A investigação em fonologia do português

Research in Portuguese phonology

Resumos

Neste artigo pretende-se traçar uma panorâmica dos estudos de fonologia realizados em Portugal, com especial incidência nas análises formalizadas que se desenvolveram a partir da obra de Chomsky e Halle (1968). Na Introdução referem-se obras que marcaram a fonologia do Português Europeu antes dessa data, e apresentam-se os principais trabalhos de carácter dialectal e filológico, os estudos fonéticos e as obras que se integram na linguística estrutural. Na apresentação das análises formais distingue-se a fonologia generativa clássica das teorias que lhe sucederam O artigo tem um anexo que contém a bibliografia exaustiva dos livros e artigos publicados em Portugal a partir dos anos 70.

Fonologia; Análises Formais; Fonologia Auto-segmental; Geometria de Traços; Subespecificação; Fonologia Lexical


This paper is an overview of the phonological studies in Portuguese starting with the formal analyses developed in Portugal after the publication of The Sound Pattern of English (1968). The relevant works on European Portuguese published before Chomsky & Halle are included in the Introduction: the most important dialectal and philological works, phonetic studies as well as structural descriptions. Formal analyses are divided in two parts: those that follow standard generative phonology and those oriented by subsequent theories. The annex includes a comprehensive bibliography of all phonological books and papers published in Portugal after the seventies.

Phonology; Formal Analyses; Autosegmental Phonology; Feature Geometry; Underspecification; Lexical Phonology


RETROSPECTIVA/OVERVIEW

A INVESTIGAÇÃO EM FONOLOGIA DO PORTUGUÊS

(Research in Portuguese Phonology)

Maria Helena Mira Mateus

(Universidade de Lisboa)

ABSTRACT: This paper is an overview of the phonological studies in Portuguese starting with the formal analyses developed in Portugal after the publication of The Sound Pattern of English (1968). The relevant works on European Portuguese published before Chomsky & Halle are included in the Introduction: the most important dialectal and philological works, phonetic studies as well as structural descriptions. Formal analyses are divided in two parts: those that follow standard generative phonology and those oriented by subsequent theories. The annex includes a comprehensive bibliography of all phonological books and papers published in Portugal after the seventies.

KEY-WORDS: Phonology; Formal Analyses; Autosegmental Phonology; Feature Geometry; Underspecification; Lexical Phonology.

RESUMO: Neste artigo pretende-se traçar uma panorâmica dos estudos de fonologia realizados em Portugal, com especial incidência nas análises formalizadas que se desenvolveram a partir da obra de Chomsky e Halle (1968). Na Introdução referem-se obras que marcaram a fonologia do Português Europeu antes dessa data, e apresentam-se os principais trabalhos de carácter dialectal e filológico, os estudos fonéticos e as obras que se integram na linguística estrutural. Na apresentação das análises formais distingue-se a fonologia generativa clássica das teorias que lhe sucederam O artigo tem um anexo que contém a bibliografia exaustiva dos livros e artigos publicados em Portugal a partir dos anos 70.

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; Análises Formais; Fonologia Auto-segmental; Geometria de Traços; Subespecificação; Fonologia Lexical.

1. Introdução 1 1 Sendo objecto deste artigo uma perspectiva da investigação que actualmente se produz em Portugal sobre fonologia do português, condensei na Introdução as referências aos seguintes vertentes que incidem sobre o nível fonético da língua:

Os actuais linguistas portugueses herdaram, dos filólogos e linguistas que os precederam, um espólio de grande riqueza que incidia, sobretudo, na história da língua portuguesa e na identificação das características do português antigo, na dialectologia e na descrição das peculiaridades dialectais. Em todos estes domínios o estudo dos sons foi sempre privilegiado. Recorde-se que na primeira gramática portuguesa, Fernão de Oliveira2 2 Fernão de Oliveira, Grammatica da lingoagem portuguesa. Lisboa: e[m] casa de Germão Galharde, 1536. (3ª ed. preparada por Rodrigo de Sá Nogueira. Lisboa: Ed. de José Fernandes Júnior, 1933. Ver também João de Barros, Grammatica da Lingua Portuguesa. Lisboa: Luis Rodrigues, 1540. consagra 23 dos 50 capítulos da obra à análise dos sons e das letras, e que nas gramáticas surgidas entre os séculos 16 e 19 a ortografia, a ortoepia e a prosódia têm lugar de destaque principalmente com objectivos normativos e pedagógicos3 3 Jorge de Morais Barbosa no primeiro capítulo dos Études de Phonologie Portugaise (1965) refere o carácter normativista e de preocupação ortográfica destas primeiras gramáticas, mas observa que por vezes os seus autores, não sendo foneticistas, "são 'fonólogos' que nos deixaram, através do estudo das letras, elementos importantes para o conhecimento do sistema do português da sua época". .

A primeira descrição de conjunto do sistema fonético do português surge em 1883, no estudo de Aniceto dos Reis Gonçalves Viana4 4 A. R. Gonçalves Viana. "Essai de phonétique et de phonologie de la langue portugaise d'après le dialecte actuel de Lisbonne". Romania, t. XII, Paris, 1883. Ver ainda a "Exposição da pronúncia normal portuguesa para uso de nacionais e estrangeiros". Ambos os trabalhos foram republicados em Estudos de Fonética Portuguesa, Lisboa: Imprensa Nacional, 1973, 83-152 e 153-257. com um título que inclui já o termo fonologia: "Essai de phonétique et de phonologie de la langue portugaise d'après le dialecte actuel de Lisbonne". Esta e as obras que se seguem do mesmo autor são ainda hoje de importância indiscutível para o conhecimento do sistema fonológico do português. A partir do início do século 20 a influência dos neogramáticos reconhece-se no surgimento de gramáticas históricas, hoje clássicas, como as de José Joaquim Nunes5 5 José Joaquim Nunes. Compêndio de gramática histórica portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1919 (6.a ed. Lisboa: Clássica Editora. 1959). e de Edwin Williams6 6 Edwin B. Williams Latin to Portuguese. Historical phonology and morphology of the portuguese language. Philadelphia: University of Pennsylvania, 1938. (Trad. part. de A. Hauaiss: Do Latim ao Português. Fonologia e morfologia históricas da língua portuguesa. Rio de Janeiro: MECIINL, 1961.) , em que a fonética/fonologia da língua portuguesa são tratadas na sua evolução histórica com referência, por vezes, a aspectos dialectais particulares.

Estas obras e as congéneres estrangeiras sobre as línguas românicas foram a fonte de muitos trabalhos que vieram a lume durante o século 20 sobre questões parcelares do nível fonético do português. Nesta linha se situam vários estudos de Luís Lindley Cintra7 7 Ver, sobretudo, A linguagem dos foros de Castelo Rodrigo, seu confronto com a dos foros de Alfaiates, Castelo Bom, Castelo Melhor, Coria, Cáceres e Usagre. Contribuição para o estudo do leonês e do galego—português do século XIII. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1959 e "Apport des anciens textes romans non-littéraires à la connaissance de la langue du Moyen Âge". Revue de Linguistique Romane, xxvvii, Paris, 1963. e Herculano de Carvalho8 8 Refiro-me, em especial, ao importante artigo "Valor dos grafemas e e o em sílaba átona", publicado na Revista Portuguesa de Filologia XII, Coimbra, 1862-63. , para citar apenas alguns autores de entre uma plêiade de filólogos portugueses que nos deram a conhecer aspectos da formação e desenvolvimento da fonética da língua portuguesa.9 9 Tratando este texto do desenvolvimento da fonologia em Portugal, os autores brasileiros não são indicados, nem nesta introdução nem na apresentação mais extensa da actual situação da investigação nesse domínio. No entanto, não posso deixar de referir aqui os nomes de Serafim da Silva Neto, Said Ali e Celso Cunha, a quem devemos trabalhos fundamentais para o conhecimento da história da língua portuguesa. Os estudos de filologia mantiveram-se até ao presente nas Universidades de Lisboa e Coimbra, com relevo para a investigação desenvolvida por Ivo Castro, Ana Maria Martins e Clarinda de Azevedo Maia.10 10 Na bibliografia em anexo estão indicados os três autores aqui citados e as obras de interesse para o objectivo deste artigo.

