Percepções leigas sobre as desigualdades na saúde e no ambiente e suas associações com a saúde mental

Maria Luisa Lima Rita Morais Sobre os autores

Resumo

As desigualdades na saúde estão bem documentadas na investigação epidemiológica: as pessoas ricas vivem mais e têm menos doenças que as pessoas pobres. Uma quantidade crescente de evidência das ciências ambientais confirma também que os pobres estão mais expostos à poluição e a outras ameaças ambientais. No entanto, a pesquisa nas ciências sociais tem mostrado que existe uma grande falta de consciência sobre as desigualdades na saúde. Neste trabalho, com base em dados coletados em Portugal, analisamos a consciência das injustiças na saúde e no ambiente e testamos uma hipótese explicativa para a cegueira social. Os resultados mostram, mais do que antes, que a opinião pública tende a ver as pessoas ricas e pobres como igualmente suscetíveis a problemas de saúde e ambientais, e que aqueles que têm uma visão de mundo mais igual apresentam menores níveis de depressão e ansiedade. Seguindo a teoria de adaptação cognitiva, essa “crença num mundo igual” pode ser interpretada como uma ilusão positiva de proteção, particularmente relevante em um dos países mais desiguais da Europa.

Desigualdade em Saúde; Iniquidade Social; Meio Ambiente

Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br
Accessibility / Report Error