Saúde e desenvolvimento sustentável: desafios e oportunidades dos enfoques ecossistêmicos na prevenção e controle do dengue e da doença de Chagas

Um mundo de pessoas saudáveis em ecossistemas saudáveis tem sido uma meta elusiva da agenda de desenvolvimento sustentável. Inúmeras avaliações de bases científicas concordam com a interdependência fundamental entre saúde, economia e ambiente e, com a urgência de melhores determinações e orquestração de ações baseadas em enfoques participativos multissetoriais em níveis local e global. Para tornar o conhecimento relevante para fundamentar políticas públicas direcionadas para o desenvolvimento sustentável e saudável é necessário considerar as interações complexas e dinâmicas entre sistemas ecológicos e sociais (enfoque sistêmico), que devem estar ligadas às ações de desenvolvimento. Isso requer maior interação entre tomadores(as) de decisões, pesquisadores(as) e representantes da sociedade civil - um processo participativo com múltiplos atores, e a integração de diferentes disciplinas e de diferentes tipos de conhecimento em um enfoque transdisciplinar. Enfoques ecossistêmicos para saúde humana (ecossaúde) conecta esses elementos em um esquema adaptável para pesquisa e ação. Este artigo apresenta exemplos de pesquisas com enfoque em ecossaúde aplicadas às enfermidades transmitidas por vetores, com atenção particular à participação de múltiplos atores, considerando a proeminência desta prerrogativa no discurso político de desenvolvimento sustentável.

Desenvolvimento Sustentável; Doença de Chagas; Dengue


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br