Relativamente a uma descrição sincrónica do português, até meados do século 20 o estudo dos dialectos prevaleceu sobre o estudo do sistema fonológico. Nesse campo, na esteira de Leite de Vasconcelos11 11 Ver em especial a tese de doutoramento apresentada à Universidade de Paris em 1901: Esquisse d'une dialectologie portugaise. Segunda edição de Maria Adelaide Valle Cintra. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1970. destaca-se a imensa recolha de falares portugueses dinamizada e orientada em Coimbra por Manuel de Paiva Boléo12 12 Cito aqui apenas o "Mapa dos dialectos e falares de Portugal Continental", feito em colaboração com Maria Helena Santos Silva e publicado no Boletim de Filologia, XX, Lisboa, 1962, que poderá levar a uma interessante comparação com a "Proposta" de Luís Cintra, indicada na note 12. e, em Lisboa, a actividade estimulante de Luís Lindley Cintra13 13 Veja-se, principalmente, a "Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses", in Boletim de Filologia, XXII , 1971 e Estudos de dialectologia portuguesa, Lisboa: Sá da Costa.. com a realização de estudos parcelares de dialectologia e do traçado de um panorama global das grandes áreas dialectais galego-portuguesas. A dialectologia mantém-se com grande vivacidade em Portugal, tanto na Universidade de Coimbra como na de Lisboa14 14 Refira-se o trabalho desenvolvido pelo grupo de dialectólogos do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa na construção do Atlas Linguístico de Portugal e da Galiza (ALPG), e na colaboração desse mesmo grupo com investigadores europeus para a elaboração do grande Atlas da Europa (Atlas Linguarum Europae, ALE) e do Atlas Linguístico Românico. .

Mas por volta dos anos 50 os estudos fonéticos sobre o português revelam já a intenção de descrição das características da língua contemporânea dos seus autores. No campo das análises experimentais de fonética acústica, o trabalho desenvolvido em Coimbra, até aos anos 70, pelo foneticista Armando de Lacerda foi seguido, em Lisboa, por Raquel Delgado Martins, e continuado por Maria do Céu Viana, Amália Andrade e Fernando Martins15 15 No anexo bibliográfico estão incluídos os autores aqui referidos e os respectivos trabalhos de fonética experimental que têm interesse para a análise fonológica.. .

As análises realizadas, e que ainda hoje evidenciam grande vitalidade, mostram uma preocupação de interpretação linguística e têm contribuído para o conhecimento da fonologia do português. São de destacar os trabalhos sobre os segmentos fonológicos de Maria do Céu Viana, Amália Andrade, Raquel Delgado-Martins e Isabel Mascarenhas. Incluem-se também na perspectiva de fonética experimental, com consequências interessantes para a fonologia, os trabalhos de Raquel Delgado Martins sobre o acento de palavra e as teses de mestrado de Maria João Freitas sobre pausas, de Isabel Mata da Silva sobre interrogação e de Fernando Martins sobre entoação e organização do enunciado, a que se sucedeu a sua tese de doutoramento sobre um modelo de reconhecimento da fala para a língua portuguesa. A investigação em síntese da fala, desenvolvida em equipa por investigadores de inteligência artificial e de linguística está presentemente em curso e tem obtido resultados notáveis.16 16 A investigação está a ser realizada no INESC e é conduzida, do ponto de vista linguístico, por Maria do Céu Viana.

A descrição do sistema fonológico do português numa perspectiva estruturalista está presente, pela primeira vez, na obra de Jorge de Morais Barbosa Études de phonologie portugaise.17 17 Na introdução a esta obra o autor faz uma revisão criteriosa das primeiras gramáticas portuguesas e apresenta desenvolvidamente os trabalhos de Gonçalves Viana,considerados cuja intuição linguística permitia uma visão sistemática e fonológica dos sons do português. Lembre-se que o estruturalismo estabeleceu desde o início, nos anos 30, a distinção entre fonética e fonologia, distinção presente, sobretudo, nos trabalhos realizados no âmbito do Círculo Linguístico de Praga e nas obras dos estruturalistas americanos. Trubetzkoi, em 1939, definia a fonética como "a ciência da face material dos sons da linguagem humana" e a fonologia como o estudo que [...] "deve procurar que diferenças fónicas estão ligadas, na língua estudada, a diferenças de significação, como se comportam entre si os elementos de diferenciação (ou marcas) e segundo que regras podem combinar-se uns com os outros para formar palavras e frases" 18 18 Nicolas Trubetzkoy. Principes de phonologie. Paris: Klincksieck, 1949, p. 12. Primeira edição em alemão, Grundzüge der Phonologie. Güttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1939. Bloomfield, em 1933, denomina fonologia (ou fonética prática) "o estudo dos sons significantes do discurso", afirmando que a fonologia "inclui a consideração do significado".19 19 Leonard Bloomfield. Language. New York: Holt, Reinhart & Winston, 1933, pp76-77 da edição francesa Le langage. Paris: Payot, 1970.

As definições destes dois autores de referência do estruturalismo linguístico mantiveram-se, como orientação, para a determinação dos elementos dos sistemas fonológicos muito para além de uma visão exclusivamente estruturalista. Na realidade, a investigação fonológica que se desenvolveu a partir de final dos anos 60 no quadro da teoria generativa não tem como objectivo discutir quais os elementos fónicos que fazem parte do sistema fonológico de uma língua. Preocupa-se antes com questões relacionadas com a organização desses elementos, e com a representação das operações do processamento mental na percepção e produção do nível fonológico da gramática, para o que constrói e selecciona instrumentos formais adequados.

2. As primeiras análises formais20 20 Os autores referidos a partir desta secção e até final do artigo, e os respectivos trabalhos, estão incluídos no anexo bibliográfico.

A obra de Chomsky e Halle The Sound Pattern of English, surgida em 196821 21 Noam Chomsky e Morris Halle. The sound pattern of English, New York: Harper and Row, 1968. , constituiu o modelo para a elaboração de diversos trabalhos integrados na teoria generativa hoje denominada clássica ou standard, aplicando e testando no nível fónico das línguas os princípios dessa nova teoria da gramática.

Dentro desta perspectiva, o estabelecimento dos elementos do sistema fonológico no nível de superfície decorria da aplicação de métodos e técnicas do estruturalismo. Contudo, em obediência aos princípios teóricos da gramática generativa, toda a análise se orientava para a construção de um nível subjacente relacionado com o de superfície através de regras, e com a formalização das generalizações estipuladas. A proposta de hipóteses relativas a esse nível abstracto subjacente e a formulação das regras passaram então a ocupar lugar central nos estudos dos sistemas fonológicos, tendo como corolário as discussões sobre os traços distintivos do segmento fonológico. Evidentemente, as análises assim orientadas também procederam, em certos casos, à revisão dos elementos de um determinado sistema fonológico previamente estabelecidos com base no modelo estruturalista.

Complementarmente, e dentro dos mesmos pressupostos teóricos, a análise da variação fonológica dos paradigmas morfológicos foi considerada mais explicativa do que as anteriores descrições da morfologia das línguas. A partir desta época, e com base nas hipóteses formuladas pela teoria, discute-se igualmente a relação entre os mecanismos formais da gramática e os processos cognitivos subjacentes à actividade linguística.22 22 Ver anexo bibliográfico.

Várias línguas foram objecto de uma análise que seguiu de perto o padrão de Chomsky e Halle, como o francês na obra de Schane, o espanhol na obra de Harris e o italiano no trabalho de Saltarelli23 23 Sanford Schane. French Phonology and Morphology. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1968. James Harris, Spanish Phonology. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1969. Mario Saltarelli. A Phonology of Italian in a Generative Grammar. The Hague: Mouton, 1979. . O português foi tratado dentro deste modelo nos Aspectos da Fonologia Portuguesa de Maria Helena Mira Mateus e na Phonologie (Générative) du Portugais de Ernesto d'Andrade Pardal. O mesmo enquadramento teórico subjaz a grande parte dos artigos publicados por Ernesto d'Andrade até inícios dos anos 90 e incluídos nos Temas de Fonologia. Integram-se também no modelo clássico da fonologia generativa os artigos publicados por Maria Helena Mateus até à mesma data e, ainda, os capítulos sobre Fonologia desta autora na Gramática da Língua Portuguesa e na Introdução à Linguística Geral e Portuguesa.

3. A fonologia pós-SPE

Nos estudos que imediatamente se seguiram à aplicação do modelo de Chomsky e Halle podemos distinguir as seguintes orientações

1. Uma aproximação à 'realidade' dos sons, em reacção ao carácter abstracto das análises da fonologia generativa clássica, sob as denominações de fonologia natural e de fonologia generativa natural. Estes modelos não tiveram repercussão na investigação fonológica realizada em Portugal.

2. A formalização da variação nos sistemas fonológicos, com relevo para a teoria da variação. A influência deste modelo está presente em poucos trabalhos de linguistas portugueses24 24 Em Viana (1984), a propósito da fricatização e do desvozeamento de consoantes, discutem-se questões relacionadas com variação e invariância. : Ressalve-se, no entanto, a dissertação de doutoramento de Maria Celeste Rodrigues sobre fonologia e variação25 25 Ver adiante a caracterização da teoria auto-segmental e da geometria de traços. em que, a par da análise variacionista com base em dados quantitativos, se propõem regras fonológicas orientadas pela teoria auto-segmental e pelo modelo da geometria de traços.

