Fatores sócio-culturais e éticos relacionados com os processos de diagnóstico da esquistossomíase mansônica em área de baixa endemicidade

Socio-cultural and ethical factors involved in the diagnosis of schistosomiasis mansoni in an area of low endemicity

Foram realizados em Sumidouro, Rio de Janeiro, Brasil, município endêmico para a esquistossomíase, cinco inquéritos parasitológicos anuais e um sorológico, baseados nas técnicas de Kato-Katz, sedimentação espontânea e western blot. Avaliou-se ainda a interveniência de fatores sociais, culturais e éticos na aplicação de tais métodos junto à comunidade. A possibilidade de opção foi decisiva para a participação das pessoas. As prevalências pela coproscopia foram: 11,6% (1995); 8,8% (1996); 12,2% (1998); 5,9% (1999); 3,2% (2000). No ano de realização da sorologia, os resultados dos exames laboratoriais associados às informações sobre a transmissão, o acompanhamento clínico dos infectados e seus históricos de tratamento, geraram um procedimento diagnóstico nomeado coprosoroepidemiologia que refletiu mais precisamente a prevalência local. Confirmou-se que a vigilância epidemiológica evitaria o recrudescimento da prevalência. A substituição de Biomphalaria glabrata por Melanoides tuberculata no principal foco de transmissão, contribuiu para a queda acentuada dos índices de infecção.

Esquistossomose Mansoni; Diagnóstico; Doenças Endêmicas


Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rua Leopoldo Bulhões, 1480 , 21041-210 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.:+55 21 2598-2511, Fax: +55 21 2598-2737 / +55 21 2598-2514 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br