Aspectos da marginália de Mário de Andrade na poesia do romantismo brasileiro1 1 Este artigo é parte de uma pesquisa mais ampla de transcrição, classificação e análise (Maraninchi, 2017). A pesquisa contou com financiamento da Fapesp – Proc. n.2014/20620-6.

MARCELO MARANINCHI Sobre o autor

RESUMO

A marginália de Mário de Andrade nos títulos de poesia do romantismo brasileiro traça a encruzilhada de projetos: o Dicionário musical, Zoofonia, Na pancada do ganzá, Gramatiquinha da fala brasileira, O sequestro da dona ausente. O propósito aqui é articular a notícia que a marginália traz daqueles projetos à concepção psicológica de poesia que autoriza o autor de Macunaíma a assumir o lirismo romântico como expressão autêntica, mesmo que problemática, da matéria brasileira.

PALAVRAS-CHAVE
Mário de Andrade; Marginália; Poesia; Romantismo

ABSTRACT

Mário de Andrade’s marginalia on Brazilian Romantic poetry represent some of his key projects: Dicionário musical, Zoofonia, Na pancada do ganzá, Gramatiquinha da fala brasileira, O sequestro da dona ausente. The purpose here is to articulate his marginal notes, informative as they are about such projects, with his psychological conception of poetry, which allows him to embrace Romantic lyricism as an authentic expression, even if problematic, of the Brazilian matter.

KEYWORDS
Mário de Andrade; Marginalia; Poetry; Romanticism

Minha convicção é que uma das mais legítimas e certamente das mais brasileiras finalidades que um artista brasileiro possa dar pra obra dele é de seguir e perpetuar a tradição dos nossos grandes românticos. Neles mais que em nenhum outro me parece que está o fundo sentimental da nossa raça e a sua objetivação literária.

A afirmação de Mário de Andrade, em nota de trabalho, data provavelmente de 1925. Grandes românticos são, para ele, os cinco poetas estudados mais tarde em “Amor e medo”: Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Fagundes Varela e Castro Alves.2 2 O corpus é composto de oito títulos na biblioteca de Mário de Andrade, no patrimônio do IEB/USP: (1) ABREU, Casimiro J. M. de. As primaveras: com poesias inéditas do autor, o juízo crítico de diferentes escritores e um prólogo por F. D. Ramalho Ortigão. 3.ed. Porto: Livraria Chardron, 1909. (2) ALVES, Castro. Obras completas. Edição crítica comemorativa do cincoentenário do poeta... com um retrato, introducção bibliographica e annotações de Afranio Peixoto. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1921. 2v. [Poesia]. (3) AZEVEDO, Álvares de. Obras de Manoel Antonio Álvares de Azevedo precedidas de um discurso biographico e acompanhadas de notas pelo Sr Dr Jacy Monteiro. 3.ed. Acrescentada com as obras ineditas, e um appendice contendo discursos, poesias e artigos feitos a occasião da morte do autor. Rio de Janeiro: Livraria de B. L. Garnier, 1862. tomo segundo. [Prosa]; (4) AZEVEDO, Álvares de. Obras de Manoel Antonio Álvares de Azevedo precedidas do juizo critico de escriptores nacionaes e estrangeiros e de uma noticia sobre o auctor e suas obras por J. Norberto de S. S. 7. ed. Rio de Janeiro: Garnier, 1900. 3v. (5) AZEVEDO, Álvares de. O Conde Lopo. / Poema. Rio de Janeiro: Typ. G. Leuzinger & Filhos, 1886. (6) DIAS, A. Gonçalves. Poesias. Nova edição organizada e revista por J. Norberto de Souza Silva e precedida de uma notícia sobre o autor e suas obras pelo Cônego Doutor Fernandes Pinheiro. Paris/ Rio de Janeiro: Garnier, 1919. 2v. (7) DIAS, A. Gonçalves. Obras posthumas de A. Gonçalves Dias precedidas de uma noticia da sua vida e obras pelo Dr. Antonio Henriques Leal. Poesias posthumas. Paris: H. Garnier, Livreiro-Editor, s.d. (8) VARELLA, L. N. Fagundes. Obras completas de L. N. Fagundes Varella: edição organisada e revista, e precedida de uma noticia biographica por Visconti Coaracy e de um estudo critico pelo Dr. Franklin Tavora. Rio de Janeiro/Paris: Garnier, 1919. 3v. A ênfase na fecundidade do romantismo marca um ponto de vista construtivo e contrasta com o mal-estar provocado, ao final da década seguinte, pela leitura de Castro Alves. O poeta de Espumas flutuantes será caracterizado, na Revista do Brasil, em 1939, como protótipo do gênio superficial (Andrade, 1974a_______. Castro Alves, In: ___. Aspectos da literatura brasileira. São Paulo: Livraria Martins, 1974a., p.123). Haveria nisso um traço supostamente forte da mentalidade nacional, menos afeita ao trabalho paciente do que à iluminação espontânea. O juízo passa a realçar o lado negativo da personalidade poética do abolicionista baiano, mas a chave permanece a mesma – a matéria brasileira, objetivada literariamente, conserva algo da essência popular. Para além dos três momentos, entre o manuscrito de meados dos anos 1920, e os dois ensaios dedicados ao romantismo, há outros pontos de contato entre o modernista e seus predecessores. Digamos que, junto ao olhar do crítico sobre a poesia do XIX, a marginália refrata a face plural de Mário de Andrade, ligando-se a outros focos de interesse para o polígrafo. Primeiro Mário se põe a escrever uma História crítica da poesia brasileira, que deixa de lado por sua dimensão maiúscula, como informa a correspondência com Manuel Bandeira.3 3 “Você me fala dum estudo meu sobre o Romantismo brasileiro. Já pensei nisso muitas e muitas vezes. É possível que o realize um dia. Já tenho até algumas notas sobre isso. Isto é, sobre uma coisa um pouco mais larga e de que desisti: uma História crítica da poesia brasileira até nossos dias. É grande e dificultoso por demais pra mim que já tenho tanto que fazer. Fica a ideia do Romantismo de pé e de um outro livro com o lindo nome Poetagem bonita, em que reunirei os estudos que for publicando sobre os chamados modernistas brasileiros” (Moraes, 2001, p.210). A vontade de consagrar um livro aos poetas do romantismo permanece. Prevê, então, o livro Lirismo romântico no Brasil, também inacabado. “Amor e medo” e “Castro Alves”, junto a sete artigos para o Diário Nacional,4 4 “Álvares de Azevedo I e II”, “Mosqueiro nº 2”, “Álvares de Azevedo I, II e III” (Andrade, 1976). sobressaem como resultado mais expressivo desses dois projetos no campo da crítica literária. Mas, se é verdade que a marginália documenta o processo de elaboração dos artigos e ensaios, guardando muitas virtualidades não exploradas nas versões vindas a público, também ilumina outras faces do “arlequim estudioso”.