3. Uma análise métrica do acento com representação em diagrama arbóreo. Deve referir-se a análise do acento de palavra em português, realizada por Ernesto d'Andrade e integrada neste modelo26 26 Esta análise foi apresentada em 19983 mas só publicada em 1992, nos Temas de Fonologia. , uma proposta que não teve seguidores e que o autor substituiu mais tarde por uma análise com construção de grelha métrica, como se verá adiante.

4. A proposta da fonologia auto-segmental, com abandono do modelo linear da fonologia clássica em favor de uma concepção multilinear.

5. A procura de uma organização da estrutura interna dos segmentos, que levou à elaboração do modelo da geometria de traços.

As orientações teóricas explicitadas em 4. e 5. estão subjacentes à maioria dos trabalhos em fonologia que presentemente se realizam em Portugal. Importa, contudo, antes de os referir, caracterizar sumariamente essas teorias.

O facto de o modelo da fonologia generativa clássica considerar, por um lado, a formulação das regras como objectivo central da análise e, por outro lado, o segmento ¾ e o nível em que ele se situa ¾ como o domínio próprio de aplicação dessas regras impediu o desenvolvimento de mecanismos adequados à análise dos factos prosódicos. As restrições do modelo foram emergindo à medida que ele era testado em línguas de natureza muito diferente das línguas românicas e germânicas, evidenciando-se a impossibilidade de tratar, com os instrumentos existentes, traços prosódicos como o tom e a duração. Foi também reconhecida a desvantagem do tratamento do acento exclusivamente a nível segmental, em estrita dependência dos traços fonológicos dos segmentos implicados na sua aplicação. Finalmente, o modelo de 68 revela insuficiências para a análise de constituintes mais vastos do que o segmento, como por exemplo a sílaba, tendo presente que certos processos fonológicos se aplicam nas fronteiras de sílaba e que os instrumentos existentes não eram sensíveis a essas fronteiras. Essas insuficiências provocaram o surgimento da teoria auto-segmental, proposta inicialmente por Goldsmith na procura de resolver problemas postos pela análise das línguas tonais27 27 Os princípios da fonologia auto-segmental foram apresentados por Goldsmith, pouco tempo após o seu doutoramento, num artigo com o título "The aims of autosegmental phonology", publicado em 1979 em D. Dinnsen (ed.), Current Approaches to Phonological Theory, Bloomington: Indiana University Press, 202-222. Tradução portuguesa em: Mateus e Villalva (eds.): 295-337. . Nos anos que se seguiram, a teoria alargou o seu domínio de aplicação a outros aspectos da fonologia, como o acento, a harmonização vocálica e a nasalização.

Para responder às exigências da análise fonológica, a teoria propõe a existência de vários níveis autónomos e inter-relacionados por linhas de associação e pela condição de boa formação. Nesses níveis, organizados hierarquicamente, estão situadas as unidades fonológicas ¾ cada um dos traços prosódicos e os segmentos.

Também os traços fonológicos que caracterizam o segmento podem ser estruturados em diversos níveis e manter uma certa autonomia, de modo a persistirem ainda que o segmento a que pertencem seja suprimido. Esta aplicação da teoria auto-segmental aos traços fonológicos, cuja proposta inicial foi apresentada por Clements em 198528 28 George Clements. The Geometry of Phonological Features. Phonology yearbook 2: 1985: 225-252. Ver também George N.Clements e Elizabeth Hume. Internal organization of speech sounds. In John Goldsmith (ed.). The Handbook of Phonological Theory. Cambridge, Mass.: Basil Blackwell, 1995: 245-306. , recebeu a denominação de geometria de traços. A nova concepção da organização interna dos segmentos veio evidenciar a naturalidade do funcionamento conjunto de certos grupos de traços distintivos na actuação de processos fonológicos. Ainda com relação à identificação dos segmentos deve mencionar-se a discussão teórica da noção de subespecificação29 29 A teoria da subespecificação foi inicialmente desenvolvida por Diana Archangeli em Aspects of Underspecification Theory. Phonology Yearbook 5, 1988: 183-207. , que retoma o conceito de marca e propõe mecanismos formais que permitem determinar a incompleta especificação dos segmentos subjacentes.

A teoria auto-segmental e o modelo da geometria de traços têm orientado várias análises recentes da fonologia do português. Uma perspectiva de conjunto das principais questões segmentais e prosódicas encontra-se em The phonology of Portuguese, publicada em 2000 por Maria Helena Mateus e Ernesto d'Andrade. Dos mesmos autores existem artigos sobre a estrutura da sílaba em português, sobre a natureza dos seus constituintes e sobre a silabificação de base. A aquisição da sílaba tem sido tratada por Maria João Freitas que desenvolveu igualmente análises sobre os constituintes silábicos e sobre a estrutura dos segmentos que os preenchem. Uma estatística do tipo de sílabas ocorrentes no português, com reflexos na determinação da sílaba canónica, está presente no artigo publicado por Marina Vigário e Isabel Falé.

A estrutura interna dos segmentos fonológicos e a natureza da sua subespecificação são discutidas por Maria Helena Mateus e por Maria Augusta Miguel, integrando-se os trabalhos desta última autora na teoria da regência e do charme30 30 Sobre estas teorias ver, sobretudo, Jonathan Kaye. Phonology: a cognitive view. Hillsdale, N.J.: Lawrence Erlbaum, 1989 e, do mesmo autor, Government in phonology: the case of Moroccan Arabic. Linguistic Review 6:131-160. Ver ainda Monique Charette. Conditions on phonological government, Cambridge: Cambridge University Press, 1991. . Questões relacionadas com a harmonização vocálica nos verbos e com o processo de nasalização têm sido objecto de análises realizadas por Maria Helena Mateus e Ernesto d'Andrade.

Na continuação do trabalho sobre o acento de palavra e no enquadramento da perspectiva auto-segmental, Ernesto d'Andrade propõe o modelo da onda rítmica com construção de uma grelha métrica, e Isabel Pereira, ao tratar o acento de palavra, introduz a análise do acento secundário.

A investigação sobre a entoação em português tem uma primeira abordagem, a partir de dados de fonética experimental, no trabalho de Maria do Céu Viana que data de 1987. O levantamento dos padrões entoacionais e a contribuição desses padrões para a estruturação das sequências de fala em português é objecto da dissertação de doutoramento de Ana Isabel Mata, no quadro da análise experimental de dados da fala espontânea.

Deve-se a Marina Nespor e Irene Vogel uma obra de referência incontornável, publicada em 198631 31 Marina Nespor e Irene Vogel. Prosodic Phonology, Dordrecht: Foris Publications, 1986. e integrada nos modelos generativos mais recentes que propõe hipóteses gerais para o estudo das unidades entoacionais das línguas. Com o mesmo enquadramento teórico, Marina Vigário e Sónia Frota têm estudado a hierarquia dos constituintes prosódicos em português e têm realizado análises no sentido de caracterizar a palavra fonológica e os sintagmas fonológico e entoacional, e de determinar as fronteiras destes constituintes prosódicos. Questões de sândi externo, implicadas na análise das fronteiras de constituintes, têm sido tratadas por Marina Vigário. Sónia Frota publicou numerosos estudos sobre o foco fonológico, apresentando hipóteses teóricas do seu funcionamento a partir da identificação e análise do foco na fonologia do português. A contribuição da prosódia para a interpretação sintáctica tem sido tratada por Sónia Frota a propósito da análise do foco fonológico.

A relação entre o léxico e as componentes fonológica e morfológica das línguas, a caracterização da estrutura interna dessas componentes e a interacção das respectivas regras e processos deram origem a uma proposta de organização da gramática em que se devem considerar duas vertentes ¾ a fonológica e a morfológica ¾, o que permite as duas designações de fonologia lexical e morfologia lexical. Esta teoria foi inicialmente proposta por Kiparsky em 198232 32 Paul Kiparsky. (1982). Lexical Morphology and Phonology. In I-S Yang (ed.). (1982). Linguistics in the Morning Calm, Seoul: Hanshin, 1982: 3-91. e tem sido desenvolvida por Mohanan33 33 Keneth Mohanan. The Theory of Lexical Phonology. Dordrecht: Reidel, 1986 em trabalhos recentes. O conceito de regras lexicais e pós-lexicais que se aplicam, respectivamente, na componente lexical e na sua saída para a sintaxe é utilizado em análises dos processos e regras fonológicas, sobretudo na obra de Maria Helena Mateus e Ernesto d'Andrade publicada em 2000, e em trabalhos sobre constituintes prosódicos de Marina Vigário e Sónia Frota.

