Zika: uma ameaça permanente para mulheres e crianças

Beatriz Macedo Coimbra dos Santos Flavio Codeço Coelho Margaret Armstrong Valeria Saraceni Cristina Lemos Sobre os autores

Dados recentes do Município de Rio de Janeiro, Brasil, mostram uma queda importante na notificação de casos de Zika no verão de 2016/2017, comparado ao verão anterior. A incidência ainda é muito mais alta em mulheres do que em homens, quase certamente em função da transmissão sexual. Uma característica inesperada dos novos dados é que, proporcionalmente, há muito mais casos em crianças abaixo dos 15 meses de idade, quando comparadas àquelas das faixas mais velhas. Ao comparar as taxas de incidência em 2016/2017 e 2015/2016, conseguimos deduzir a proporção de casos notificados em homens e mulheres e confirmar que a disparidade de gênero ainda existe. As mulheres e crianças ainda são grupos de risco para a infecção pelo vírus Zika, mesmo durante períodos não epidêmicos.

Palavras-chave:
Zika Vírus; Mulheres; Criança; Incidência


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br