Pedagogia da inclusão e a Justiça Restaurativa: escapes com Kafka

Pedagogy of inclusiveness and the Restorative Justice: escapes with Kafka

Resumos

Este artigo problematiza a pedagogia da inclusão como um discurso majoritário na contemporaneidade, aqui analisada especificamente em sua filiação ao campo jurídico em práticas escolares. Para tanto, escavamos genealogicamente o discurso da Justiça Restaurativa para entender como vem sendo operado na escola para o governo dos riscos. Esburacamos os efeitos de subjetivação nestas práticas escolares de segurança, localizando o rastelo escolar que produz um modo específico de existência, o ofensor, capturado em práticas disciplinares e de controle. Apresentamos uma investigação inspirada no pensamento da diferença e nas galerias da toca kafkiana, experimentando outros modos de existência para o espaço escolar a partir da arte do silêncio como uma ética kafkiana.

Pedagogy of Inclusiveness; Restorative Justice; Kafka


This paper problematizes the pedagogical proposal of inclusiveness as a majority discourse, which is here analyzed specifically in its filiation with the juridical branch in scholarly practices. We genealogically excavate the Restorative Justice discourse to understand how it has been operated at school to govern risks. Hence, we search for the effects of subjectivation in these scholarly practices of security. We try to locate the scholarly ripple, which produces a specific mode of existence, the offender, who now is captured in disciplinary and control practices. In this way, we present this analysis inspired by the thought of difference and by the galleries of Kafka's burrow, trying other modes of existence to the scholarly space from an art of silence as Kafkian ethics.

Pedagogy of Inclusiveness; Restorative Justice; Kafka


  • AGUINSKY, Beatriz Gershensos et al. A Introdução das Práticas de Justiça Restaurativa no Sistema de Justiça e nas Políticas da Infância e Juventude em Porto Alegre: notas de um estudo longitudinal no monitoramento e avaliação do projeto justiça para o século 21. In: BRANCHER, Leoberto; SILVA, Susiâni (Org.). Justiça para o Século 21: instituindo práticas restaurativas: semeando justiça e pacificando violências - três anos de experiência da justiça restaurativa na capital gaúcha. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. P. 23-57.
  • BARTER, Dominic. Comunicação Não-Violenta: uma base ética para práticas restaurativas. In: Justiça para o Século 21: instituindo práticas restaurativas. material de apoio - curso de formação em práticas restaurativas. Disponível em: <www.mj.gov.br>. Acesso em: 10 abr. 2008.
  • BRANCHER, Leoberto. Justiça para o Século 21: Instituindo Práticas Restaurativas - Iniciação em Justiça Restaurativa. Porto Alegre, s/d.
  • BRANCHER, Leoberto; PUGGINA, Rodrigo. Núcleo de Estudos em Justiça Restaurativa da Escola Superior de Magistratura. In: BRANCHER, Leoberto; SILVA, Susiâni. Justiça para o Século 21: instituindo práticas restaurativas: semeando justiça e pacificando violências - três anos de experiência da justiça restaurativa na capital gaúcha. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. P. 91-93.
  • DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição Tradução de Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2006.
  • DELEUZE, Gilles. Conversações Tradução de Péter Pal Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 2008.
  • FOUCAULT, Michel. As Técnicas de Si. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento e Karla Neves a partir de Michel Foucault. In: FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits Paris: Gallimard, v. IV, 1994. P. 783-813.
  • FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 25. ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2002.
  • FOUCAULT, Michel. Sobre a História da Sexualidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder 10. ed. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2003. P. 243-276.
  • FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade, 3: o cuidado de si. 9. ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2007.
  • FOUCAULT, Michel. Segurança, Território e População: curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008. (Coleção Tópicos).
  • FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3. ed. Edição estabelecida por François Ewald e Alessandro Fontana, por Fréderic Gros. Tradução de Marcio Alves da Fonseca, Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
  • GROSSI, Patrícia Krieger et al. Justiça Restaurativa nas Escolas de Porto Alegre: desafios e perspectivas. In: BRANCHER, Leoberto; SILVA, Susiâni. Justiça para o Século 21: instituindo práticas restaurativas: semeando justiça e pacificando violências - três anos de experiência da justiça restaurativa na capital gaúcha. Porto Alegre: Nova Prova, 2008.
  • KAFKA, Franz. Na Colônia Penal Tradução de Modesto Carone. 4. ed. São Paulo: Editora Brasilense, 1993.
  • KAFKA, Franz. A Toca Tradução de Francisco Agarez. Lisboa: LxXL Edições, 2009.
  • LARROSA, Jorge. Tecnologias do Eu e Educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O Sujeito da Educação: estudos foucaultianos. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. P. 35-86.
  • NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra Um livro para todos e para ninguém. Tradução de Mário da Silva. São Paulo: Circulo do Livro, s/d.
  • NIETZSCHE, Friedrich. A Genealogia da Moral Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
  • ONFRAY, Michel. A Potência de Existir: manifesto hedonista. Tradução de José Luiz Pérez. Lisboa: Campo da Educação, 2009.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    06 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Dez 2014

Histórico

  • Recebido
    15 Ago 2013
  • Aceito
    11 Jul 2014
Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Faculdade de Educação Avenida Paulo Gama, s/n, Faculdade de Educação - Prédio 12201 - Sala 914, 90046-900 Porto Alegre/RS – Brasil, Tel.: (55 51) 3308-3268, Fax: (55 51) 3308-3985 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: educreal@ufrgs.br