A recente teoria da optimidade teve até agora pouca repercussão nos trabalhos dos linguistas portugueses e apenas Ernesto d'Andrade, em artigo publicado em 1998, a tomou como instrumento de análise na discussão da natureza das glides em português.

A bibliografia apresentada como anexo a este artigo permite avaliar a vitalidade do trabalho que tem sido realizado no domínio da fonologia da língua portuguesa pelos linguistas portugueses.

ANEXO BIBLIOGRÁFICO

I. - a tradição filológica e histórica e a sua continuação em trabalhos de autores contemporâneos;

II. - a actividade desenvolvida até ao presente na área da dialectologia;

III. - as análises experimentais de fonética articulatória e acústica

A obra de Morais Barbosa, referida igualmente nesta Introdução, precede a investigação integrada na teoria generativa que será apresentada nas secções seguintes.

  • Almeida, António (1998) Variaçăo fonética de /l/ em ataque silábico em portuguęs europeu. In: Mota / Marquilhas (eds.) 1: 55-76.
  • Andrade, Amália (1987) Um Estudo Experimental das Vogais Anteriores e Recuadas em Portuguęs. Implicaçőes para a Teoria dos Traços Distintivos. Dissertaçăo para acesso ŕ categoria de Investigador Auxiliar. Lisboa: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, INIC (publicaçăo policopiada).
  • _______ (1996b) Alternância vogal/Ř e modificaçőes consonânticas em portuguęs europeu. In: Duarte / Miguel (eds.) 3: 153-186.
  • _______ (1996a) Reflexőes sobre o 'e mudo' em portuguęs europeu. In: Duarte / Leiria (eds.) 2: 303-344.
  • _______ (1994) Estudo acústico de sequęncias de oclusivas em portuguęs europeu. Actas do 9ş Encontro Nacional da APL Coimbra: Colibri. 1993: 1-15.
  • _______ (1992b) Ainda as vogais de Sagres. Estudo fonético da distinçăo recuado/năo recuado. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL Coimbra: 37-58.
  • _______ (1992a) Reflexões sobre as distinções de "altura" em português. Workshop sobre o Português Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística (publicação policopiada).
  • _______ (1976) The Portuguese nasal vowels: phonetics and phonemics. In: Schmidt-Radefeldt (ed.) Readings in Portuguese Linguistics Amsterdam: North-Holland Publishing Comp.: 349-396.
  • _______ & Mascarenhas, Isabel (1996) Para um estudo do vozeamento em início de vogal diante de consoante oclusiva. In: Duarte / Leiria (eds.) 3: 529-546.
  • _______ (1995) Sobre a variaçăo fonética de /i/ ž uma primeira abordagem. Actas do 10ş Encontro Nacional da APL Évora: Colibri: 25-44.
  • Andrade Pardal, Ernesto d' (1999) O papel da sonoridade da sílaba em portuguęs. Actas do 14ş Encontro Nacional da APL. Lisboa: 99-116.
  • _______ (1997a) Sobre a alternância vogal/glide em portuguęs. In: Mota / Marquilhas (eds.), vol. I: 91-102.
  • _______ (1997b) Some remarks about stress in Portuguese. In: Martínez-Gil e Morales-Front (eds.) Issues in the Phonology and Morphology of the Major Iberian Languages Washington: Georgetown University Press: 343-358.
  • _______ (1996) A fonologia pós-SPE. In: Faria et al. (eds.): 201-211.
  • _______ (1996). The syllable structure in Portuguese. The Phonology in the World's Languages OUP: Pezenas.
  • _______ (1994a) Algumas particularidades do portuguęs falado no Funchal. Actas do 9ş Encontro Nacional da APL: 17-30
  • _______ (1994b) Na onda do acento. In: Duarte / Leiria (eds.) 1: 157-174.
  • _______ (1993) Dicionário Inverso do Português Lisboa: Cosmos.
  • _______ (1992a) Word stress in Portuguese. Colóquio sobre Linguística Portuguesa Lisboa: GLOW
  • _______ (1992b) Temas de Fonologia Lisboa: Colibri.
  • _______ (1984) Sobre os plurais em galego. Boletim de Filologia 29: 173.180
  • _______ (1981) Sobre a alternância vocálica em portuguęs. Boletim de Filologia 26: 70-81.
  • _______ (1979) A classificaçăo das vogais e a diacronia. Boletim de Filologia 25: 21-5.
  • _______ (1977) Aspects de la Phonologie (Générative) du Portugais Lisboa: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, INIC.
  • _______ & Kihm, Alain (1988) Fonologia auto-segmental e nasais em portuguęs. Actas do 3ş Encontro Nacional da APL Lisboa, 1987: 51-60.
  • Andrade, Ernesto d' & Laks, Bernard (1996a) Stress and Constituency: the case of Portuguese. In: Durand, Jacques e Laks, Bernard (eds.) Current Trends in Phonology: Models and Methods ESRI. Manchester: Universidade de Salford, vol. I: 15-41.
  • _______ (1992) Na crista da onda: o acento de palavra em portuguęs. Actas do 7ş Encontro Nacional da APL Lisboa, 1991: 15-26.
  • _______ (1988) Fonologia métrica e análise aritmética da quantidade. Actas do 3ş Encontro Nacional da APL, Lisboa, 1987: 39-50.
  • Andrade, Ernesto d' & Rodrigues, Maria Celeste (1998). Das escolas e da cultura: história de uma sequęncia consonântica. Actas do 14ş Encontro Nacional da APL. Lisboa: 117-133.
  • Andrade, Ernesto d' & Viana, Maria do Céu (1994) Sinérese, diérese e estrutura silábica. Actas do 9ş Encontro Nacional da APL, Lisboa, 1993: 31-42.
  • _______ (1993a) Que horas săo ŕs (1)3 e 15?. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL, Lisboa, 1992: 59-66.
  • _______ (1993b) As sobrodas da translineaçăo. Actas do 1ş Encontro de Processamento da Língua Portuguesa escrita e falada, Lisboa: Fundaçăo Calouste Gulbenkian: 208-214 (publicaçăo policopiada).
  • _______ (1989) Ainda sobre o acento e o ritmo em portuguęs. Actas do 4ş Encontro Nacional da APL, Lisboa, 1988: 3-16.
  • _______ (1988). O ritmo e o acento em portuguęs. Actas do 2ş Encontro Regional da APL, Lisboa (a publicar).
  • Andrade, Ernesto d', Viana, Maria do Céu, Oliveira, L. & Trancoso, Isabel (1993). Uma questăo de equilíbrio. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL, Lisboa: 523-534.
  • Barbeiro, Luís Filipe (1986) Estrutura Silábica do Portuguęs. O Papel da Sílaba na Análise dos Processos Fonológicos e Fonéticos Dissertaçăo de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Barbosa, Jorge Morais (1994) Introduçăo ao Estudo da Fonologia e Morfologia do Portuguęs. Coimbra: Almedina.
  • _______ (1994) Introdução ao Estudo da Fonologia e Morfologia do Português. Coimbra: Almedina.
  • _______ (1988) Notas sobre a pronúncia portuguesa nos últimos cem anos. Biblos 64: 329-382.
  • _______ (1983) Études de Phonologie Portugaise Évora: Universidade de Évora
  • Cabral, Vasco & Delgado-Martins, Maria Raquel (1993) Percepçăo e hierarquia de traços. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL Lisboa, 1992: 67-78.
  • _______ (1980). A percepçăo da fala: alguns dados experimentais sobre as consoantes do portuguęs. Revista Portuguesa de Psicologia, vol. 14/16: 129-166.
  • Carvalho, Joaquim Brandăo de. (1989a) L'évolution des sonantes ibéro-romanes et la chute de žn-, žlž en galaico-portugais. Revue de Linguistique Romane 53: 159-188.
  • _______ (1989b). L'origine de la terminaison žăo du portugais: une approche phonétique nouvelle du problčme. Zeitrischrift für Romanische Phonologie 105:148:160.
  • _______ (1989c) Phonological Conditions on the Portuguese Clitic Placement: on syntactic evidence for stress and rhythmical patterns. Linguistics, 27: 405-436.
  • _______ (1988a) Évolution phonologique, interférences grammaticales et aérologie: ŕ propos des résultats de žANU/-ANA en galicien. Vox Romanica 47: 184-198.
  • _______ (1988b) Nasalité et structure syllabique en portugais et en galicien: approche non linéaire et panchronique d'un problčme phonologique. Verba 15: 237-263.
  • Castro, Ivo (1991) Curso de História da Língua Portuguesa Lisboa: Universidade Aberta
