Perfil dos frequentadores de atividades culturais: o caso nas metrópoles brasileiras

Este artigo investiga os fatores associados à frequência de indivíduos em eventos culturais com desembolso direto, ou seja, pagamento de ingressos de sessões de cinema, peças de teatro, concertos musicais, shows e exposições artísticas. Por meio de um modelo Probit estima-se, para os anos de 2002-2003 e 2008-2009, a probabilidade de ocorrência desse gasto, considerando-se o perfil socioeconômico do consumidor, efeito do tempo livre (ausência de filhos menores no domicílio) e o efeito de um possível "vício positivo", como proposto por Stigler e Becker (1977) que, neste estudo, é tratado pelo uso de uma variável indicadora de gasto com educação artística e instrumentos musicais, sugerindo complementaridade entre consumo passado e presente. A fonte de dados é a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), organizada pelo IBGE. Os resultados mostram que renda e escolaridade são os principais fatores associados ao perfil do consumidor de cultura fora do domicílio, mas evidenciam, também, que gastos com educação artística contribuem positivamente para frequência a eventos culturais.

cultura; consumo; vício positivo; probit; Brasil


Departamento de Economia, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) Av. Prof. Luciano Gualberto, 908. FEA II - térreo- Cid. Universitária, CEP: 05508-010 São Paulo/SP, Tel.: (55 11) 3091-5802/3091-5947 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: estudoseconomicos@usp.br