis nos roteiros sexuais de jovens: diferenças segundo o gênero

Thelma Spindola Rosana Santos Costa Santana Rômulo Frutuoso Antunes Yndira Yta Machado Paula Costa de Moraes Sobre os autores

Resumo

Este estudo tem como objeto a vulnerabilidade dos jovens universitários às infecções sexualmente transmissíveis e como objetivos identificar e analisar o comportamento sexual de estudantes universitários e as práticas de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis. Pesquisa descritiva, qualitativa, realizada em universidade privada no Rio de Janeiro, em 2016, com 30 universitários de ambos os sexos, idades entre 18-29 anos. Os dados discursivos foram coletados pela técnica de Grupo Focal e analisados com emprego da técnica de análise de conteúdo, com auxílio do software Nvivo 9.0, e ancorado na teoria dos roteiros sexuais de John Gagnon. Os achados denotam que os universitários se reconhecem como uma população vulnerável às infecções transmitidas pelo sexo desprotegido. O grupo apresenta insuficiência de conhecimentos sobre as infecções e não usa preservativos de modo contínuo. Percebeu-se, nos discursos dos universitários, que o tipo de relacionamento afetivo é determinante para uso (ou não) do preservativo. Os jovens acreditam na invulnerabilidade do grupo e, por conseguinte, assumem um comportamento sexual de risco.

Palavras-chave:
Adulto jovem; Vulnerabilidade em saúde; Infecções sexualmente transmissíveis; Comportamento sexual

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br