  • Castro, Ivo & Leiria, Isabel (1987) A Demanda da Ortografia Portuguesa. Comentário do Acordo Ortográfico de 1986 e Subsídios para a Questăo que se lhe Seguiu Lisboa: Ediçőes Joăo Sá da Costa.
  • Castro, Ivo (ed.) (1997). Actas do 12ş Encontro Nacional da APL Lisboa: Colibri.
  • Cintra, Luís Filipe Lindley (1983) Estudos de Dialectologia Portuguesa Lisboa: Sá da Costa Editora.
  • _______(1971) Nova proposta de classificaçăo dos dialectos galego-portugueses. Boletim de Filologia 22: 81-116.
  • Costa, J. e Freitas, M. J. (1999) 'V e CV como estruturas năo marcadas: evidęncia da aquisiçăo do Portuguęs Europeu'. In Actas do 14ş Encontro Nacional da APL Braga: APL.
  • _______ (no prelo) 'Sobre a representaçăo da nasalidade em Portuguęs Europeu: evidęncia dos dados da aquisiçăo'. In: Hernandorena, C. (org). Aquisiçăo de Língua Materna e de Língua Estrangeira ž aspectos fonético-fonológicos Pelotas: ALAB/EDUCAT.
  • Cruz-Ferreira, Maria Madalena (1985) Elementos para um estudo comparativo dos sistemas prosódicos do portuguęs e do inglęs. Miscelânea de Estudos Dedicados a Fernando de Mello Moser Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa: 373-388
  • _______ (1983) Non-native Comprehension of Intonation Patterns in Portuguese and in English Dissertaçăo de doutoramento. Manchester: Universidade de Manchester
  • Delgado-Martins, Maria Raquel (1996) Relaçăo fonética/fonologia: a propósito do sistema vocálico do portuguęs. In: Duarte / Leiria (eds.), vol. I: 311-326.
  • _______ (1989) Contributions ŕ une théorie de la perception de l'accent et de l'intonation en portugais. In: Bothorel, André, Galdin, Jean-Claude, Wioland, François e Zerting, Jean-Pierre (1989). Mélanges de Phonétique Générale et Experimentale Offerts ŕ Péla Simon Strasbourg: Publications de l'Institut de Phonétique de Strasbourg: 313-319.
  • _______ (1988) Ouvir falar: Introdução à Fonética do Português Lisboa: Caminho.
  • _______ (1983) Sept Études sur la Perception Lisboa: Publicaçőes do Laboratório de Fonética da Faculdade de Letras.
  • _______ (1982) Aspects de l'Accent en Portugais. Voyelles Toniques et Atones Hamburg: Buske.
  • _______ (1976) Vogais e consoantes do portuguęs: estatística de ocorręncia, duraçăo e intensidade. Boletim de Filologia 24: 1-11.
  • _______ 1973) Análise acústica das vogais tónicas em: portuguęs. Boletim de Filologia 22: 303-314
  • Delgado-Martins, Maria Raquel & Freitas, Maria Joăo (1992) Contributo para a identificaçăo de elementos estruturadores da entoaçăo na leitura. Actas do 7ş Encontro Nacional da APL, 1991, Lisboa: 255-270
  • _______ (1991). Temporal structure of speech: "reading news on TV". Proceedings of the ESCA Workshop on Phonetics and Phonology of speaking styles Barcelona.
  • Delgado-Martins, Maria Raquel, Harmegnies, Bernard & Poch, Dolors, (1996). Changement phonétique en cours du Portugais Européen. In: Duarte / Miguel (eds.), vol. III: 249-260.
  • Duarte, Inęs & Leiria, Isabel (eds.) (1996) Actas do Congresso Internacional sobre o Portuguęs, 1994, Lisboa: Colibri.
  • Duarte, Inęs & Miguel, Matilde (eds.) (1996). Actas do 11ş Encontro Nacional da APL, vol. III, 1995, Lisboa: Colibri.
  • Ellison, Mark & Viana, Maria do Céu (1995) Antagonismo e elisăo de vogais átonas finais em: portuguęs europeu. In: Duarte / Miguel (eds.): 261-282.
  • Falcăo Gonçalves, Patrícia (1984) A propósito de Articulator Features and Portuguese Vowel Height Boletim de Filologia 29 (vol. 2): 355-382.
  • Falcăo, Patrícia (1985) Relaçőes entre Fonética e Fonologia no Quadro Teórico da Gramática Generativa Standard Dissertaçăo de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Falé, Isabel (1997) Duraçăo das vogais tónicas e fronteiras prosódicas: uma análise em estruturas coordenadas. In: Mota / Marquilhas (eds.): 255-270.
  • _______ (1995) Fragmentos da Prosódia do Português Europeu: as Estruturas Coordenadas Dissertação de mestrado, Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Faria, Isabel Hub / Pedro, Emília / Duarte, Inęs / Gouveia, Carlos (eds.) (1996) Introduçăo ŕ Linguística Geral e Portuguesa Lisboa: Caminho.
  • Ferreira, Valentina (1975) A alternância vocálica dos verbos portugueses: análise em fonologia generativa natural. Actas do 1ş Encontro para a Investigaçăo e Ensino do Portuguęs, vol. 1: 365-375.
  • Figueira, M. Luísa, Faria, I. H., Viana, M. C., Frota, S. e Andrade, A. (1990) Effects of cloxazolam on the temporal organization of speech in chronic paranoid schizophrenic patients. Acta Psiquiátrica Portuguesa , Vol. 36, 69-75.
  • Fikkert, Paula e Freitas, Maria Joăo (1998). 'Acquisition of syllable structure constraints: evidence from Dutch and Portuguese'. Proceedings of GALA'97 (Generative Approaches to Language Acquisition) Edinburgh: University of Edinburgh.
  • Freitas, Maria Joăo (1998a) Os segmentos que estăo nas sílabas que as crianças produzem: localidade silábica e hierarquia de aquisiçăo. In: Mota / Marquilhas (eds.): 303-324..
  • _______ (1997) Aquisição da Estrutura Silábica do Português Europeu. Dissertação de doutoramento. Lisboa: Universidade de Lisboa.
  • _______ (1995b) Alveolar trill(ions of problems). evidence from children acquiring European Portuguese syllables. In: Faria, Isabel e Freitas, Maria Joăo (eds.) Studies on the Acquisition of Portuguese Lisboa: APL; Colibri.
  • _______ (1995a) Uma questăo de ataque silábico nas primeiras palavras. In: Duarte / Miguel (eds.): 283-296.
  • _______ (1993) Sílaba e desenvolvimento fonológico: questőes preliminares. Revista Internacional da Língua Portuguesa 10: 97-108.
  • _______ (1992) Contributo para o estudo de padrőes de estruturaçăo temporal da fala no portuguęs europeu. In: Pereira, Mata e Freitas (eds.): 77-103.
  • _______ (1988) Elementos para um estudo do tempo real no discurso. Actas do 3ş Encontro Nacional da APL Lisboa: 229-244.
  • _______ (1987) Estratégias de Organização Temporal do Discurso em Português Dissertação de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Freitas, M. J. (2000) 'O grupo consonântico 's+C' em início de palavra: evidęncia da aquisiçăo do Portuguęs Europeu'. Actas do 15ş Encontro Nacional da APL Faro: APL Freitas,
  • Freitas, M. J. (1999) 'Estatutos das consoantes que fecham sílabas no Portuguęs Europeu: evidęncia dos dados da aquisiçăo'. In: Actas do 14ş Encontro Nacional da APL Braga: APL.
  • _______. (no prelo) 'Pratos, patos e p[I]ratos: o caso da aquisiçăo dos Ataques complexos em Portuguęs Europeu'. In: Homenagem ŕ Professora Henriqueta Costa Campos, Revista da FCSH-UNL.
  • _______ (no prelo) 'Syllabic constituency and segmental emergence: Evidence from the acquisition of European Portuguese'. In: Proceedings of VIIIth International Congress for the Study of Child Language Sommerville: Cascadilla Press.
  • _______. (no prelo) ' Os pinguins săo diferentes dos coelhos? Questőes sobre oclusivas velares, semivogais e arredondamentos na aquisiçăo do Portuguęs Europeu'. Actas do 16ş Encontro Nacional da APL Lisboa: APL.
  • _______. (no prelo) ' Os sons de ataque: segmentos, segmentos complexos e grupos segmentais na aquisiçăo do Portuguęs Europeu'. Anais do V Encontro Nacional de Aquisiçăo da Linguagem Porto Alegre: EDIPUCRS.
  • _______ & Miguel, Matilde (1998b) 'Prosodic and syntactic interaction: the acquisition of NP functional projections in European Portuguese'. In: Proceedings of ConSOLE6. Leiden: ConSOLE.
  • Freitas, M. J. & Faria, I. (1999). 'Order of acquisition for syllable structure: evidence from Portuguese children'. In: Proceedings of ISAPL'97 Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto.