Marcas de trabalho são percebidas logo ao abrir os volumes. Todos os exemplares são numerados, na folha de guarda, indicando a inclusão da obra na Bibliografia para Na pancada do ganzá.5 5 O projeto do dicionário é testemunhado na biblioteca, nos manuscritos no arquivo, e na edição póstuma coordenada por Oneyda Alvarenga e Flávia Camargo Toni. O volume primeiro das Obras completas de Castro Alves corresponde ao nº 200 no conjunto de títulos que apoiam o projeto de Mário de Andrade sobre o folclore brasileiro – 837 no total. Na página de guarda, o elenco de termos e páginas, sob a abreviatura “dic”, serve ao abonamento de verbetes para o Dicionário musical brasileiro. O índice franqueia acesso aos termos que o pesquisador deseja conduzir ao dicionário, facilitando a referência. Ainda na página de guarda do livro de Castro Alves há outra rubrica, tirada do v.26 de “Horas de saudade” – “No ramo curvo o ninho abandonado / Relembra o pipilar do passarinho”.6 6 Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.176. O leitor anota: “zoof pipilar 176”. Este escólio “zoof”, visto com frequência nas leituras de Mário de Andrade, em todas as áreas de sua biblioteca, indicia o estudo da Zoofonia. Absorve a denominação da pesquisa principiada, no século XIX, pelo francês Hercule Florence (1804-1879) e colige matéria destinada ao projeto do modernista de reunir palavras e expressões representando a voz dos animais. O manuscrito Zoofonia, no arquivo, é o reservatório desses termos, composto de documentos musicais, recortes de jornal e notas de trabalho, transcritas de publicações ou captadas em pesquisa de campo por ele e seus colaboradores. Em entrevista de 1943, o escritor filia o projeto a Green Mansions: a Romance of the Tropical Forests, de William Henry Hudson (Andrade, 1983_______. Entrevistas e depoimentos. Edição organizada por Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: T.A. Queiroz, 1983., p.93). “Zoof” deveria municiar, anos depois, o diálogo O banquete, obra na área de Estética interrompida pela morte do escritor (Andrade, 1977_______. O banquete. Ed. preparada por Jorge Coli e Luiz Dantas. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1977. p.167., p.167).7 7 O capítulo 8 previa: “O Passeio em Pássaros. Zoofonia. O canto-enfeite no cio. A mulher vestida de homem e a Lei do Peso. Música da natureza e música descritiva”. Macunaíma também faz referência ao projeto no cap.15, “A pacuera de Oibê”. Resgatada a muiraquitã, em suas peripécias de retorno à região amazônica, o heroi tem de fugir do minhocão temível após devorar inteirinha a carne que assava nas brasas. Na disparada, encontra Florence, que, em bom francês, lhe garante ter inventado a fotografia… em 1927. Macunaíma gargalha: “– Chi! Isso já inventaram que anos, siô!”. “Então Hércules Florence caiu estuporado sobre a folha de taioba e principiou anotando com música uma memória científica sobre o canto dos passarinhos. Estava maluco. Macunaíma chispou” (Andrade, 2014_______. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Estabelecimento do texto por Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014., p.134). A voz dos animais também encontra manancial generoso no indianismo de Gonçalves Dias. As notas de margem exibem a tarefa do musicólogo, voltado a elaborar o Dicionário, e rendem ao poeta e romancista material e imagens convincentes da realidade brasileira. Como nos inventários de Macunaíma, os registros no manuscrito Zoofonia impressionam pelo efeito colorido de psitacídeos tucanos picapaus tapeis tangarás siriemas uritutus sericoias galos guaribas saguis capoeiras corós onças grachains jacarés moriches melros cucos pavões.

O emprego da preposição, a colocação pronominal e a sintaxe importam a outra obra inacabada de Mário de Andrade, A gramatiquinha da fala brasileira. A preposição “para” e sua forma coloquial “pra” recebem destaque. Em diferentes pontos de sua reflexão sobre a língua portuguesa falada no Brasil, o uso da forma mais corriqueira será discutido pelo escritor.8 8 “E dessas tradições a mais pior é o preconceito dos olhos. Os olhos... Mal danado eles fazem prá gente... já viram dum jeito a coisa escrita. Veem de outra, acham feio. E levam a gente a afirmações como essa que tanta gente me faz de que não fala pra sim para. Quando lê, sei que lê para. Porém é incontestável que dicção pra é geral e até geral não só entre brasileiros como até entre portugas.” (Almeida, 2013, v.2, p.769). O estudo linguístico combina-se à análise da versificação no realce à ocorrência frequente do suarabácti. A marginália mistura aí o interesse no metro e no ritmo dos versos, focalizando-os como índice da pronúncia brasileira. Em Fagundes Varela, Mário assinala termos como “stigma”, “abjectos”, “ignobil”, “reptil”, todos particularizados pela epêntese. À margem dos versos de “Aurora” – “Como aos dias primeiros do universo, / O globo se erguerá banhado em luzes, / Reflexos de Deus” – representa a vogal intercalada, insinuando a escrita fonética: “Reflequiços!”.9 9 Nota MA, In: Varela, 1919, p.135.

Mário de Andrade também contabiliza em Álvares de Azevedo expressões que reputa características da fala brasileira. Encontra casos de colocação pronominal – “Eu soltarei-te” 10 10 Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.2, p.94. – e regência – “O que sofres?”11 11 Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.2, p.282. ou “no que scismas?”12 12 Nota MA, In: Azevedo, 1886, p.90. – que não seguem a gramática normativa. A dupla negativa, recorrente no país, é recolhida à nota de trabalho: “Eu não rio-me, não!”; “Não sabem não”.13 13 Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.1, p.311. . As construções tiradas da criatividade do poeta ou da linguagem corrente – “fabuleiro”, “tremelear”, “desviver (no sentido de gastar a vida)”, “desfear”, “murchez”, “desfreio”, “desroupar”, “vaporento”, “alembrar” – convergem para notas de trabalho no arquivo.14 14 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código do documento: MA-MMA-05-30. Ele sublinha, por exemplo, lagoa – “Na lagoa da morte geme ainda” – no poema “Sombra de Don Juan”, na Lira dos vinte anos. A nota de trabalho no manuscrito Amor e medo avança o sentido da marginália: “lagoa em vez de lago, abrasileirando o estilo nobre em que o autor está. Jamais um parnasiano falaria dum cisne cantando em lagoa! Cisne canta nobremente em lago...”.15 15 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código do documento: MA-MMA-05-30.

