Evolução e impacto do trabalho infantil na saúde de indivíduos adultos no Brasil entre 1998 e 2008

Marislei Nishijima André Portela Fernandes de Souza Flávia Mori Sarti Sobre os autores

Há escassez de evidências quanto ao impacto do trabalho infantil na saúde do adulto no Brasil. O objetivo do presente artigo é analisar a evolução do trabalho infantil no Brasil e estimar seus efeitos de longo prazo no estado de saúde dos brasileiros em idade adulta, utilizando bases de dados representativas da população nacional (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) em três períodos (1998, 2003 e 2008). Os modelos estimados foram baseados em equações lineares em dois estágios e método dos momentos generalizado (GMM). Os resultados obtidos indicam declínio da prevalência de trabalho infantil no Brasil, embora os dados analisados ainda apresentem padrões de ingresso precoce no mercado de trabalho brasileiro. O trabalho infantil, independentemente da atividade, teve influência negativa em indicadores de saúde de adultos, direta (impacto em saúde) e indiretamente (perda de anos de estudos). Assim, o trabalho infantil impõe um prejuízo em longo prazo à população no Brasil, influenciando adversamente a formação de capital humano via impactos negativos em saúde na fase adulta.

Trabalho de Menores; Saúde do Adulto; Promoção da Saúde; Educação


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br