  • Freitas, Maria Joăo, Miguel, Matilde & Faria, Isabel (2001) 'Interaction between Prosody and Morphosyntax: plurals within codas in the acquisition of European Portuguese'. In: B. Hoehle e J. Weissenborn (eds) Proceedings of 'How to Get into Language: Approaches to Bootstrapping in Early Development'. Amsterdam: John Benjamins Publishers.
  • Frota, Sónia (2001) Nuclear falls and rises in European Portuguese: a phonological analysis of declarative and question intonation. A aparecer em Probus Special Issue on Intonation in Romance
  • _______ (2000a) Prosody and Focus in European Portuguese. Phonological Phrasing and Intonation. New York: Garland Publishing.
  • _______ (2000b) On the Phonology of Focus in European Portuguese. Comunicaçăo apresentada no GLOW Focus Workshop, University of Deusto, Bilbao.
  • _______ (2000c) Questőes de associaçăo e alinhamento tonal: implicaçőes para uma teoria da entoaçăo. Actas do 15ş Encontro Nacional da APL. Rui V. Castro and Pilar Barbosa (eds) Vol.1, 513-532. Coimbra: APL
  • _______ (2000d) Tonal association and target alignment in European Portuguese nuclear falls. A aparecer em Papers in Laboratory Phonolgy VII, Natasha Warner and Carlos Gussenhoven (eds) Cambridge: Cambridge University Press.
  • _______ (1997a) On the prosody and intonation of Focus in European Portuguese. In: Martínez-Gil e Morales-Front (eds.) Issues in the Phonology and Morphology of the Major Iberian Languages Washington: Georgetown University Press: 359-392.
  • _______ (1997b) Focus and Phrasing, Stress and Accent in European Portuguese. In: Matos, Gabriela (ed.) Interfaces in Linguistic Theory. Lisboa: APL; Colibri: 177-200.
  • _______ (1997c) Association, Alignment and Meaning: the tonal sequence HL and Focus in European Portuguese. In: Botinis, Antonis et al. (eds.) Intonation: Theory, Models and Applications ž Proceedings of an ESCA Workshop Atenas: ESCA; Universidade de Atenas: 127-130.
  • _______ (1996) Prosodic phrases and European Portuguese: in search of evidence. In: Antonietta Bisetti et al. (eds.) Proceedings of ConSOLE III, Leiden: SOLE: 47-69.
  • _______ (1995b). Clashes and Prosodic Domains in EP. Proceedings 19 Institute of Phonetic Sciences. University of Amsterdam: 93-107.
  • _______ (1995) Os domínios prosódicos e o portuguęs europeu: fenómenos de sandhi Actas do 10ş Encontro Nacional da APL Évora, 1994: 221-238.
  • _______ (1994a) Aspectos da prosódia do português europeu. In: Bisol (ed.) Fonologia: Análises não-lineares Letras de Hoje 98. Porto Alegre: 77-99.
  • _______ (1994b) Is Focus a phonological category in Portuguese? In: Ackema, P. e Schoorlemmer, M. (eds.) Proceedings of ConSOLE I The Hague: Holland Academic Graphics: 69-86.
  • _______ (1994c) Recensőes a M.B. Abaurre e L. Wetzels (orgs.) Cadernos de Estudos Linguísticos, nş 23, Jul/Dez 1992, Unicamp, Campinas e M. M. Machado (org.) Cadernos de Estudos Linguísticos, nş 25, Jul/Dez 1993, Unicamp, Campinas. In: Revista Internacional de Língua Portuguesa nş 12, Lisboa: AULP: 182-183.
  • _______ (1993a) On the prosody of focus in European Portuguese. Proceedings of the Workshop on Phonology Coimbra: 45-66 (publ. policop.).
  • _______ (1993b) A prosódia do advérbio na frase. Interacçăo e convergęncia. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL Lisboa, 1992: 204-224.
  • _______(1991) Para a Prosódia da Frase: Quantificador, Advérbio e Marcação Prosódica. Dissertação de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Frota, Sónia e Jorge, Guilhermina (1989) Para um estudo da organizaçăo temporal no discurso de um esquizofrénico paranóide crónico. Actas do 4ş Encontro da APL. FLUL: 281-303.
  • Frota, Sónia e Vigário, Marina (2000a) Aspectos de prosódia comparada: ritmo e entoaçăo no PE e no PB. Actas do 15ş Encontro Nacional da APL. Rui V. Castro and Pilar Barbosa (eds), vol.1: 533-555. Coimbra: APL.
  • _______ (2000b) On the correlates of rhythmic distinctions: the Euroepan/Brazilian Portuguese case. Poster apresentado na 7th Conference on Laboratory Phonology, University of Nijmegen. (1993) Aquisiçăo da Prosódia ž II: Categorias, Evoluçăo e Interacçăo. Análise Psicológica , 4 (XI): 531-555.
  • _______ (a aparecer) Efeitos de peso no Portuguęs Europeu. In: Homenagem ŕ Professora Henriqueta Costa Campos. Revista da FCSH-UNL.
  • _______ (1996) On Weight Effects in European Portuguese. Glow Worshop on Weight Effects Atenas.
  • _______ (1995) The Intonation of one European Portuguese Infant: a First Approach. In: Faria, Isabel e Freitas, Maria Joăo (eds.) Studies on the Acquisition of Portuguese Lisboa: APL; Colibri: 17-34.
  • Lacerda, Armando (1970 e 1975) Objectos verbais e significado elocucional. Toemas e entoemas. Entoaçăo. Sep. da Revista do Laboratório de Fonética Experimental, 7 e 8, Coimbra.
  • Leite, Fernando (1997) Vogais silenciosas? In: Castro (ed.): 157-164.
  • Marçalo, Maria Joăo (1995) A flutuaçăo dos fonemas em portuguęs. Uma questăo de morfologia? Actas do 10ş Encontro Nacional da APL: 255-268.
  • _______(1992) O círculo linguístico de Praga e a concepçăo de fonema. Actas do 7ş Encontro Nacional da APL: 202-210.
  • Maia, Clarinda de Azevedo (1996) O galego-portuguęs medieval: sua especificidade no contexto dos romances peninsulares e futura diferenciaçăo do galego e do portuguęs. In: Duarte e Leiria (eds.) vol. I. Lisboa: Colibri, 33-51.
  • _______ (1986) História do galego-português. Estado linguístico da Galiza e do Noroeste de Portugal do século XIII ao século XVI (com referência à situação do galego moderno). Coimbra: INIC.
  • Martins, Ana Maria (1999) Ainda 'os mais antigos textos escritos em portuguęs'. Documentos de 1175 a 1252. In: Faria (org.): 491-534.
  • _______.(1995) A evolução das vogais finais ã, õ, e) no português. Miscelânea de Estudos Linguísticos, Filológicos e Literários in Memoriam de Celso Cunha. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 617-646.
  • Martins, Fernando (1995) Modelo de Reconhecimento de Fala para a Língua Portuguesa: as Invariantes Fonéticas e a Programaçăo por Objectos Dissertaçăo de doutoramento. Lisboa: Universidade de Lisboa.
  • _______ (1986) Entoação e Organização do Enunciado Dissertação de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Mascarenhas, Maria Isabel (1996) Estudo da Variaçăo Dialectal entre Lisboa e Porto das Vogais Átonas [-rec] e [+arr] em contexto inicial Dissertaçăo de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Mata da Silva, Ana Isabel (1990) Questőes de Entoaçăo e Interrogaçăo em Portuguęs. "Isso é uma Pergunta?". Dissertaçăo de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • _______(1987) Ditongos crescentes do portuguęs: análise acústica. Actas do 3ş Encontro Nacional da APL Lisboa: 379-400.
  • Mata, Ana Isabel (1992) A questăo da entoaçăo na interrogaçăo em portuguęs. "Isso é uma pergunta?". In: Pereira, Mata e Freitas: 33-74.
  • _______ & Pereira, Isabel (1992) Flexibilidade de contornos entoacionais em sequęncias de natureza interrogativa: percepçăo e interpretaçăo. Actas do 7ş Encontro Nacional da APL Lisboa:
  • Mateus, Maria Helena Mira (1998) Ainda a subespecificaçăo na fonologia do portuguęs. In: Mota / Marquilhas (eds.): 63-74.
  • _______ (1997a) Redundâncias lexicais e subespecificaçăo: o sistema do portuguęs. In: Castro (ed.): 203-214.
  • _______ (1997b) Aspectos da fonologia lexical do Portuguęs. In: Brito, A. M. et al (eds.) Sentido que a Vida Faz. Estudos para Óscar Lopes Porto: Campo das Letras: 7-22