Em “Horas de Martyrio”, de Castro Alves, outras duas construções são ilustrativas da atenção conferida pelo leitor à colocação pronominal: “Conto os risos, que déste-me um dia, / Que rolaram no meu coração. // Me recordo o logar onde estavas… / O rugir de teu lindo vestido, / Como as asas de um anjo cahido / Quando roçam nas flores do val…”.16 16 Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.80. O pronome em início de frase e a ênclise que desconsidera o que atrator são classificados como brasileirismo no manuscrito d’A gramatiquinha.17 17 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código dos documentos: MA MMA 51-60 e 66. Mário assinala como brasileirismo sintático, no mesmo sentido, o “emprego de ‘enquanto que’ no povo analfabeto”, o qual destaca em “Pelas sombras”, de Castro Alves (“Emquanto que eu tropeço... um grito ao longe róla…18 18 Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.186. ). Em “Amemos”, assinala a colocação pronominal, que localiza o pronome no início da frase e desconsidera a mesóclise (“Te embalarei com uma canção sentida”). A coleta de termos e construções próprias da fala popular alinha-se à proposta de Casimiro de Abreu na “Introdução” d’As primaveras – realçada pelo crítico com traço vertical triplo: “O filho dos tropicos deve escrever n’uma linguagem – propriamente sua – languida como elle, quente como o sol que o abraza, grande e mysteriosa como as suas mattas seculares”.19 19 Nota MA, In: Abreu, 1909, p.4. O epílogo de Macunaíma mostra a lição aproveitada. O narrador-rapsodo qualifica a língua do romance, transmitida pelo papagaio do herói, como uma “fala mansa, muito nova, muito! que era canto e que era caxiri com mel-de-pau, que era boa e possuía a traição das frutas desconhecidas do mato” (Andrade, 2014_______. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Estabelecimento do texto por Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014., p.159).


Folha de guarda das Obras completas de Castro Alves; exemplar anotado por MA, contendo a etiqueta de localização do volume na biblioteca do autor, o número de inclusão da obra na Bibliografia para Na pancada do ganzá e verbetes recolhidos para a pesquisa sobre a Zoofonia e o Dicionário musical brasileiro.

A língua como meio de expressão da cor local ou critério de independência literária é ressaltada em Álvares de Azevedo. Na reflexão do autor de Literatura e Civilização em Portugal – “único romântico que teve teorias no Brasil”20 20 Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.3, p.243. –, Mário de Andrade encontra apoio para pensar a autonomia da literatura brasileira em face da antiga metrópole. Álvares de Azevedo propõe: “Sem língua à parte não há literatura à parte”.21 21 Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.3, p.183. Mário sublinha o trecho, no livro, e em nota de trabalho rasurada, no dossiê do manuscrito Amor e medo, interroga-se: “Não seria razão consciente da língua brasileirista que êle emprega?”. A razão consciente parece ter, como contraface, a hipótese de inconsciência no emprego da fala brasileira – como se o lirismo romântico exibisse a fala do povo por ato-falho.


Mário de Andrade em 1930.

O “Posfácio inédito (s.d.)” de Amar, verbo intransitivo trata da língua estilizada no romance, entendida como “melodia nova”. O texto é elaborado em diálogo com o romantismo, o que se percebe tanto na escolha lexical, como no raciocínio que articula língua e autonomia literária. O uso do verbo “carecer” denota a escolha de aproveitar a lição de Gonçalves Dias; à margem de Os timbiras, Mário observa: “Gonçalves Dias diz sistematicamente carecer por precisar”.22 22 Nota MA, In: Dias, 1919, v.2, p.168. As marcações na “Introdução” de Casimiro de Abreu e nos estudos críticos de Álvares de Azevedo confirmam esse apoio na marginália:

Postfacio. A língua que usei. Veio escutar melodia nova. Ser melodia nova não quer dizer que feia. Carece primeiro a gente se acostumar [...] Ninguém me tirará a convicção arraigada já entre muitos dissabores, brinquedinhos depreciativos de amigos, diz-ques e falar mal por trás e injustiças, que se muitos tentarem também o que eu tento (note-se que não digo “como eu tento”) muito breve se organizará uma maneira brasileira de expressar, muito pitoresca, psicologiquíssima na sua lentidão, nova doçura e variedade, novas melodias bem nascidas da terra e da raça do Brasil. Essa expressão é muito provável que talvez ainda século passe sem que ela se diferencie suficientemente do português a ponto de formar uma nova língua. Não sei. E se tivermos uma língua brasileira é provável também que a diferença entre ela e a portuguesa nunca seja maior que a que tem entre esta e a espanhola. O importante não é aliás a vaidadinha de ter língua diferente, o importante é se adaptar, ser lógico com a sua terra e o seu povo. Falam que pra que tenha literatura diferente carece que tenha língua diferente... É uma semiverdade. Pra que tenha literatura diferente é só preciso que ela seja lógica e concordante com terra e povo diferente. O resto sim é literatura importada só com certas variantes fatais. É literatura morta ou pelo menos indiferente pro povo que ela pretendeu representar. (Andrade, 2013aANDRADE, M. de. Amar, verbo intransitivo. Estabelecimento de texto e apresentação de Marlene Gomes Mendes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013a., p.144 e 145)

A passagem breve pelos meandros que ligam a marginália a outros projetos de cunho brasileiro permite observar a utilidade difusa da poesia romântica, assim como os modos de escrita que nela estão em jogo – traços verticais, sublinhas, cruzetas, expoentes, escólios. Vale comentar, entre eles, o escólio “Sequestro”. O termo vincula-se a O sequestro da dona ausente, longa pesquisa no âmbito do folclore luso-brasileiro, que investiga o encontro amoroso – frustrado pelas navegações e pela escassez de mulheres no Novo Mundo – como objeto de elaboração estética. Em paralelo, sequestro constitui uma versão autoral e aproximativa para o Verdrängung/refoulement, conceito-chave da psicanálise mobilizado em “Amor e medo”. A circunstância cultural que dá origem à tópica da dona ausente é caracterizada em artigo na revista Atlântico:

