A saúde dos homens: desigualdades sociais em estudo de base populacional

Este trabalho avalia as desigualdades sociais em saúde, segundo escolaridade, na população masculina. Trata-se de um estudo transversal de base populacional, envolvendo 449 homens, de 20 a 59 anos, residentes em Campinas, São Paulo, Brasil. Realizou-se o teste qui-quadrado para verificar as associações e o modelo de regressão de Poisson para estimar as razões de prevalência brutas e ajustadas. O segmento de menor escolaridade apresentou maiores proporções de consumo e dependência de bebida alcoólica, tabagismo, sedentarismo e de consumo alimentar menos saudável, além de maiores prevalências de autoavaliação da saúde como ruim/muito ruim, pelo menos uma doença crônica, hipertensão, dentre outros problemas de saúde. Não foram detectadas diferenças entre os segmentos com relação ao uso de serviços de saúde, à exceção da utilização de serviços odontológicos. Os achados revelam que há desigualdade social na maioria dos comportamentos relacionados à saúde e em alguns indicadores de estado de saúde. Entretanto, observou-se possível equidade no uso de praticamente todos os serviços de saúde.

Saúde do Homem; Iniquidade Social; Inquéritos Epidemiológicos


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br