Accessibility / Report Error

Composição química e classes de lipídios em peixe de água doce Curimatã comum, Prochilodus cearensis

Chemical composition and lipids classes of the freshwater fish "curimatã comum", Prochilodus cearensis

Resumos

O presente trabalho teve como objetivo obter dados quantitativos sobre as classes de lipídios presentes no filé de curimatã, Prochilodus cearensis. Os lipídios totais (LT) foram fracionados em classes de lipídios neutros (LN), gliceroglicolipídios (GL) e glicerofosfolipídios (PL) através de cromatografia em coluna aberta de sílica gel 60 (70-230 mesh). As análises foram realizadas em quatro lotes de amostras contendo cada uma três exemplares, adquiridos em feiras livres de Fortaleza-CE, nos meses de março, maio, junho e julho de 1998. Os LT representaram em média 3,8% em relação ao peso fresco da amostra. A classe lipídica dominante foi de LN com média de 75,1% dos LT ou 2,9g/100g de filé. Os GL e PL contribuíram em média com 1,6% (61mg/100g de filé) e 23,3% (885mg/100g de filé), respectivamente. A composição química centesimal apresentou média de 76,3% de umidade, 18,6% de proteína total e 1,3% de cinza.

peixe de água doce; lipídios neutros; glicolipídios; fosfolipídios; composição


The purpose of this work is to quantify lipid classes founded in fillets of "curimatã", Prochilodus cearensis. Four lots of samples, each one containing three specimens, were obtained from retail stores in Fortaleza (Ceará State - Brazil) on March, May, June and July 1998. The total lipids (TL) were fractionated by open column chromatography in neutral lipids (NL), glyceroglycolipids (GL) and glycerophospholipid (PL). The TL was averaged in 3.8% of muscle, on wet mass basis. The dominant lipid class was NL averaging at 75.1% in relation to the TL or 2.9g/100g of fillet. The GL and PL contribution in average with 1.6% (61mg/100g of fillet) and 23.3% (885mg/100g of fillet) of the TL, respectively. The approximate composition had average of 76.3% moisture, 18.6% protein, and 1.3% ash.

freshwater fish; neutral lipids; glycolipids; phospholipids; composition


Composição química e classes de lipídios em peixe de água doce Curimatã comum, Prochilodus cearensis1 1 Recebido para publicação em 01/07/99. Aceito para publicação em 27/10/99.

Everardo L. MAIA2 2 Departamento de Engenharia de Pesca/CCA-UFC, Campus Universitário do Pici, bloco 827, Cx.12.168, CEP 60.356-000 – Fortaleza, Ceará. E-mail: maiadep@ufc.br ,* * A quem a correspondência deve ser enviada. , Cláudia C. S. de OLIVEIRA3 3 Mestrandos do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Pesca – UFC. , André P. SANTIAGO3 3 Mestrandos do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Pesca – UFC. , Francisca E. A. CUNHA3 3 Mestrandos do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Pesca – UFC. , Francisco C. A. F. HOLANDA3 3 Mestrandos do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Pesca – UFC. , Janaína A. SOUSA3 3 Mestrandos do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Pesca – UFC.

RESUMO

O presente trabalho teve como objetivo obter dados quantitativos sobre as classes de lipídios presentes no filé de curimatã, Prochilodus cearensis. Os lipídios totais (LT) foram fracionados em classes de lipídios neutros (LN), gliceroglicolipídios (GL) e glicerofosfolipídios (PL) através de cromatografia em coluna aberta de sílica gel 60 (70-230 mesh). As análises foram realizadas em quatro lotes de amostras contendo cada uma três exemplares, adquiridos em feiras livres de Fortaleza-CE, nos meses de março, maio, junho e julho de 1998. Os LT representaram em média 3,8% em relação ao peso fresco da amostra. A classe lipídica dominante foi de LN com média de 75,1% dos LT ou 2,9g/100g de filé. Os GL e PL contribuíram em média com 1,6% (61mg/100g de filé) e 23,3% (885mg/100g de filé), respectivamente. A composição química centesimal apresentou média de 76,3% de umidade, 18,6% de proteína total e 1,3% de cinza.

Palavras-chave: peixe de água doce, lipídios neutros, glicolipídios, fosfolipídios, composição.