O mar todo-poderoso exige dos que lhe manejam o rito, viverem em castidade completa. Mas a saudade da mulher persegue o casto, o desejo dela o castiga demais. E o marujo, especialmente o lusitano que foi o maior dos navegadores, busca disfarçar o martírio nas imagens e nos símbolos da poesia. O folclore luso-brasileiro se enriqueceu, com isso, de uma série numerosa e admirável de quadrinhas e cantigas. (Andrade, 1943ANDRADE, M. de. A dona ausente. Atlântico, Lisboa, Rio de Janeiro, n.3, 1943., p.9)

O dossiê da pesquisa abriga planos, esboços e notas prévias, num total de 1.221 documentos.23 23 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código do documento: MA-MMA-106. Ricardo Souza de Carvalho transcreveu e analisou o conjunto em Edição genética d’O sequestro da dona ausente de Mário de Andrade. O f. 590 do manuscrito prende-se à marginália em Casimiro de Abreu, no poema “A…”, de As primaveras: “Sequestro // n 223 p 7”. O leitor destaca a quadra com um colchete, e acrescenta o escólio à esquerda, em escrita ascendente:

S e q u e s t r o Por ti eu me embarquei , cantando e rindo , Marinheiro de amor no batel curvo , Rasgando afouto em hymnos d esperança As ondas verde - azues d um mar que é turvo .

E em “A Voz do Rio”, a nota é combinada a outro escólio, que localiza a paisagem da província:

S e q u e s t r o novos campos outros campos ligam ( R . Grande do Sul ) E a vista fraca na extensão se perde ! E tu sósinha viverás no exilio Garça perdida n esse mar que é verde ! 24

A estrofe é vertida no manuscrito. Mário cogita “Dar Casemiro como o ‘poeta do Sequestro’”.25 25 Arquivo IEB-USP, Fundo Mário de Andrade, Cód.: MA-MMA-106-591. Em “Sempre sonhos”, acrescenta ao escólio o comentário – “a imagem do mar vem constante no amor do poeta” (Nota MA, In: Abreu, 1909, p.88). Embora As primaveras seja o livro onde o sequestro se mostra com maior frequência, entre os títulos de poesia do romantismo, as margens de Álvares de Azevedo e Fagundes Varela também acusam a tópica.26 26 Notas MA, In: Varela, 1919, v.1, p.215; Azevedo, 1900, v.1, p.281.

O termo sequestro, aludindo à repressão ou recalcamento, traduz o mecanismo de defesa que permite ao sujeito manter afastado da consciência um conteúdo ideativo que lhe é desagradável.27 27 O Vocabulário da psicanálise acusa as nuances do termo no correr da obra de Freud (Laplanche; Pontalis, 1994, p.552). O termo adotado por Mário de Andrade parece conjugar dois conceitos nucleares da psicanálise, recalque e sublimação. Esse o “processo postulado por Freud para dar conta das atividades humanas aparentemente sem relação com a sexualidade, mas que encontrariam sua origem na força da pulsão sexual”. Laplanche e Pontalis (1994, p.554) esclarecem que Freud “descreveu como atividades de sublimação principalmente a atividade artística e a investigação intelectual. A pulsão é dita sublimada na medida em que é dirigida a uma nova meta não sexual e visa a objetos socialmente valorizados”. Mário de Andrade, sabe-se, travou contato precoce com a teoria psicanalítica. Os oito títulos de Freud na sua biblioteca, em francês, atestam o interesse.28 28 La psychopathologie de la vie quotidienne: application de la psychanalyse à l’interprétation des actes de la vie courante (Paris: Payot, 1922); Introduction à la psychanalyse (Paris: Payot, 1922); Trois essais sur la théorie de la sexualité (Paris: Nouvelle Revue Français, 1923); Totem et tabou: interprétation par la psychanalyse de la vie sociale des peuples primitifs (Paris: Payot, 1923); Cinq leçons sur la psychanalyse (Paris: Payot, 1924); Essais de psychanalyse (Paris: Payot, 1927); Le mot d’esprit et ses rapports avec l’inconscient (Paris: Gallimard, c1930); e Pourquoi la guerre (Paris: Institut International de Coopération Intelectuelle, 1933), este em coautoria com A. Einstein. A psicanálise figura ainda como objeto de debate na crítica e matriz importante da criação literária – Amar, verbo intransitivo. Macunaíma e Contos novos são exemplos fecundos. Está claro que a análise do sentimento amoroso, em “Amor e medo”, depende do referencial freudiano, sintetizado no vocabulário do ensaio: fantasma, sintomas, lateralidade, desvio, sadismo, perversão, sexualidade correta, fixação, complexo de Édipo. A pesquisa da marginália de Mário no exemplar dos Trois essais sur la théorie de la sexualité – tradução de Blanche Reverchon – explicita pontos apropriados pelo escritor. O revérbero das ideias encontra-se, por exemplo, nos versos de Castro Alves, em “Gesso e bronze”. Mário dialoga com o comentário de Afrânio Peixoto:

“I) Ainda dirigida a Agnese Trinei Murri: scena de ciume, depois reconhecido sem razão, ajunta D. Adelaide de Castro Alves Guimarães. Alem do gentilico ‘florentino’ que identificava a amada, o Poeta sublinha o ‘bronze’, como indicando que seria a materia de que era feita o seu coração. Nas suas ultimas confissões Agnese Murri depõe o contrario: era apenas um coração que a si havia imposto o silencio e, assim, pareceu indifferente ao seu Poeta.”

O modernista faz o diagnóstico no rodapé: “A poesia foi diretamente, pra C. Alves, mais que uma sublimação, uma vazão da libido.” (Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.284).

Psicologismo e sinceridade

Dois grandes críticos contribuem para enquadrar a marginália no pensamento estético e no projeto literário de Mário de Andrade. Anatol Rosenfeld (1996)ROSENFELD, A. Mário e o cabotinismo. In: ___. Texto/contexto I. São Paulo: Perspectiva, 1996. p.185-200. sustenta que a estilização linguística intentada pelo escritor, de modo a exprimir a entidade nacional, não se reduziu a um problema de ordem estético-literária, nem foi expressão de nacionalismo suprarregional e cosmopolita. Trata-se, para ele, do “problema mais íntimo da descoberta da própria identidade através da procura da identidade nacional”. Anatol (1996, p.187) explica: “A busca de Mário e do Modernismo, como de todo movimento de acentuadas tendências irracionalistas, orientado pelo ethos da libertação de regras convencionais e da revolta contra o espírito coletivo prevalecente é a da sinceridade, da auto-expressão imediata, elementar, espontânea”. Roberto Schwarz (1965)SCHWARZ, R. O psicologismo na poética de Mário de Andrade. In: ___. A sereia e o desconfiado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965. p.1-11., por sua vez, especifica a questão a partir do que compreende como ausência de dialética nas teorias de Mário. Ausência que o faria oscilar entre um polo irracionalista e outro, sinônimo da elaboração consciente. A síntese efêmera, segundo Schwarz, quando a técnica se põe a serviço do lirismo, está na “Elegia de abril” (Andrade, 1974) e no Curso de Filosofia e História da Arte (Andrade, 1955_______. Curso de Filosofia e História da Arte. São Paulo: Centro de Estudos Folclóricos do Gfau/Urbis, 1955.).

