Conseqüências não-intencionais: a avaliação do impacto do HIV/AIDS sobre a pesquisa em sexualidade e o debate de políticas

A epidemia de HIV teve um impacto profundo sobre nossos conceitos, discursos e pesquisas relacionadas à sexualidade. A epidemia abriu uma ampla gama de abordagens e metodologias na pesquisa sobre sexualidade, levando a uma abertura maior na discussão e debate sobre sexualidade, valores sexuais e normas sexuais. A sexualidade tornou-se um dos principais espaços contestados no discurso público, de maneira antes inconcebível, e forças conservadoras e progressistas entraram no debate de tal maneira que tiveram um impacto profundo sobre políticas sexuais nas duas últimas décadas. O artigo procura avaliar algumas das mudanças mais importantes nesse campo. O estudo sugere que os avanços recentes já desaceleraram ou tornaram-se mais tímidos, ao mesmo tempo em que enfatiza a importância da tentativa de tratar a sexualidade como questão central dentro do contexto HIV/AIDS. Embora esses desdobramentos tenham sido não-intencionais, nossas respostas à epidemia podem ter um impacto significativo (para bem ou para mal) sobre o enfrentamento das questões de sexualidade e saúde sexual

HIV; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Sexualidade; Política Social


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br