SUMMARY

Chemical composition and lipids classes of the freshwater fish "curimatã comum", Prochilodus cearensis.The purpose of this work is to quantify lipid classes founded in fillets of "curimatã", Prochilodus cearensis. Four lots of samples, each one containing three specimens, were obtained from retail stores in Fortaleza (Ceará State – Brazil) on March, May, June and July 1998. The total lipids (TL) were fractionated by open column chromatography in neutral lipids (NL), glyceroglycolipids (GL) and glycerophospholipid (PL). The TL was averaged in 3.8% of muscle, on wet mass basis. The dominant lipid class was NL averaging at 75.1% in relation to the TL or 2.9g/100g of fillet. The GL and PL contribution in average with 1.6% (61mg/100g of fillet) and 23.3% (885mg/100g of fillet) of the TL, respectively. The approximate composition had average of 76.3% moisture, 18.6% protein, and 1.3% ash.

Keywords: freshwater fish, neutral lipids, glycolipids, phospholipids, composition.

1 – INTRODUÇÃO

Entre os peixes de água doce potenciais para aqüicultura no Brasil destacam-se os peixes da família Prochilodontidae [7, 10, 34]. Os membros desta família apresentam larga distribuição geográfica em toda a América do Sul, sendo encontrados nas bacias Amazônica, do Orenoco, das Guianas, do Nordeste brasileiro (por exemplo, no Rio São Francisco), do Paraná, Uruguai e Paraguai, do Leste brasileiro (por exemplo, no Rio Paraíba do Sul) e da Patagônia (Argentina).

As espécies do gênero Prochilodus são de importância comercial em todas as regiões do Brasil, em especial do Nordeste brasileiro, devido a sua possibilidade de adaptação em diferentes ambientes aquáticos, grande facilidade de fecundação artificial, alta precocidade e prolificidade, regime alimentar e, principalmente pela sua grande aceitação pelos habitantes [5, 10]. Exemplares medindo 60cm e pesando 2kg são comuns entre os P. nigricans [34], enquanto exemplares com até 77cm de comprimento e 8,2kg de peso foram encontradas em fêmeas de P. scrofa [7].

Por tratar-se de uma espécie muito consumida pela população brasileira, os peixes Prochilodus têm sido investigados quanto a sua composição química aproximada [8, 13, 17, 25], enquanto GURGEL e FREITAS [9] investigaram a variação estacional do teor de gordura de P. cearensis, e, LESSI [17], MAIA, RODRIGUEZ-AMAYA, AMAYA-FARFÁN [25] e MAIA, RODRIGUEZ-AMAYA, FRANCO [27] analisaram a composição em aminoácidos e/ou ácidos graxos do curimbatá de São Paulo, bem como, os conteúdos das classes lipídicas e suas respectivas composições em ácidos graxos. Estudos também foram realizados com P. scrofa capturados em São Paulo, sobre a durabilidade da estocagem em gelo [26] e a formulação, aceitabilidade e estabilidade de estocagem de fish-burger [24].

Sabe-se que os constituintes químicos no pescado variam entre diferentes espécies, e mesmo, entre indivíduos de mesma espécie, em função da época e local de captura, habitat, sexo, idade, entre outros fatores [11, 35, 36], por isso, objetiva-se neste estudo obter informações acerca da composição química e dos teores das classes de lipídios neutros, glicolipídios e fosfolipídios na curimatã comum, P. cearensis do Estado do Ceará.

2 – MATERIAL E MÉTODOS

2.1 – Amostras

As amostras constaram de exemplares de curimatã comum ou cearense, P. cearensis, sem distinção de sexo e tamanho. Quatro amostras, cada uma composta por três exemplares, provavelmente originários de açudes, foram adquiridos em feiras-livres de Fortaleza-Ceará, nos meses de março, maio, junho e julho de 1998. Os pesos médios das respectivas amostras foram de 340g (300–400g), 400g (380-410g), 400g (320-520g) e 300g (230-380g).

No Laboratório de Recursos Aquáticos (LARAq) do Departamento de Engenharia de Pesca da Universidade Federal do Ceará, de cada lote, obteve-se seis filés sem pele, que após cortados em pequenos pedaços, foram reunidos e homogeneizados com auxílio de multiprocessador MASTER WALITA. Esta massa homogênea, também denominada de porção comestível, contendo pequenos pedaços de espinhas intramusculares, foi usada para a determinação da composição química centesimal e análise das classes de lipídios.

