Síndrome de Burnout em gerentes da Estratégia de Saúde da Família

Alice Mariz Porciuncula Sandra Aparecida Venâncio Cosme Marcelo Furtado Passos da Silva Sobre os autores

Resumo

Este artigo analisou a Síndrome de Burnout (SB) entre os gerentes da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Município do Rio de Janeiro e suas associações entre os fatores que influenciam a presença/ausência da SB nesses profissionais. Com natureza descritiva, ele utilizou um questionário, composto de duas partes: 1) perfil do gerente e fatores que possam influenciar a presença de Burnout; 2) Inventário Maslach Burnout Inventory. A taxa percentual de retorno foi de 63,5% (143) dos 225 enviados. Os gerentes da ESF são em geral, enfermeiros (68,6%), jovens (74,5% até 39 anos), do sexo feminino (76,9%) e que atuam na gerência há menos de 5 anos (85,2%). A presença da SB foi identificada em 11,2% dos gerentes. Os fatores de natureza organizacional foram os que obtiveram maior número de variáveis com associação. Esses dados apontam para necessidade de realização de mudanças nas práticas organizativas de serviços e de mudanças nos processos de trabalho. A realização de outros estudos, que aprofundem estas questões, pode contribuir neste sentido.

Palavras-chave
Burnout; Atenção Primária à Saúde; Gestor de saúde

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br