Prevalência de distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores da indústria plástica

Rita de Cássia Pereira Fernandes Fernando Martins Carvalho Ada Ávila Assunção Sobre os autores

Estimou-se prevalência de distúrbio musculoesquelético em trabalhadores da indústria de plástico, em Salvador, Bahia, Brasil. Casos foram definidos pelo relato de sintomas de dor nos últimos 12 meses, com duração maior do que uma semana ou freqüência mínima mensal, que haviam determinado restrição ao trabalho ou procura médica, ou tinham gravidade maior ou igual a 3 (numa escala numérica de 0 a 5). Estudou-se uma amostra aleatória estratificada proporcional de 577 trabalhadores. A prevalência de distúrbio musculoesquelético, considerando todos os segmentos corporais, foi de 50,1%, sendo maior entre mulheres do que entre homens nas extremidades superiores distais (34,6% e 11,6%, respectivamente) e na região de pescoço, ombro ou parte alta do dorso (27,4% e 17,6%, respectivamente). Não houve diferença entre os sexos para a prevalência de lombalgia (21,2% e 21,4%, respectivamente) e 65% dos casos nesta região apresentaram dor nos últimos sete dias. Devido à grande importância e prevalência dos distúrbios musculoesqueléticos, é necessário que a sua mensuração seja feita adequadamente, em estudos epidemiológicos.

Transtornos Traumáticos Cumulativos; Doenças Musculosqueléticas; Saúde do Trabalhador


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br