2.2 – Composição Química Centesimal

Os conteúdos de água e cinza foram determinados em triplicata, de acordo com o procedimento descrito por NAGAKURA [29], enquanto o teor de proteína foi determinado, em triplicata, pelo método semi-micro Kjeldahl [32], utilizando-se o fator 6,25 para conversão do nitrogênio total em proteína bruta.

Usou-se 50g da massa homogênea para extração a frio dos lipídios totais (LT) pelo método de BLIGH, DYER [4], levando-se em conta as proporções entre a água tissular e os solventes de extração: clorofórmio (CHCl3) e metanol. O extrato clorofórmico purificado foi filtrado em papel de filtro contendo um pouco de Na2SO4 anidro para absorver resíduos de umidade, lavado com CHCl3, completando-se o volume conhecido com CHCl3. Em seguida foram transferidas 3 alíquotas de 10mL deste extrato para cápsula de alumínio pré-tarada, e então colocadas em estufa a 105oC por cerca de 30 minutos para evaporação do solvente. Após resfriamento em dessecador contendo sílica gel e evacuado de ar atmosférico com trompa de água, a cápsula foi pesada em balança analítica, obtendo-se o conteúdo de LT expresso em relação ao peso da amostra úmida. O restante do extrato clorofórmico foi concentrado em roto-evaporador a vácuo na temperatura de 40oC, até redução considerável do solvente, sendo então transferido para frasco âmbar e estocados em "freezer" a - 30oC para uso posterior na separação das classes de lipídios.

2.3 – Separação das Classes de Lipídios

Foi adotado o procedimento descrito por JOHNSTON et al., [12] para a separação dos LT em classes lipídicas, que utiliza sílica gel 60 (70-230 mesh) como adsorvente e os solventes clorofórmio, acetona e metanol para eluição, respectivamente, de lipídios neutros (LN), gliceroglicolipídios ou glicolipídios (GL) e glicerofosfolipídios ou fosfolipídios (PL). Após evaporação dos solventes através de roto-evaporador a vácuo a 40oC, as frações foram transferidas para frascos âmbar pré-tarados, com o menor volume de CHCl3 possível, sendo este evaporado à vácuo com o uso de banho-maria e nitrogênio, sendo então colocados em dessecador e pesados até obter peso constante (precisão de ± 10mg) em balança analítica. As percentagens das classes de lipídios foram calculadas em relação ao peso dos LT. Para comparação com os resultados de literatura, os conteúdos das classes lipídicas também são expressos como percentagem em relação ao peso da amostra (porção comestível).

3 – RESULTADOS E DISCUSSÃO

3.1 – Composição Química Centesimal

Os resultados sobre a composição química centesimal da porção comestível da curimatã comum estão descritos na Tabela 1. Os valores médios de lipídios e proteínas na maioria das amostras permitem classificar esta espécie na categoria A de STANSBY [36], onde os peixes têm baixo teor de gordura (< 5%) e alto teor de proteína (15 –20%). Exceção ocorreu com a amostra de março que teve 5,2% de lipídios, conteúdo este no limiar da categoria B (5 a 15% de LT).

O teor médio de 18,6 ± 0, 8% de proteína, que teve pequeno coeficiente de variação (CV = 4, 3%), acha-se muito próximo daqueles relatados para outras espécies do gênero Prochilodus, variáveis entre 18,0 e 20,5% [8, 17, 22, 25, 31]. Para JUNK [13], o conteúdo de proteína na curimatã, P. nigricans do rio Amazonas permaneceu razoavelmente estável em torno de 20% durante quase todo o ano, mas por ocasião do início da época de aumento do volume das águas do rio (fevereiro a abril), o teor de proteína progressivamente diminuiu, tendo atingido o valor mínimo de 17% em março, para daí em diante, voltar a crescer, onde em abril atingiu novamente a média de 20%. Coincidentemente, o valor mais baixo de proteína (17,8%) na curimatã de açude cearense também foi encontrado em março, período de chuva no Nordeste brasileiro. Já a média de proteína relatada por MAIA, RODRIGUEZ-AMAYA, AMAYA-FARFÁN [25] foi obtida com amostras coletadas nos meses de janeiro, maio e julho em rios do Estado de São Paulo. Dessa forma, parece que o habitat tem pouca influência sobre o teor de proteína dos peixes do gênero Prochilodus, enquanto que a pequena variação observada na proteína, talvez se deva a variação sazonal de alimentos. Sabe-se que tais espécies são iliófagas ou limnófagas, e portanto se alimentam de lodo ou lama do fundo dos lagos contendo algas (especialmente diatomáceas), detritos vegetais e partículas de areia [7], provavelmente presente em maior quantidade e diversidade na época da chuva.

