Prescrição de medicamentos por fisioterapeutas: um olhar brasileiro sobre o Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia

Valton da Silva Costa Sobre o autor

Resumo

Alguns sistemas de saúde (SS) têm adotado modelos inovadores de assistência que incluem a prescrição não médica (PNM) por fisioterapeutas. Este estudo objetivou verificar na literatura a existência dessa prática e seus possíveis benefícios. Foi realizada revisão da literatura, com buscas na Science Direct, PubMed, SciELO, Lilacs e Google Scholar, e nos sites da World Confederation for Physical Therapy e da Charthered Society of Physiotherapy, entre 2014 e 2015. O Reino Unido adotou a PNM por fisioterapeutas em décadas recentes, exemplo seguido pelo Canadá. Na Austrália e Nova Zelândia, fisioterapeutas têm atuado na prescrição e administração de medicamentos, sob ordens médicas, sendo este o primeiro passo para a prescrição independente. Fisioterapeutas brasileiros não podem prescrever medicamentos, apesar das altas demandas de pacientes, carência de médicos em muitas regiões e burocracia no acesso aos serviços de saúde. A prática da PNM por fisioterapeutas pode preencher um importante papel nos SS, e parece ser uma inevitável realização na Austrália e Nova Zelândia nos próximos anos. Os principais benefícios são a diminuição da burocracia no acesso a medicamentos e demandas populacionais, bem como maior refinamento profissional.

Sistemas de saúde; Fisioterapeutas; Prática profissional; Prescrições de medicamentos

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br