A sinceridade como critério e valor atravessa as margens da poesia do romantismo. A leitura de Álvares de Azevedo suscita a questão, como se lê nas observações situadas na antepágina do volume primeiro das Obras:

“Comentário à imitação e à sinceridade. Mostrar que uma não contraria a outra, ao contrário, a imitação provoca a sinceridade porque ninguém imita por esnobismo sinão raramente e não é o caso dos romanticos, imita-se por afinidade, imita-se por espelhar, imita-se a mesma coisa que se é, não se imita: identifica-se, corresponde-se.” (Nota MA, In: Azevedo, 1900)

O trecho embute o problema das influências e o tema complexo da formação identitária, considerando-se a apropriação.29 29 Mário usa termos semelhantes em carta de 1924 a Carlos Drummond de Andrade (Santiago, 2002, p.116). Ao gosto de Mário, pode ser expandido para pensar se o romantismo foi um fenômeno sincero com a entidade nacional, se exprimiu a natureza brasileira. Natureza não restrita à paisagem – à qual os românticos foram quase insensíveis, segundo o autor de Macunaíma,30 30 Em Macário, exclama: “Que coisa esquisita, puxa! Álvares de Azevedo é de todos os nossos românticos aliás o que menos compreendeu e amou a natureza, uma incompreensão quase que total” (Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.3, p.322). aquartelados na copa das palmeiras31 31 “Nacionalismo: É curioso de se notar que o nacionalismo naturalista, quero dizer, em relação à natureza, dos nossos românticos si aquartelou na copa da palmeira quasi que só. A Varela coube ir um pouco além. Os outros desque falam no Brasil nacionalistamente, ou por saudade ou por exaltação patriótica lá vem palmeira” .Nota MA, In: Dias, 1919, v.2, p.153). mas como verdade interior. Ainda na antepágina, a anotação seguinte lida, aqui pelo viés negativo, com outras implicações de se exprimir autenticamente a nacionalidade:

“Realmente os românticos são duma pobreza mental extraordinária. Poetas tão fatalmente poetas como Álvares de Azevedo nada lhes falta pra serem grandes criadores sinão a tradição de criação quasi ignorada neste país de tradicional palavreado. Álvares de Azevedo tem a fatalidade de manifestação do gênio, faltou-lhe a tradição de criação do gênio que obriga a manifestação a levantar o vulto dos tipos e dos símbolos. Por mais que a leitura o levasse pras civilizações criadoras tradicionais a intensa vida do sentido que fez dos nossos românticos seres tão visceralmente e mesmo inconscientemente nacionais proibiu-lhes a desnacionalização e o despaisamento que lhes permitiria filiarem-se além-mar. O bem deu como resultado um mal = a perda pessoal desses homens tão ricos de lirismo e tão empobrecidos pela grandeza de serem nacionais.” (Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.1, antepágina)

O comentário evoca pobreza mental, ausência de tradição criadora, palavreado, manifestações do gênio e influências estrangeiras, faz uma síntese de grande alcance, que ecoará no elo entre Castro Alves e a suposta preguiça intelectual do brasileiro, já aludido. As influências não desnaturaram a poesia graças à “intensa vida do sentido”. A marginália reforça a aposta em uma psicologia do brasileiro, traída nos traços de fala – como a negação dupla, a disposição dos pronomes, a pronúncia mole do suarabácti – e na expressão do sentimento amoroso, no qual se recria por via erudita o sequestro de matriz popular. Em 23 de março, 1931, o artigo “Álvares de Azevedo – I”, no Diário Nacional recusa ao romantismo a pecha de imitação e atribui a ideia falsa aos equívocos da nossa crítica literária, que procede “sempre nas suas generalizações apressadas e grosseiras ‘em função da crítica europeia’”. O articulista sustenta: “Jamais uma coisa importada vinga que não tenha uma razão essencial de ser, uma eficiência nacional, nos países importadores” (Andrade, 1976_______. Táxi e crônicas no Diário Nacional. Estabelecimento de texto, introdução e notas de Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: Livraria Duas Cidades; Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976., p.355 e 356).

A última nota deixada na antepágina do volume primeiro das Obras de Álvares de Azevedo trata da “insistência lasciva do beijo nos românticos”. O autor dos “Poemas da Negra” remete ao verbo entrebeijar, sublinhado no “Canto Quarto” de O Conde Lopo: “Ás flôres que na morte se entrebeijão!”. Mário considera o termo “delicioso de pegajosismo”. No dossiê do manuscrito Castro Alves, sob a larga rubrica “Psicologia do Romantismo Brasileiro”, dá mostras do que planejava analisar no livro inacabado: “O sentimentalismo amoroso do brasileiro, gente sincera, gente dada, hospitaleira, levando tudo a serio, grafada pelo romantismo”.32 32 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código MA-MMA-26-04.

