Saúde urbana: "a cidade é uma estranha senhora, que hoje sorri e amanhã te devora"

Urban health: "the city is a strange lady, smiling today, devouring you tomorrow"

Mais da metade dos habitantes da terra está vivendo nas cidades, e o mundo está se tornando mais e mais urbano. Este artigo considera, a partir de revisão bibliográfica, que o ambiente urbano influencia a saúde e os comportamentos humanos, apontando para a necessidade do melhor entendimento dos determinantes da saúde das populações vivendo nas cidades. Explora as transformações urbanas oferecendo uma visão sobre a conformação das cidades contemporâneas e os impactos sobre a saúde humana. Sugere que, enquanto as cidades podem representar oportunidades positivas, impactos desiguais negativos relacionados à falta de organização social, precárias condições urbanas e de trabalho, falta de governança, de oportunidades, e de capacidade de desenvolver políticas para ações tendem a ampliar os efeitos adversos sobre a saúde das pessoas. Discute a saúde urbana como um ramo de conhecimento aninhado na saúde pública, possibilitando re-pensar avaliações de impacto à saúde a partir de intervenções não necessariamente originadas da saúde. Propõe arcabouço de um modelo conceitual, além de uma taxonomia comum para a saúde urbana. Apresenta direções futuras de investigação e prática, contemplando especificidades analíticas, sob a luz de alguns exemplos da literatura científica brasileira.

Saúde urbana; Urbanização; Iniqüidades; Cidades


ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Brasil, 4036 - sala 700 Manguinhos, 21040-361 Rio de Janeiro RJ - Brazil, Tel.: +55 21 3882-9153 / 3882-9151 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cienciasaudecoletiva@fiocruz.br