  • _______ (1996a) Factos prosódicos nas gramáticas portuguesas. Actas do 11ş Encontro Nacional da APL Lisboa, (1995): 123-142.
  • _______ (1996b) Fonologia. In: Faria et al. (eds.): 171-199.
  • _______ (1996c) O portuguęs: caminhos da investigaçăo. In: Duarte e Leiria (eds.) Lisboa: 7-22.
  • _______ (1994) A silabificaçăo de base em portuguęs. Actas do 10ş Encontro Nacional da APL Évora: 289-300.
  • _______ (1993) Onset of Portuguese Syllables and Rising Diphthongs. Proceedings of the Workshop on Phonology Coimbra: 93-104.
  • _______ (1987) L´harmonie vocalique en Portugais. Revue Européenne des Sciences Sociales, 25 (=Hommage ŕ Jean-Blaise Grize): 225-230.
  • _______ (1984) Fonologia do Galego e do Portuguęs. Actas do I Congresso Internacional da Língua Galego-Portuguesa na Galiza Ourense: 295-304.
  • _______ (1993) Onset of Portuguese Syllables and Rising Diphthongs. Proceedings of the Workshop on Phonology Coimbra: 93-104.
  • _______ (1982) Aspectos da Fonologia Portuguesa Lisboa: INIC (Textos de Linguística, 6)
  • _______ (1982) O acento da palavra em portuguęs: uma nova proposta. Boletim de Filologia, 28: 211-229.
  • _______ (1976) The Portuguese perfect indicative: a generative approach. In: Schmidt-Radefeldt (ed.) Readings in Portuguese Linguistcs Amsterdam: North-Holland Publishing Comp.: 397-424.
  • Mateus, Maria Helena Mira & Delgado-Martins, Maria Raquel (1982) Contribuiçăo para o estudo das vogais átonas [Ť] e [u] no portuguęs europeu. Biblos 58: 111-128.
  • Mateus, Maria Helena Mira, Vilalva, Alina, (eds.) (1985) Novas Perspectivas em Fonologia: Organizaçăo e Introduçăo Lisboa: Laboratório de Fonética da Faculdade de Letras de Lisboa.
  • Mateus, Maria Helena Mira, Viana, Amália Andrade & Vilalva, Alina, (1991) Fonética, Fonologia e Morfologia do Portuguęs Lisboa: Universidade Aberta.
  • Mateus, Maria Helena Mira, Andrade, Ernesto d' (2000) The Phonology of Portuguese Oxford: Oxford University Press.
  • _______ (1998) The syllable structure in European Portuguese. D.E.L.T.A 14/1: 13-32, S. Paulo.
  • Matos, Gabriela, Miguel, Matilde, Freitas, Maria Joăo e Faria, Isabel (1998) 'Functional Categories in early acquisition of European Portuguese'. In: Proceedings of GALA'97 (Generative Approaches to Language Acquisition) Edinburgh: University of Edinburgh.
  • Miguel, Maria Augusta Cavaco (1999) O Acento de Palavra em Portuguęs ž uma Análise Métrica. Dissertaçăo de doutoramento. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
  • _______ (1994) Interpretaçăo fonológica de alguns plurais em portuguęs. Actas do 10ş Encontro Nacional da APL Évora: 331-340.
  • _______ (1993) Os Padrões das Alternâncias Vocálicas e da Vogal Zero na Fonologia Portuguesa Dissertação de doutoramento. Ponta Delgada: Universidade dos Açores.
  • _______ (1993) Heavy diphthongs: a phonological view. Proceedings of the Workshop on Phonology Coimbra: 105-114.
  • žžžž (1990) As consoantes R/r na cadeia silábica. Actas do 6ş Encontro Nacional da APL: 229-238. Porto.
  • _______ (1989) Alternância da vogal fria com a vogal zero em núcleos pretónicos. Actas do 5ş Encontro Nacional da APL 119-126 Lisboa:.
  • Mota, Maria Antónia & Marquilhas, Rita, (eds.) (1998) Actas do 13ş Encontro Nacional da APL, 1997. Colibri Lisboa:.
  • Pereira, Isabel (1998) A regra do acento em portuguęs e o seu lugar na gramática. Comunicaçăo apresentada no 13ş Encontro Nacional da APL Lisboa.
  • _______ (1997) O acento latino e o acento em portuguęs: do troqueu moraico ao troqueu silábico. In: Castro (ed.): 269-276.
  • _______ (1993) Grid-only versus constituency in the study of stress in Portuguese. Proceedings of the Workshop on Phonology Coimbra: 115-125.
  • _______ (1992) Panorama das abordagens linguísticas das questőes prosódicas. In: Pereira, Mata e Freitas: 3-32.
  • _______ (1992) Questőes de acento. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL Lisboa: 418-430.
  • _______(1990) Da Prosódia: Análise da Evolução do Conceito de Prosódia e das Diferentes Abordagens Linguísticas das Questões Prosódicas Dissertação de mestrado. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
  • Pereira, Isabel & Freitas, Maria Joăo (1989) Valores do silęncio: contributo para o estudo da pausa na delimitaçăo do grupo entoacional em portuguęs. Actas do 5ş Encontro Nacional da APL: 171-186, . Lisboa .
  • Pereira, Isabel & Mata, Ana Isabel, & Freitas, Maria Joăo (1992) Estudos em Prosódia Lisboa: Colibri.
  • Pinto, Adelina Angélica (1981) A africada c& em portuguęs: estudo sincrónico e diacrónico. Boletim de Filologia 26: 139-192.
  • _______ (1980) A neutralizaçăo da oposiçăo fonológica v/b em portuguęs. Biblos 56: 599-653.
  • Rio-Torto, Graça (1998) Fonética, Fonologia e Morfologia do Portuguęs Lisboa: Colibri.
  • Rodrigues, Maria Celeste & Rodrigues, Maria Celeste, (2001) Lisboa e Braga: Fonologia e Variaçăo Dissertaçăo de doutoramento. Lisboa: Universidade de Lisboa.
  • _______ (2000) Novos dados acerca de /#OSC/. Actas do 15ş Encontro Nacional da APL Faro: 287-300.
  • Rodrigues, Maria Celeste & Martins, Fernando (2000) Espaço acústico das vogais acentuadas de Braga. Actas do 15ş Encontro Nacional da APL Faro: 301-316.
  • Santos, Isabel Almeida (1997) Fenómenos de palatalizaçăo vocálica na România: valor dialectal em território portuguęs (continental). Actas do 12ş Encontro Nacional da APL, vol. II, Braga: 273-287.
  • Viana, Maria do Céu _______ (1987) Para a Síntese da Entoaçăo do Portuguęs Dissertaçăo para acesso ŕ categoria de investigador auxiliar. Lisboa: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, INIC (publicaçăo policopiada).
  • _______ (1984) Étude de deux aspects du consonantisme du Portugais: fricatisation et dévoisement. Dissertaçăo de 'Doctorat de 3čme cycle', Strasbourg: Université de Strasbourg
  • _______ (1979) O índice duraçăo e a análise acústica das oclusivas orais em portuguęs. Boletim de Filologia 25: 1-19.
  • žžžž Andrade, E. d', Oliveira, L., Trancoso, I.(1992) Uma questăo de equilíbrio. Actas do 8ş Encontro Nacional da APL, Lisboa: 523-534.
  • žžžž Marques, G. & Silva, F.(1996) Sobre a pronúncia de nomes próprios, siglas e acrónimos em portuguęs europeu. In: Duarte / Leiria (eds.) vol. III. Lisboa: 481-520.
  • Vigário, Marina (1998) Aspectos da Prosódia do Portuguęs Europeu: Estruturas com Advérbios de Exclusăo e Negaçăo Frásica Universidade do Minho: Centro de Estudos Humanísticos.
  • Vigário, Marina (1998). Elisăo da vogal năo-recuada final e a palavra prosódica no portuguęs europeu. In Mota / Marquilhas (eds.): 359-376.
  • _______(1997) Marcaçăo prosódica em frases negativas no portuguęs europeu. In: Castro (ed.): 329-349.
  • _______ (1997) Processos de desambiguaçăo prosódica em estruturas com advérbios de exclusăo. In: Brito, A.M. et al. (eds.) Sentido que a Vida faz. Estudos para Óscar Lopes Porto: Campo das Letras: 855-868.
  • _______ (199 ) Pronominal cliticization in European Portuguese: a postlexical operation. Catalan Working Papers in Linguistics: 219-237.
  • _______ & Falé, Isabel (1993). A sílaba do Portuguęs Fundamental: uma descriçăo e algumas consideraçőes de ordem teórica. Actas do 9ş Encontro Nacional da APL Coimbra: 465-478.
  • Vigário, Marina e Frota, Sónia (1993) Aspectos da Aquisiçăo da Prosódia do Portuguęs. Actas do EPLP'93 ž 1o Encontro de Processamento da Língua Portuguesa Escrita e Falada. Lisboa, 203-208.
  • _______ (1992) Aquisiçăo da Prosódia ž I : Uma categorizaçăo das produçőes sonoras de e para a criança. Análise Psicológica , 4 (X): 457-478.