A marginália adota, na análise dos românticos, a concepção de lirismo de Paul Dermée, em dois artigos para L’Esprit Nouveau,33 33 Lilian Escorel analisou a marginália de Mário na revista fundada por Le Corbusier e Amédée Ozenfant, dedicando-se à importância da publicação para as ideias do modernista. com os quais Mário de Andrade dialoga no “Prefácio interessantíssimo” e em A escrava que não é Isaura. O brasileiro sublinha em “Poésie = lyrisme + art” a definição psicólogica de lirismo: “Le lyrisme est un flux jailli du plus profond de notre être dans notre conscience; il est normal et se répand plus ou moins souvent, avec plus ou moins de force, en chacun de nous” (Dermée, 1920DERMÉE, P. Découverte du lyrisme e Poésie = lyrisme + art”. L’Esprit Nouveau: Revue Internationale d’Esthétique, Paris, 1920., p.327). O trecho é destacado também através da inscrição do mote, a lápis, “Qu’est-ce que le lyrisme”. A ideia platônica de que o poeta não pode obedecer à razão, ou não terá o que cantar, é também sublinhada, e o escólio “Mots de Platon” acompanha o período. A dimensão psicológica e irracional do lirismo é também sublinhada: “Ce qui permet le jaillissement du flux lyrique, c’est ou bien un affaiblissement de l’activité rationelle ou un renforcement de l’activité irrationelle”. O contraste com a inteligência, embora sem notas de margem, merece citação: “Il n’en est rien et rien n’oblige le poète à être bête. Ce qui importe seulement, c’est que le contrôle rationnel puisse être supprimé à certains moments”. Mário de Andrade analisa o romantismo brasileiro sob o mesmo enfoque:

“O que torna A. de A. muito mais interessante que os outros românticos é que nele a reação intelectual é constante quer sob o ponto-de-vista artístico quer sob o de pensamento. Nossos grandes românticos Gonçalves Dias, Castro Alves, Varela, Casimiro de Abreu, foram o que se pode chamar poetas eminentemente burros. Mesmo as ‘intenções’ que levaram C. Alves ao seu abolicionismo deram reações líricas puramente sentimentais. A. de A. nos desperta constantemente a percepção da inteligência. Nos outros a reação intelectual desaparece. Em A. de A. como ele mesmo falou ‘a inteligência é como o ólio, sobrenada a tudo’.”34 34 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código: MA-MMA-05-24.

A burrice atribuída aos nossos românticos encontra apoio nos elementos que compõem a fórmula de Dermée e repercute a oposição entre inteligência e fluxo lírico. A escrava que não é Isaura também rende homenagem ao raciocínio.35 35 “O poeta, habituado a deixar-se levar pelo eu profundo tão dependente do estado físico, consegue à medida do possível, já se vê, grafar certos instantes de vacuidade em que há como que um eclipse quase total da reação intelectual” (Andrade, 1960, p.255). A equação de Paul Dermée é recomposta no “Prefácio interessantíssimo” na ordem inversa. A arte representará a correção da sentimentalidade romântica, que brota espontânea e carece ser lapidada:

“A inspiração é fugaz, violenta. Qualquer empecilho a perturba e mesmo emudece. Arte, que, somada a Lirismo, dá Poesia, não consiste em prejudicar a doida carreira do estado lírico para avisá-lo das pedras e cercas de arame do caminho. Deixe que tropece, caia e se fira. Arte é mondar mais tarde o poema de repetições fastientas, de sentimentalidades românticas, de pormenores inúteis ou inexpressivos.” (Andrade, 2013bANDRADE, M. de. Prefácio interessantíssimo. In: ___. Poesias completas. Edição de texto apurado, anotada e acrescida de documentos por Tatiana Longo Figueiredo e Telê Ancona Lopez. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013b. v.1., p.63)

Lirismo é definido, na diretriz psicológica, como “estado afetivo sublime, vizinho da sublime loucura”. A marginália reencena essas ideias, que justificam o título do livro inacabado – Lirismo romântico no Brasil – e a insistência em retratar os românticos como líricos: “Os nossos românticos foram na realidade mais propriamente líricos que poetas. (Chamá-los durante todo o livro de líricos em vez de poetas). Digressão sobre o que é o poeta. No poeta além do expositor de sentimentos (que podem até ser vulgares e corriqueiros) tem o artista que modela esses sentimentos. Os nossos românticos não foram artistas.”36 36 Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código MA-MMA-26-05. No entender de Mário de Andrade, o lirismo romântico transcende a personalidade individual, objeto de preferência em “Amor e medo”, e razão para as críticas dirigidas a ele. Comentários em que a sinceridade comparece como critério-chave são muito frequentes nas notas de margem. A função de contraste que a sinceridade desempenha mostra-se nos poemas “A minha musa” e “Desejo”, de Gonçalves Dias. A mesma página registra avaliações opostas. O crítico pondera sobre o primeiro:

“Esta tristeza de G. D. sim me parece bem tema, bem artificial. Seus versos, seu sentimento, sua expressão bem menos impulsiva e brotada não revelam aquela tristeza de Casemiro e a amargura cheia de tédio de Álvares de Azevedo. Pura máscara. Ao menos a tristeza heroica de C. Alves era ditada por uma ideia social. A de G. Dias nem isso! Romantismo da pior espécie, romantismo de escola.” (Nota MA, In: Dias, 1919, v.1, p.56)

Basta, porém, a estrofe única de “Desejo” para convencê-lo do equilíbrio poético de Gonçalves Dias, que combina espontaneidade e pensamento sutil. O comentário mobiliza categorias assimiladas de Paul Dermée, e a sublinha, traçada no v.6, acusa a repetição do verbo de cunho psicológico, artifício comum no poeta:

“Desejo Ah! que eu não morra sem provar ao menos Siquer por um instante, n’esta vida Amor igual ao meu! Dá, Senhor Deos, que eu sobre a terra encontre Um anjo, uma mulher, uma ombra tua, Que sinta o meu sentir; Uma alma que me entenda, irmã da minha, Que escute o meu silêncio, que me siga Dos ares na amplidão! Que em laço estreito unidas, juntas, presas, Deixando a terra e o lodo, aos céos remontem N’um extasis de amor!

“Que beleza. Aqui sim me parece tão natural. Tão impulsivo! E que arte. A gente sente uma rima que não existe tanto isto é sonoro, é bem cadenciado. E além disso um pensamento já bem mais sutil que o dos outros.” (Nota MA, In: Dias, 1919, vol. 1, p.56)

Antonio Candido (2010, p.126)CANDIDO, A. Literatura e cultura de 1900 a 1945. In: ___. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010. avalia a contribuição da fase heroica do modernismo em termos psicanalíticos, tomando-a como “libertação de uma série de recalques históricos, sociais, étnicos, que são trazidos triunfalmente à tona da consciência literária”. As notas de margem e os manuscritos no arquivo endossam o crítico quanto ao propósito de Mário de Andrade. Manifestação por vezes inconsciente nos românticos – via sonho ou ato-falho – a matéria brasileira é decisão consciente, e central, para o polígrafo modernista. Representa, talvez, a busca do equilíbrio entre lirismo e arte. Distingue uns e outros na elaboração artística do sentimento amoroso, cuja experiência teria sido des-sequestrada pelo modernismo, ou na inteligência, deixando para trás os lado “burro” dos poetas do romantismo. Creio que será profícua a análise do material, transformado, em Amar, verbo intransitivo e no poema “Carnaval carioca” – ambos de elaboração próxima, no tempo, à leitura dos românticos. Entre as possibilidades da crítica genética está a de mostrar como a criação decorre de esforço – o estudo dos manuscritos desfetichiza, assim, o texto definitivo e a obra do gênio. E a valorização do trabalho pode ter um valor a mais em contextos que lhe são adversos.

