Debate sobre o artigo de Minayo & Sanches

Debate on the paper by Minayo & Sanches

DEBATE DEBATE

Debate sobre o artigo de Minayo & Sanches

Debate on the paper by Minayo & Sanches

Ricardo Ventura Santos

Departamento de Antropologia, Museu Nacional

Departamento de Endemias Samuel Pessoa

Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz

Minayo & Sanches empreenderam uma tarefa árdua de maneira original e informativa. Não é incomum que os defensores deste ou daquele método entrincheirem-se em seus respectivos domínios de conhecimento e lancem suas cargas de munição no que é percebido como o lado oposto do campo de batalha. São aqueles mais apegados às maneiras de obtenção dos dados, aos métodos, do que à geração de teorias. Os autores, contudo, longe de adotarem posições ortodoxas, procuraram enfocar as potencialidades e limitações de cada uma das abordagens, em conformidade com o fim pedagógico do ensaio.

Em primeiro lugar, gostaria de levantar uma questão de ordem epistemológica relacionada ao título. Dois métodos de trabalho — no caso o quantitativo e o qualitativo — têm ou não a capacidade intrínseca de oposição ou complementariedade? A meu ver, os métodos em si não são imbuídos destas características, nem de oposição, em particular, que, em verdade, encontram-se nas mãos dos praticantes, daqueles que deles fazem uso, almejando, nas palavras dos autores, "uma correta construção dos dados [visando] refletir sobre a dinâmica da teoria". Ou seja, a fonte de oposição e/ou complementariedade reside menos nos métodos do que nos seus usuários.

Da observação acima deduzo que a discussão em torno do quantitativo e do qualitativo envolve nuanças de poder, de quem "determina" e como se percebe o valor científico de procedimentos utilizados na coleta de dados. O que ocorre é que a formação acadêmica de nossos pesquisadores tende a privilegiar um enfoque ou outro, raramente uma maneira de pensar quali-quantitativa integrada. A dicotomia oposição/complementariedade surge da própria dificuldade dos pesquisadores, em um universo metodológico cada vez mais complexo, de fazerem igualmente bom uso das diversas formas de se aproximar da realidade empírica. Como parecem indicar Minayo & Sanches, o questionamento sobre as possíveis fontes de oposição ou complementariedade das abordagens é uma questão "menor" dentro de uma discussão mais ampla. Sim, há potencialidades e limitações em cada uma das abordagens, mas o importante é enxergar, como frisado no texto, que as investigações quantitativas e qualitativas prestam-se a diferentes fins.

Se, no texto como um todo, ambos os autores procuram delimitar os domínios de atuação do quantitativo e do qualitativo, os pontos de vista expressos em certos trechos do ensaio indicam que, potencialmente, os limites não são precisos. A certa altura do texto é afirmado que

"quanto mais complexo for o fenômeno sobinvestigação, maior deverá ser o esforço para se chegar a uma quantificação adequada", o que pode resultar de dificuldades de mensuração e quantificação e da falta de procedimentos matemáticos adequados para se descrever o fenômeno sob investigação. A priori, esta afirmação sugere que os fenômenos, sejam eles de menor ou maior complexidade, são potencialmente quantificáveis, ainda que possam faltar, no presente, os elementos para tal. É como se o poço fosse infinitamente fundo, mas, em contrapartida, dispuséssemos de corda suficiente para ir infinitamente abaixo.

Em uma seção subseqüente, Minayo & Sanches utilizam o recorte de Gurvitch, esquematizado pelo "ecológico, morfológico, concreto" e pelas "camadas mais profundas", para exemplificarem o domínio de ação do quantitativo e do qualitativo. Lança-se no ar a seguinte questão: caso efetivamente deva-se procurar atingir uma quantificação adequada, qualquer que seja a complexidade do fenômeno, como afirmam os autores, é de se esperar que o quantitativo atenha-se aos "níveis da realidade, onde os dados se apresentam aos sentidos", ou a tendência seria de um contínuo movimento do quantitativo em direção às "camadas mais profundas", aquelas de maior complexidade?

Vejo o debate acerca do quantitativo/qualitativo como uma variante da discussão acerca das vantagens e limitações de abordagens interdisciplinares. Por interdisciplinaridade entende-se o emprego não só de teoria, mas também dos métodos de investigação, de diferentes segmentos de pesquisa, almejando a construção do conhecimento. Poucos pesquisadores defenderiam, nos nossos dias, que a melhor maneira de se fazer ciência é mantendo-se e incentivando-se compartimentalizações teóricas e/ou metodológicas. É este um dos importantes pontos frisados por Minayo & Sanches no seu ensaio.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    16 Set 2004
  • Data do Fascículo
    Set 1993
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br