Com relação ao teor de lipídios totais (LT), a média de 3,8 ± 1,5% encontra-se entre os valores de 0,5 e 4,0% descritos para P. scrofa, P. cearensis e P. nigricans [13, 25, 31]. Valores mais elevados foram observados para P. scrofa que teve média de 6,0% [27] e de 6,7% [17], enquanto o P. cearensis, sem distinção de sexo e tamanho, teve média de 11,2% no ano de 1971 [8]. Esta mesma espécie analisada nos anos de 1972 e 1973 apresentou, respectivamente, média de 12,6% e 9,2% para os indivíduos machos e de 13,3% e 9,2% para as fêmeas [9]. Talvez o tamanho dos exemplares pode estar contribuindo para a grande variação verificada entre as espécies do gênero Prochilodus, pois segundo GURGEL e FREITAS [9], foi observada uma correlação positiva significativa entre o comprimento e o teor de gordura, tanto em machos como em fêmeas de P. cearensis.

A relação inversa entre os conteúdos de umidade e lipídios observada em diversos peixes [14, 23, 25, 27, 31, 36, 37] também pode ser notada entre as amostras de curimatã (Tabela 1). Todavia, a amostra de maio, em relação às amostras de março e junho, mas não em relação à amostra de julho, desviou-se deste comportamento. A soma entre os teores de umidade e lipídios, foi em média de 80%, valor igual ao de STANSBY [36], e muito próximo de 80,7% [31] e de 81% [37].

O teor médio de 1,3 ± 0,3% para cinzas encontra-se dentro dos valores normais descritos para os peixes de água doce [14, 16, 37] e marinhos [33, 40]; porém conteúdos médios mais elevados entre 3,0 e 4,2% tenham sido relatados para peixes de água doce [8, 14, 18] e de 2,5 a 3,2% para peixes marinhos [39].

3.2 – Conteúdo das Classes de Lipídios

Na Tabela 2 são apresentados os conteúdos das classes de lipídios neutros (LN), glicolipídios (GL) e fosfolipídios (PL) separados dos lipídios totais (LT) de filés de curimatã comum, Prochilodus cearensis. Os LN foram sempre a classe majoritária, contribuindo em média com 75, 1% dos LT. Os GL e PL tiveram médias de 1, 6% e 23, 3%, respectivamente. Perdas ocorreram durante o processo de separação cromatográfica, pois a recuperação média das 4 amostras foi 83, 1%. Sabe-se que os PL são os constituintes mais susceptíveis a hidrólise enzimática e autoxidação durante o manuseio [1, 19] ou estocagem do peixe em gelo [20] ou congelada [6]. Além disso, de acordo com LAMBERTSEN [15], a redução na recuperação por estar associada com a retenção na coluna de produtos mais ácidos, de ácidos graxos livres e/ou de alguns produtos derivados da oxidação dos lipídios. Para a comparação mais real dos resultados obtidos neste trabalho com aqueles da literatura, que conseguiram recuperações no mínimo de 98% [3, 12, 14, 21, 23, 27, 28, 30, 38], os dados apresentado na Tabela 2 foram corrigidos para 100% de recuperação.

Em trabalho realizado com o curimbatá, P. scrofa capturado no Estado de São Paulo, MAIA, RODRIGUEZ-AMAYA, FRANCO [27] encontraram médias de 88, 1% de LN e 11, 8% de PL, mas não detectaram glicolipídios. Da mesma maneira, foi verificado a ausência de GL em tambaqui, Colossoma macropomum [23] e em pacu, Piaractus mesopotamicus [28], que apresentaram, respectivamente, 90, 7% de LN + 8, 7% de PL e 94, 0% de LN + 5, 0% de PL.

