Determinação da taxa de sobrevivência e estimativa da densidade populacional de fêmeas grávidas de Aedes aegypti (Diptera, Culicidae) no Rio de Janeiro, Brasil

O tamanho populacional e a taxa de sobrevivência de vetores de doenças são importantes componentes da capacidade vetorial. Um experimento de marcação-soltura-recaptura foi conduzido numa área urbana endêmica de dengue no Rio de Janeiro, Brasil, para estimar o tamanho populacional, taxa de sobrevivência diária e capacidade vetorial de fêmeas de Aedes aegypti; para tal, usaram-se aspirador costal e armadilha para fêmeas grávidas de Ae. aegypti (MosquiTRAP). Estimativas do tamanho populacional de fêmeas grávidas foram diferentes quando foram analisados dados coletados apenas na MosquiTRAP (3.505 indivíduos) e aspiradores (1.470). Por outro lado, taxas de sobrevivência e longevidade de Ae. aegypti foram semelhantes independentemente do método de captura empregado. Até 26,3% das fêmeas seriam capazes de sobreviver mais do que dez dias, tempo equivalente à duração do período de incubação extrínseco. O cálculo da capacidade vetorial revelou valores entre 0,01567 e 0,4215, e o número básico de reprodução foi estimado entre 0,0695 e 1,88.

Vetores de Doenças; Controle de Mosquitos; Dengue


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br