Notas

  • 1
    Este artigo é parte de uma pesquisa mais ampla de transcrição, classificação e análise (Maraninchi, 2017MARANINCHI, M. O segredo dos sentimentos sinceros: estudo da marginália de Mário de Andrade na poesia do romantismo brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado em Filosofia - Área de concentração: Estudos Brasileiros) – Instituto de Estudos Brasileiros, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017.). A pesquisa contou com financiamento da Fapesp – Proc. n.2014/20620-6.
  • 2
    O corpus é composto de oito títulos na biblioteca de Mário de Andrade, no patrimônio do IEB/USP: (1) ABREU, Casimiro J. M. de. As primaveras: com poesias inéditas do autor, o juízo crítico de diferentes escritores e um prólogo por F. D. Ramalho Ortigão. 3.ed. Porto: Livraria Chardron, 1909. (2) ALVES, Castro. Obras completas. Edição crítica comemorativa do cincoentenário do poeta... com um retrato, introducção bibliographica e annotações de Afranio Peixoto. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1921. 2v. [Poesia]. (3) AZEVEDO, Álvares de. Obras de Manoel Antonio Álvares de Azevedo precedidas de um discurso biographico e acompanhadas de notas pelo Sr Dr Jacy Monteiro. 3.ed. Acrescentada com as obras ineditas, e um appendice contendo discursos, poesias e artigos feitos a occasião da morte do autor. Rio de Janeiro: Livraria de B. L. Garnier, 1862. tomo segundo. [Prosa]; (4) AZEVEDO, Álvares de. Obras de Manoel Antonio Álvares de Azevedo precedidas do juizo critico de escriptores nacionaes e estrangeiros e de uma noticia sobre o auctor e suas obras por J. Norberto de S. S. 7. ed. Rio de Janeiro: Garnier, 1900. 3v. (5) AZEVEDO, Álvares de. O Conde Lopo. / Poema. Rio de Janeiro: Typ. G. Leuzinger & Filhos, 1886. (6) DIAS, A. Gonçalves. Poesias. Nova edição organizada e revista por J. Norberto de Souza Silva e precedida de uma notícia sobre o autor e suas obras pelo Cônego Doutor Fernandes Pinheiro. Paris/ Rio de Janeiro: Garnier, 1919. 2v. (7) DIAS, A. Gonçalves. Obras posthumas de A. Gonçalves Dias precedidas de uma noticia da sua vida e obras pelo Dr. Antonio Henriques Leal. Poesias posthumas. Paris: H. Garnier, Livreiro-Editor, s.d. (8) VARELLA, L. N. Fagundes. Obras completas de L. N. Fagundes Varella: edição organisada e revista, e precedida de uma noticia biographica por Visconti Coaracy e de um estudo critico pelo Dr. Franklin Tavora. Rio de Janeiro/Paris: Garnier, 1919. 3v.
  • 3
    “Você me fala dum estudo meu sobre o Romantismo brasileiro. Já pensei nisso muitas e muitas vezes. É possível que o realize um dia. Já tenho até algumas notas sobre isso. Isto é, sobre uma coisa um pouco mais larga e de que desisti: uma História crítica da poesia brasileira até nossos dias. É grande e dificultoso por demais pra mim que já tenho tanto que fazer. Fica a ideia do Romantismo de pé e de um outro livro com o lindo nome Poetagem bonita, em que reunirei os estudos que for publicando sobre os chamados modernistas brasileiros” (Moraes, 2001MORAES, M. A. de. (Org.) Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. 2.ed. São Paulo: Edusp; IEB, 2001., p.210).
  • 4
    “Álvares de Azevedo I e II”, “Mosqueiro nº 2”, “Álvares de Azevedo I, II e III” (Andrade, 1976_______. Táxi e crônicas no Diário Nacional. Estabelecimento de texto, introdução e notas de Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: Livraria Duas Cidades; Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976.).
  • 5
    O projeto do dicionário é testemunhado na biblioteca, nos manuscritos no arquivo, e na edição póstuma coordenada por Oneyda Alvarenga e Flávia Camargo Toni.
  • 6
    Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.176.
  • 7
    O capítulo 8 previa: “O Passeio em Pássaros. Zoofonia. O canto-enfeite no cio. A mulher vestida de homem e a Lei do Peso. Música da natureza e música descritiva”.
  • 8
    “E dessas tradições a mais pior é o preconceito dos olhos. Os olhos... Mal danado eles fazem prá gente... já viram dum jeito a coisa escrita. Veem de outra, acham feio. E levam a gente a afirmações como essa que tanta gente me faz de que não fala pra sim para. Quando lê, sei que lê para. Porém é incontestável que dicção pra é geral e até geral não só entre brasileiros como até entre portugas.” (Almeida, 2013ALMEIDA, A. N. de. Edição genética d’A gramatiquinha da fala brasileira de Mário de Andrade. 2013. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013. 2v., v.2, p.769).
  • 9
    Nota MA, In: Varela, 1919, p.135.
  • 10
    Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.2, p.94.
  • 11
    Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.2, p.282.
  • 12
    Nota MA, In: Azevedo, 1886, p.90.
  • 13
    Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.1, p.311.
  • 14
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código do documento: MA-MMA-05-30.
  • 15
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código do documento: MA-MMA-05-30.
  • 16
    Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.80.
  • 17
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código dos documentos: MA MMA 51-60 e 66.
  • 18
    Nota MA, In: Alves, 1921, v.1, p.186.
  • 19
    Nota MA, In: Abreu, 1909, p.4.
  • 20
    Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.3, p.243.
  • 21
    Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.3, p.183.
  • 22
    Nota MA, In: Dias, 1919, v.2, p.168.
  • 23
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código do documento: MA-MMA-106.
  • 24
    Notas MA, In: Abreu, 1909, p.7, 39 e 41.
  • 25
    Arquivo IEB-USP, Fundo Mário de Andrade, Cód.: MA-MMA-106-591.
  • 26
    Notas MA, In: Varela, 1919, v.1, p.215; Azevedo, 1900, v.1, p.281.
  • 27
    O Vocabulário da psicanálise acusa as nuances do termo no correr da obra de Freud (Laplanche; Pontalis, 1994LAPLANCHE. J.; PONTALIS, J.-B. Vocabulário da psicanálise. Trad. Pedro Tamen. São Paulo: Martins Fontes, 1994., p.552).
  • 28
    La psychopathologie de la vie quotidienne: application de la psychanalyse à l’interprétation des actes de la vie courante (Paris: Payot, 1922); Introduction à la psychanalyse (Paris: Payot, 1922); Trois essais sur la théorie de la sexualité (Paris: Nouvelle Revue Français, 1923); Totem et tabou: interprétation par la psychanalyse de la vie sociale des peuples primitifs (Paris: Payot, 1923); Cinq leçons sur la psychanalyse (Paris: Payot, 1924); Essais de psychanalyse (Paris: Payot, 1927); Le mot d’esprit et ses rapports avec l’inconscient (Paris: Gallimard, c1930); e Pourquoi la guerre (Paris: Institut International de Coopération Intelectuelle, 1933), este em coautoria com A. Einstein.
  • 29
    Mário usa termos semelhantes em carta de 1924 a Carlos Drummond de Andrade (Santiago, 2002SANTIAGO, S. (Org). Correspondência de Carlos Drummond de Andrade e Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Bem-te-vi, 2002., p.116).
  • 30
    Em Macário, exclama: “Que coisa esquisita, puxa! Álvares de Azevedo é de todos os nossos românticos aliás o que menos compreendeu e amou a natureza, uma incompreensão quase que total” (Nota MA, In: Azevedo, 1900, v.3, p.322).
  • 31
    “Nacionalismo: É curioso de se notar que o nacionalismo naturalista, quero dizer, em relação à natureza, dos nossos românticos si aquartelou na copa da palmeira quasi que só. A Varela coube ir um pouco além. Os outros desque falam no Brasil nacionalistamente, ou por saudade ou por exaltação patriótica lá vem palmeira” .Nota MA, In: Dias, 1919, v.2, p.153).
  • 32
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código MA-MMA-26-04.
  • 33
    Lilian Escorel analisou a marginália de Mário na revista fundada por Le Corbusier e Amédée Ozenfant, dedicando-se à importância da publicação para as ideias do modernista.
  • 34
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código: MA-MMA-05-24.
  • 35
    “O poeta, habituado a deixar-se levar pelo eu profundo tão dependente do estado físico, consegue à medida do possível, já se vê, grafar certos instantes de vacuidade em que há como que um eclipse quase total da reação intelectual” (Andrade, 1960_______. A escrava que não é Isaura. In: Obra imatura. São Paulo: Livraria Martins, 1960., p.255).
  • 36
    Arquivo IEB-USP. Fundo Mário de Andrade. Código MA-MMA-26-05.