Existem controvérsias sobre a presença de glicolipídios nos tecidos musculares comestíveis de peixes. Em 17 diferentes espécies de peixes de lagos de Nova York, EUA, KINSELLA et al., [14] não registraram a ocorrência de glicolipídios. Esta classe lipídica também não foi detectada em "ayu", Plecoglossus altivelis cultivados ou naturais [30], nem em carne branca e escura de "white sucker", Catostomus commersoni [21], nem tampouco em 5 espécies de peixes marinhos e de água doce e 3 espécies de "shellfish" [38]. Por outro lado, JOHNSTON et al., [12] relataram a presença de glicolipídios em quantidade de 1, 9% (equivalente a 22, 8mg/100 g de amostra) em extrato lipídico muscular de camarão, Penaeus aztecus, enquanto BENITEZ, GORRICETA [3] encontraram em "milkfish", Chanos chanos uma média de 2, 4% de GL e BANERJEE et al., [2] relataram teores bastante elevados da ordem de 26, 4% de GL na carne corporal do peixe de mangue Boleophthalmus boddaerti da Índia.

4 – CONCLUSÕES

Considerando os resultados da pesquisa, conclui-se que:

  • A curimatã comum ou cearense é um peixe que tem baixo teor de gordura e alto teor de proteína;

  • A comparação dos teores de proteína da curimatã com aqueles relatados pela literatura para outras espécies do gênero

    Prochilodus sugerem que o habitat não interfere nos resultados da proteína;

  • Foi observado uma relação inversa entre os conteúdos de umidade e de lipídios totais, com a soma entre estes constituintes sendo em média de 80%;

  • Entre os componentes lipídicos, a classe majoritária foi constituída pelos lipídios neutros que apresentaram concentração cerca de 3 vezes maior do que a de fosfolipídios.

