Autopercepção positiva de saúde em idosos: estudo populacional no Sul do Brasil

Autopercepción positiva de salud en ancianos: estudio poblacional en el Sur de Brasil

Susana Cararo Confortin Maruí Weber Corseuil Giehl Danielle Ledur Antes Ione Jayce Ceola Schneider Eleonora d’Orsi Sobre os autores

O objetivo foi identificar fatores associados à autopercepção positiva de saúde em idosos de Florianópolis, Santa Catarina, Sul do Brasil. Trata- se de estudo transversal, de base populacional, com 1.705 idosos. A autopercepção de saúde foi classificada como positiva (muito boa e boa) e negativa (regular, ruim e muito ruim). A regressão bruta e ajustada de Poisson foi utilizada para identificar os fatores associados. A prevalência do desfecho foi de 51,2%, associada positivamente ao sexo masculino (RP = 1,13), ter mais de 5 anos de estudo, consumo moderado (RP = 1,33) ou alto de álcool (RP = 1,37), ser ativo no lazer (RP = 1,20), utilizar Internet (RP = 1,21), menor número de morbidades, dependência leve/moderada (RP = 2,20) ou nenhuma (RP = 2,67), não sofrer quedas (RP = 1,19) e não fazer uso de polifarmácia (RP = 1,27). Foram identificados diversos fatores modificáveis que podem interferir na autopercepção de saúde positiva de idosos e contribuir para o desenvolvimento de estratégias para melhorar a qualidade de vida desses.

Saúde do Idoso; Autoavaliação; Estudos Transversais


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br