  • 1
    Sendo objecto deste artigo uma perspectiva da investigação que actualmente se produz em Portugal sobre
    fonologia do português, condensei na Introdução as referências aos seguintes vertentes que incidem sobre o nível fonético da língua:
  • 2
    Fernão de Oliveira,
    Grammatica da lingoagem portuguesa. Lisboa: e[m] casa de Germão Galharde, 1536. (3ª ed. preparada por Rodrigo de Sá Nogueira. Lisboa: Ed. de José Fernandes Júnior, 1933. Ver também João de Barros,
    Grammatica da Lingua Portuguesa. Lisboa: Luis Rodrigues, 1540.
  • 3
    Jorge de Morais Barbosa no primeiro capítulo dos
    Études de Phonologie Portugaise (1965) refere o carácter normativista e de preocupação ortográfica destas primeiras gramáticas, mas observa que por vezes os seus autores, não sendo foneticistas, "são 'fonólogos' que nos deixaram, através do estudo das letras, elementos importantes para o conhecimento do sistema do português da sua época".
  • 4
    A. R. Gonçalves Viana. "Essai de phonétique et de phonologie de la langue portugaise d'après le dialecte actuel de Lisbonne".
    Romania, t. XII, Paris, 1883. Ver ainda a "Exposição da pronúncia normal portuguesa para uso de nacionais e estrangeiros". Ambos os trabalhos foram republicados em
    Estudos de Fonética Portuguesa, Lisboa: Imprensa Nacional, 1973, 83-152 e 153-257.
  • 5
    José Joaquim Nunes.
    Compêndio de gramática histórica portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1919 (6.a ed. Lisboa: Clássica Editora. 1959).
  • 6
    Edwin B. Williams
    Latin to Portuguese. Historical phonology and morphology of the portuguese language. Philadelphia: University of Pennsylvania, 1938. (Trad. part. de A. Hauaiss: Do Latim ao Português. Fonologia e morfologia históricas da língua portuguesa. Rio de Janeiro: MECIINL, 1961.)
  • 7
    Ver, sobretudo,
    A linguagem dos foros de Castelo Rodrigo, seu confronto com a dos foros de Alfaiates, Castelo Bom, Castelo Melhor, Coria, Cáceres e Usagre. Contribuição para o estudo do leonês e do galego—português do século XIII. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1959 e "Apport des anciens textes romans non-littéraires à la connaissance de la langue du Moyen Âge".
    Revue de Linguistique Romane, xxvvii, Paris, 1963.
  • 8
    Refiro-me, em especial, ao importante artigo "Valor dos grafemas e e o em sílaba átona", publicado na
    Revista Portuguesa de Filologia XII, Coimbra, 1862-63.
  • 9
    Tratando este texto do desenvolvimento da fonologia em Portugal, os autores brasileiros não são indicados, nem nesta introdução nem na apresentação mais extensa da actual situação da investigação nesse domínio. No entanto, não posso deixar de referir aqui os nomes de Serafim da Silva Neto, Said Ali e Celso Cunha, a quem devemos trabalhos fundamentais para o conhecimento da história da língua portuguesa.
  • 10
    Na bibliografia em anexo estão indicados os três autores aqui citados e as obras de interesse para o objectivo deste artigo.
  • 11
    Ver em especial a tese de doutoramento apresentada à Universidade de Paris em 1901:
    Esquisse d'une dialectologie portugaise. Segunda edição de Maria Adelaide Valle Cintra. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1970.
  • 12
    Cito aqui apenas o "Mapa dos dialectos e falares de Portugal Continental", feito em colaboração com Maria Helena Santos Silva e publicado no
    Boletim de Filologia, XX, Lisboa, 1962, que poderá levar a uma interessante comparação com a "Proposta" de Luís Cintra, indicada na note 12.
  • 13
    Veja-se, principalmente, a "Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses", in
    Boletim de Filologia, XXII
    , 1971 e
    Estudos de dialectologia portuguesa, Lisboa: Sá da Costa..
  • 14
    Refira-se o trabalho desenvolvido pelo grupo de dialectólogos do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa na construção do Atlas Linguístico de Portugal e da Galiza (ALPG), e na colaboração desse mesmo grupo com investigadores europeus para a elaboração do grande Atlas da Europa (Atlas Linguarum Europae, ALE) e do Atlas Linguístico Românico.
  • 15
    No anexo bibliográfico estão incluídos os autores aqui referidos e os respectivos trabalhos de fonética experimental que têm interesse para a análise fonológica..
  • 16
    A investigação está a ser realizada no INESC e é conduzida, do ponto de vista linguístico, por Maria do Céu Viana.
  • 17
    Na introdução a esta obra o autor faz uma revisão criteriosa das primeiras gramáticas portuguesas e apresenta desenvolvidamente os trabalhos de Gonçalves Viana,considerados cuja intuição linguística permitia uma visão sistemática e fonológica dos sons do português.
  • 18
    Nicolas Trubetzkoy.
    Principes de phonologie. Paris: Klincksieck, 1949, p. 12. Primeira edição em alemão,
    Grundzüge der Phonologie. Güttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1939.
  • 19
    Leonard Bloomfield.
    Language. New York: Holt, Reinhart & Winston, 1933, pp76-77 da edição francesa
    Le langage. Paris: Payot, 1970.
  • 20
    Os autores referidos a partir desta secção e até final do artigo, e os respectivos trabalhos, estão incluídos no anexo bibliográfico.
  • 21
    Noam Chomsky e Morris Halle.
    The sound pattern of English, New York: Harper and Row, 1968.
  • 22
    Ver anexo bibliográfico.
  • 23
    Sanford Schane.
    French Phonology and Morphology. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1968. James Harris,
    Spanish Phonology. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1969. Mario Saltarelli.
    A Phonology of Italian in a Generative Grammar. The Hague: Mouton, 1979.
  • 24
    Em Viana (1984), a propósito da fricatização e do desvozeamento de consoantes, discutem-se questões relacionadas com variação e invariância.
  • 25
    Ver adiante a caracterização da teoria auto-segmental e da geometria de traços.
  • 26
    Esta análise foi apresentada em 19983 mas só publicada em 1992, nos
    Temas de Fonologia.
  • 27
    Os princípios da fonologia auto-segmental foram apresentados por Goldsmith, pouco tempo após o seu doutoramento, num artigo com o título
    "The aims of autosegmental phonology", publicado em 1979 em D. Dinnsen (ed.),
    Current Approaches to Phonological Theory, Bloomington: Indiana University Press, 202-222. Tradução portuguesa em: Mateus e Villalva (eds.): 295-337.
  • 28
    George Clements. The Geometry of Phonological Features.
    Phonology yearbook 2: 1985: 225-252. Ver também George N.Clements e Elizabeth Hume. Internal organization of speech sounds. In John Goldsmith (ed.).
    The Handbook of Phonological Theory. Cambridge, Mass.: Basil Blackwell, 1995: 245-306.
  • 29
    A teoria da subespecificação foi inicialmente desenvolvida por Diana Archangeli em Aspects of Underspecification Theory.
    Phonology Yearbook 5, 1988: 183-207.
  • 30
    Sobre estas teorias ver, sobretudo, Jonathan Kaye.
    Phonology: a cognitive view. Hillsdale, N.J.: Lawrence Erlbaum, 1989 e, do mesmo autor, Government in phonology: the case of Moroccan Arabic.
    Linguistic Review 6:131-160. Ver ainda Monique Charette.
    Conditions on phonological government, Cambridge: Cambridge University Press, 1991.
  • 31
    Marina Nespor e Irene Vogel.
    Prosodic Phonology, Dordrecht: Foris Publications, 1986.
  • 32
    Paul Kiparsky. (1982). Lexical Morphology and Phonology. In I-S Yang (ed.). (1982).
    Linguistics in the Morning Calm, Seoul: Hanshin, 1982: 3-91.
  • 33
    Keneth Mohanan.
    The Theory of Lexical Phonology. Dordrecht: Reidel, 1986

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    20 Dez 2001
  • Data do Fascículo
    2001
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP PUC-SP - LAEL, Rua Monte Alegre 984, 4B-02, São Paulo, SP 05014-001, Brasil, Tel.: +55 11 3670-8374 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: delta@pucsp.br