5 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • [1] ACKMAN, R. G. The Influence of Lipids on Fish Quality. Journal of Food Technology, v. 2, n. 2, p. 169-181, 1967.
  • [2] BANERJEE, D.; PAL, D.; PATRA, T. K.; MISRA, S.; GHOSH, A. Lipids and Fatty Acids of Air Breathing Fish Boleophthalmus boddaerti Food Chemistry, v. 60, n. 3, p. 303-309, 1997.
  • [3] BENITEZ, L. V.; GORRICETA, I. R. Lipid Composition of Milkfish Grown in Ponds by Traditional Aquaculture. In: CHO, C. Y.; COWEY, C. B.; WATANABE, T. (Eds.), Finfish Nutrition in Asia - Methodological Approaches to Research and Development. p. 145-152, 1983.
  • [4] BLIGH, E. G.; DYER, W. J. A Rapid Method of Total Lipid Extraction and Purification. Canadian Journal of Biochemistry and Physiology, v. 37, n. 8, p. 911-917, 1959.
  • [5] FONTENELE, O. Contribuiçăo para o Conhecimento da Biologia da Curimată Pacu, "Prochilodus argenteus", Spix in Spix & Agassiz (Pisces: Characidae, Prochilodinae). Revista Brasileira de Biologia, v. 13, n. 1, p. 87-102, 1953.
  • [6] GIBSON, T. A.; WORTHINGTON, R. E. Lipid Changes in Frozen Stored Channel Catfish Grown by Tank Culture: Effects of dietary fat, freezing method, and storage temperature. Journal of Food Science, v. 42, n. 2, p. 355-358, 1977.
  • [7] GODOY, M. P. Peixes do Brasil Subordem Characoidei: Bacia do Rio Mogi Guassu. Franciscana, Piracicaba, v. IV, p. 631-846, 1975.
  • [8] GURGEL, J. J. S.; FREITAS, J. V. F. Sobre a Composiçăo Química de Doze Espécies de Peixe de Valor Comercial de Açudes do Nordeste Brasileiro. Boletim Técnico do DNOCS, v. 30, n. 1, p. 45-57, 1972.
  • [9] GURGEL, J. J. S.; FREITAS, J. V. F. Variaçăo Estacional do Teor de Gordura da Curimată Comum, Prochilodus cearensis Steindachner, Pescada do Piauí, Plagioscion squamosissimus (Heckel) e Traíra, Hoplias malabaricus (Bloch) no açude Orós, em Orós, Ceará. Boletim Técnico do DNOCS, v. 35, n. 2, p. 149-163, 1977.
  • [10] IHERING, R. von.; AZEVEDO, P. A curimată dos Açudes Nordestinos (Prochilodus argenteus). Archivos do Instituto Biológico, v. 5, p. 143-184, 1934.
  • [11] JACQUOT, R. Organic Constituents of Fish and Other Aquatic Foods. In: BORGSTROM, G. (Ed.), Fish Food London: Academic Press, v. 1, p. 145-210, 1961.
  • [12] JOHNSTON, J. J.; GHANBARI, H.A.; WHEELER, W. B.; KIRK, J. R. Characterization of Shrimp Lipids. Journal of Food Science, v. 48, n. 1, p. 33-35, 1983.
  • [13] JUNK, W. J. Temporary Fat Storage an Adaptation of Some Fish Species to the Waterlevel Fluctuation and Related Environmental Changes of the Amazon River. Amazoniana, v. IX, n. 3, p. 315-351, 1985.
  • [14] KINSELLA, J. E.; SHIMP, J. L.; MAI, J.; WEIHRAUCH, J. Sterol, Phospholipid, Mineral Content and Proximate Composition of Fillets of Select Freshwater Fish Species. Journal of Food Biochemistry, v. 1, n. 2, p. 131-140, 1977.
  • [15] LAMBERTSEN, G. Lipids in Fish Fillet and Liver - A comparison of fatty acid compositions. Fiskeridirektoratets Skrifter Serie Teknologiske Undersokelser, v. 15, n. 6, p. 3-15, 1972.
  • [16] LAZOS, E. S.; AGGELOUSIS, G.; ALEXAKIS, A. Metal and Proximate Composition of the Edible Portion of 11 Freshwater Fish Species. Journal of Food Composition and Analysis, v. 2, p. 371-381, 1989.
  • [17] LESSI, E. Aspectos Químico-Bromatológico do Corimbatá (Prochilodus scrofa Steindachner, 1881) - Estudo da fraçăo protéica. Revista da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Araraquara, v. 2, n. 1, p. 121-132, 1968a.
  • [18] LESSI, E. Determinaçăo da Composiçăo Centesimal e da Identificaçăo dos Amino-Ácidos da Fraçăo Protéica de alguns Peixes da Bacia do Rio Mogi-Guaçu-SP. Revista da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Araraquara, v. 2, n. 2, p. 197-203, 1968b.
  • [19] LOVERN, J. A. The Lipids of Fish and Changes Occurring in them During Processing and Storage. In: HEEN, E.; KREUZER, R. (Eds.), Fish in Nutrition. London: Fishing News, p. 86-111, 1962.
  • [20] LOVERN, J. A.; OLLEY, J.; WATSON, H. A. Changes in the Lipids of Cod During Storage in Ice. Journal of Science and Food Agricultural, v. 10, n. 6, p. 327-337, 1959.
  • [21] MAI, J.; KINSELLA, J. E. Lipid Composition of Dark and White Muscle from White Sucker (Catostomus commersoni). Journal of Food Science, v. 44, n. 4, p. 1101-1105, 1109, 1979.
  • [22] MAIA, E. L. Otimizaçăo da Metodologia para a Caracterizaçăo de Constituintes Lipídicos e Determinaçăo da Composiçăo em Ácidos Graxos e Aminoácidos de Peixes de Água Doce. Campinas: 242p. (Tese de Doutorado). FEA/UNICAMP, 1990.