Referências

  • ALMEIDA, A. N. de. Edição genética d’A gramatiquinha da fala brasileira de Mário de Andrade 2013. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013. 2v.
  • ANDRADE, M. de. A dona ausente. Atlântico, Lisboa, Rio de Janeiro, n.3, 1943.
  • _______. Curso de Filosofia e História da Arte São Paulo: Centro de Estudos Folclóricos do Gfau/Urbis, 1955.
  • _______. A escrava que não é Isaura. In: Obra imatura São Paulo: Livraria Martins, 1960.
  • _______. Castro Alves, In: ___. Aspectos da literatura brasileira São Paulo: Livraria Martins, 1974a.
  • _______. Elegia de abril, In: ___. Aspectos da literatura brasileira São Paulo: Livraria Martins, 1974b.
  • _______. Táxi e crônicas no Diário Nacional Estabelecimento de texto, introdução e notas de Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: Livraria Duas Cidades; Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976.
  • _______. O banquete Ed. preparada por Jorge Coli e Luiz Dantas. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1977. p.167.
  • _______. Entrevistas e depoimentos Edição organizada por Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo: T.A. Queiroz, 1983.
  • _______. Dicionário musical brasileiro Edição coordenada por Oneyda Alvarenga e Flávia Camargo Toni Brasília: Ministério da Cultura; São Paulo: IEB-USP – Edusp; Belo Horizonte: Itatiaia, 1989.
  • ANDRADE, M. de. Amar, verbo intransitivo Estabelecimento de texto e apresentação de Marlene Gomes Mendes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013a.
  • ANDRADE, M. de. Prefácio interessantíssimo. In: ___. Poesias completas Edição de texto apurado, anotada e acrescida de documentos por Tatiana Longo Figueiredo e Telê Ancona Lopez. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013b. v.1.
  • _______. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter Estabelecimento do texto por Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014.
  • CANDIDO, A. Literatura e cultura de 1900 a 1945. In: ___. Literatura e sociedade Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010.
  • CARVALHO, R. S. de. Edição genética d’O sequestro da dona ausente de Mário de Andrade 2001. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2001.
  • DERMÉE, P. Découverte du lyrisme e Poésie = lyrisme + art”. L’Esprit Nouveau: Revue Internationale d’Esthétique, Paris, 1920.
  • ESCOREL, L. A revista L’Esprit Nouveau nas estantes de Mário de Andrade São Paulo: Humanitas; Fapesp, 2011.
  • LAPLANCHE. J.; PONTALIS, J.-B. Vocabulário da psicanálise Trad. Pedro Tamen. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
  • MARANINCHI, M. O segredo dos sentimentos sinceros: estudo da marginália de Mário de Andrade na poesia do romantismo brasileiro. 2017. Dissertação (Mestrado em Filosofia - Área de concentração: Estudos Brasileiros) – Instituto de Estudos Brasileiros, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017.
  • MORAES, M. A. de. (Org.) Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira 2.ed. São Paulo: Edusp; IEB, 2001.
  • ROSENFELD, A. Mário e o cabotinismo. In: ___. Texto/contexto I São Paulo: Perspectiva, 1996. p.185-200.
  • SANTIAGO, S. (Org). Correspondência de Carlos Drummond de Andrade e Mário de Andrade Rio de Janeiro: Bem-te-vi, 2002.
  • SCHWARZ, R. O psicologismo na poética de Mário de Andrade. In: ___. A sereia e o desconfiado Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965. p.1-11.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    May-Aug 2017

Histórico

  • Recebido
    20 Jun 2017
  • Aceito
    18 Jul 2017
Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo Rua da Reitoria,109 - Cidade Universitária, 05508-900 São Paulo SP - Brasil, Tel: (55 11) 3091-1675/3091-1676, Fax: (55 11) 3091-4306 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: estudosavancados@usp.br
Accessibility / Report Error