Accessibility / Report Error

A lucidez excessiva de Olavo

A lucidez excessiva de Olavo** Palavras proferidas pelo professor Candido Mendes de Almeida na cerimônia em homenagem a Olavo Brasil de Lima Junior e inauguração de sala no IUPERJ que leva seu nome, em 23 de abril de 1999.

Candido Mendes de Almeida

Vi-o a última vez a 19 de março nos altos de Santo Antonio em Belo Horizonte.

Sentado, no apartamento exíguo, severidade dos confortos mineiros, luz das coisas certas.

Nenhuma ofegância ou fundo de drama.

Exatidão. E nem mesmo o prazer último de ostentá-la.

Rigor, o trato teria que ser como a conversa, do espartano coloquial.

Rotinas de trabalho de cátedra. Possibilidades de seminário. Conversa quase pastoral e incidente sobre a doença.

Maestria de quem, para além da definição detalhada das últimas vontades fazia do cotidiano o recado último à vida.

Esta, deste grupo de mineiros a quem tanto deve a fundação da nossa Ciência Política.

¾

A escolher o IUPERJ como lugar da sua conspiração ainda difusa. Bolívar, Amauri, José Murilo, Renato Boshi, Olavo ...

¾ Determinado, nada untuoso ou cúmplice, áspero na lucidez ácida de quem não perde tempo e tem o seu projeto – a ser ou não projeto de todos nós.

¾ Consciente do saber que nascia: instituições, movimentos sociais, ideologias e ¾ no vício recôndito de todos a que a Ciência Política serve de álibi ¾ a paixão e a maestria no entendimento do poder, sua condução e seu mistério.

¾ Mais ainda, a grande concertação. Teimoso, reorganizador da Associação Brasileira de Ciência Política; suas lealdades; sua convocação generosa.

¾ Negociador dos grandes convênios: memória do engenho, da finta, da reivindicação implacável.

¾ Cioso senhor desta autonomia acadêmica do seu IUPERJ, olhando nos olhos, a Wanderley ou a Cesar.

¾ Provedor da difícil maestria, Olavo, da carreira, em ciências meninas.

Descobridor da vocação, trabalhada na invectiva, no bom sarcasmo e na melhor ironia, na pedagógica atmosfera da incerteza.

¾ Mineiro das boas desconfianças e trazidas ao método à difícil escolha das relevâncias, ou do saber que fica.

¾ Fiel às duas províncias, fertilizador das suas Gerais, tornado à terra para fecundá-la, não para o exílio da morte anunciada.

Não temos na nossa cultura, uma educação ainda para a morte. Nem Olavo a quereria como um legado, e seria o primeiro aqui a rebater-me.

O irrevogável das doenças só tem um antídoto, na vivência que prossiga:

¾ Anulá-la pela redução ao quase comezinho bem à frente do inimigo.

¾ Fazê-lo sem a menor sedução retórica: a tentação por excelência para quem tenha a perene noção do cenário e do sentido.

¾ Persistir até chegar à isenção do medo ou da rendição ¾ não ao remate ¾ refratário aos consolos ou às justificações.

Vimo-lo todos, Olavo, em dezembro, na reunião desta Associação Brasileira de Ciência Política, que respondia a seu plantio. Um alquebrar de soslaio só, na magreza Jaccometiana, a rapidez da adaga a repartida mordaz, todos os sinais de uma realeza em que o espírito afirma ¾ sobre as águas ¾ a sua última liberdade.

Não se abateu – é pouco. Não confidenciou ¾ também é pouco. Não se entregou ¾ ao contrário só se fez a opção contra os lenitivos do desfecho anunciado. Respondeu-lhe com o utilitário das rotinas, reconquistadas uma a uma, ganho da usina dos dias, a que vi a um mês atrás: o supra-real conquistado; das aulas pensadas, do teor da cátedra, Olavo Brasil, da agenda fundada.

Olavo nos deu os gestos quase átonos, de deixarem na fraude-limite da despedida, onde a crença na vida alude à da própria trampa; a desse despojamento sem bonanças ou descuidos, ou fortunas, ou os descansos da idiota condolência das convenções: a desta vida na mão como na cabeça de Olavo, exato portador da biografia que repartimos sem adendos nem acréscimos no nosso imaginário piegas ou generoso.

  • * Palavras proferidas pelo professor Candido Mendes de Almeida na cerimônia em homenagem a Olavo Brasil de Lima Junior e inauguração de sala no IUPERJ que leva seu nome, em 23 de abril de 1999.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      18 Out 1999
    • Data do Fascículo
      1999
    Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) R. da Matriz, 82, Botafogo, 22260-100 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel. (55 21) 2266-8300, Fax: (55 21) 2266-8345 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
    E-mail: dados@iesp.uerj.br