  • [23] MAIA, E. L.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. Fatty Acid Composition of the Total, Neutral and Phospholipids of the Brazilian Freshwater Fish Colossoma macropomum In: CHARALAMBOUS, G. (Ed.), Food Science and Human Nutrition. Amsterdam: Elsevier Science, p. 633-642, 1992.
  • [24] MAIA, E. L.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; MORAES, M. A. C. Formulation, Acceptability and Stability of Fish Patties Made with the Freshwater Fish, Prochilodus scrofa Steindachner. Cięnc. e Tecnol. de Aliment., v. 2, n. 1, p. 33-46, 1982.
  • [25] MAIA, E. L.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; AMAYA-FARFÁN, J. Proximate, Fatty Acid and Amino Acid Composition of the Brazilian Freshwater Fish Prochilodus scrofa Food Chemistry, v. 12, p. 275-286, 1983a.
  • [26] MAIA, E. L.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; MORAES, M. A. C. Sensory and Chemical Evaluation of the Keeping Quality of the Brazilian Freshwater Fish Prochilodus scrofa in Ice Storage. Journal of Food Science, v. 48, n. 4, p. 1075-1077, 1983b.
  • [27] MAIA, E. L.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; FRANCO, M. R. B. Fatty Acids of the Total, Neutral and Phospholipids of the Brazilian Freshwater Fish Prochilodus scrofa Journal of Food Composition and Analysis, v. 7, p. 240-251, 1994.
  • [28] MAIA, E. L.; RODRIGUEZ-AMAYA, D. B.; HOTTA, L. K. Fatty Acid Composition of the Total, Neutral and Phospholipids of Pond-Raised Brazilian Piaractus mesopotamicus International Journal of Food Science and Technology, v. 30, p. 591-597, 1995.
  • [29] NAGAKURA, K. General Analysis. In: OKADA, M.; HIRAO, S.; NOGUCHI, E.; SUZUKI, T.; YOKOSEKI, M. (Eds.), Utilization of Marine Products Japan: Overseas Technical Cooperation Agency, p. 159-169, 1972.
  • [30] OHSHIMA, T.; WIDJAJA, H. D.; WADA, S.; KOIZUMI, C. A Comparison Between Cultured and Wild Ayu Lipids. Bulletin of the Japanese Society of Scientific Fisheries, v. 48, n. 12, p. 1795-1801, 1982.
  • [31] OLIVEIRA, S. L. C. L. Estudo dos Constituintes Lipídicos em Peixes do Ceará. Fortaleza: DEP/UFC, 1999. 118p. (Dissertaçăo de Mestrado).
  • [32] PEARSON, D. Laboratory Techniques in Food Analysis New York: John Wiley & Sons, p. 27-77, 1973.
  • [33] RIOS, E. C. Composiçăo Química do Pescado de Valor Comercial do Rio Grande do Sul (Nota Prévia). Divisăo de Caça e Pesca do Ministério da Agricultura, Brasil, 10p., 1954.
  • [34] SAINT-PAUL, U. Potential for Aquaculture of South American Freshwater Fishes: A review. Aquaculture, v. 54, n. 3, p. 205-240, 1986.
  • [35] STANSBY, M. E. Composition of Certain Species of Freshwater Fish. I. Introduction the determination of the variation of composition of fish. Food Research, v. 19, n. 2, p. 231-234, 1954.
  • [36] STANSBY, M. E. Proximate Composition of Fish. In: HEEN, E.; KREUZER, R. (Eds.), Fish in Nutrition. London: Fishing News, p. 55-60, 1962.
  • [37] THURSTON, C. E.; STANSBY, M. E.; KARRICK, N. L.; MIYAUCHI, D. T.; CLEGG, W. C. Composition of Certain Species of Freshwater Fish. II. Comparative data for 21 species of lake and river fish. Food Research, v. 24, n. 5, p. 493-502, 1959.
  • [38] VISWANATHAN NAIR, P. G.; GOPAKUMAR, K. Lipid and Fatty Acid Composition of Fish and ShellFish. Journal of Food Science and Technology, v. 21, n. 6, p. 389-392, 1984.
  • [39] WATANABE, K. Variations in Chemical Composition in Some Comercial Fishes from the South of Brazil. Bulletin of the Japanese Society of Scientific Fisheries, v. 29, n. 5, p. 469-474, 1963.
  • [40] ZAMBONI, C. Q. Estudo sobre a Composiçăo de 12 Espécies de Peixes Nacionais - I. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 21, p. 65-82, 1961.
  • 1
    Recebido para publicação em 01/07/99. Aceito para publicação em 27/10/99.
  • 2
    Departamento de Engenharia de Pesca/CCA-UFC, Campus Universitário do Pici, bloco 827, Cx.12.168, CEP 60.356-000 – Fortaleza, Ceará. E-mail:
  • 3
    Mestrandos do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Pesca – UFC.
  • *
    A quem a correspondência deve ser enviada.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      21 Ago 2000
    • Data do Fascículo
      Dez 1999

    Histórico

    • Recebido
      01 Jul 1999
    • Aceito
      27 Out 1999
    Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos Av. Brasil, 2880, Caixa Postal 271, 13001-970 Campinas SP - Brazil, Tel.: +55 19 3241.5793, Tel./Fax.: +55 19 3241.0527 - Campinas - SP - Brazil
    E-mail: revista@sbcta.org.br