Teoria horizontalista da moeda e do crédito: crítica da crítica

Luiz Fernando Rodrigues de Paula Sobre o autor

Resumos

Este artigo efetua, a partir de uma perspectiva pós-keynesiana, uma análise crítica do artigo "A teoria horizontalista da moeda e do crédito", de autoria de Saad-Filho e Lapavitsas. Para este propósito, o texto procura mostrar que embora estes autores avancem no entendimento de alguns aspectos importantes da dinâmica monetária e creditícia de economias capitalistas, algumas de suas críticas à teoria monetária pós-keynesiana revelam-se equivocadas no sentido de que estão baseadas num entendimento incompleto desta teoria. Ademais, a análise de Saad-Filho e Lapavitsas é por vezes ambígua, acabando por não definir um arcabouço teórico efetivamente alternativo à concepção neoclássica de moeda e crédito.

teoria pós-keynesiana; horizontalismo; oferta de moeda; crédito


This paper aims to develop a critical appraisal, from a Post Keynesian approach, of the paper "The horizontalist theory of money and credit", authored by Saad-Filho and Lapavitsas. For this purpose, the paper shows that although these authors highlight some important features of the monetary and credit dynamic of capitalist economies, some of their criticism on the Post Keynesian monetary theory are misleading as they are based on an incomplete understanding of this theory. Furthermore, Saad-Filho and Lapavitsas' analysis is sometimes ambiguous, so that they are not able to define effectively an alternative approach to the neoclassical theory on money and credit.

post Keynesian theory; horizontalism; money supply; credit


Teoria horizontalista da moeda e do crédito: crítica da crítica

Luiz Fernando Rodrigues de Paula

Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE/UERJ) e pesquisador do CNPq

RESUMO

Este artigo efetua, a partir de uma perspectiva pós-keynesiana, uma análise crítica do artigo "A teoria horizontalista da moeda e do crédito", de autoria de Saad-Filho e Lapavitsas. Para este propósito, o texto procura mostrar que embora estes autores avancem no entendimento de alguns aspectos importantes da dinâmica monetária e creditícia de economias capitalistas, algumas de suas críticas à teoria monetária pós-keynesiana revelam-se equivocadas no sentido de que estão baseadas num entendimento incompleto desta teoria. Ademais, a análise de Saad-Filho e Lapavitsas é por vezes ambígua, acabando por não definir um arcabouço teórico efetivamente alternativo à concepção neoclássica de moeda e crédito.

Palavras-chave: teoria pós-keynesiana, horizontalismo, oferta de moeda, crédito.

ABSTRACT

This paper aims to develop a critical appraisal, from a Post Keynesian approach, of the paper "The horizontalist theory of money and credit", authored by Saad-Filho and Lapavitsas. For this purpose, the paper shows that although these authors highlight some important features of the monetary and credit dynamic of capitalist economies, some of their criticism on the Post Keynesian monetary theory are misleading as they are based on an incomplete understanding of this theory. Furthermore, Saad-Filho and Lapavitsas' analysis is sometimes ambiguous, so that they are not able to define effectively an alternative approach to the neoclassical theory on money and credit.

Key words: post Keynesian theory, horizontalism, money supply, credit.

JEL Classification

B0, E4, E5

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

(Recebido em setembro de 2002. Aceito para publicação em janeiro de 2003).

Agradeço as sugestões feitas por Fernando Ferrari Filho e por um parecerista anônimo. Evidentemente, erros e omissões são de minha inteira responsabilidade. Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Grupo de Estudos da Moeda e Sistema Financeiro do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (website: www.ie.ufrj.br/moeda).

E-mail: lfpaula@alternex.com.br

  • ALVES, JR., A.; FERRARI-FILHO, F.; PAULA, L. F. R. The post Keynesian critique of conventional currency crisis models and Davidson's proposal to reform the international monetary system. Journal of Post Keynesian Economics, v. 22, n. 2, p. 209-227, Winter 1999-2000.
  • CARVALHO, F. C. A teoria monetária de Marx: uma interpretação pós-keynesiana. Revista de Economia Política, v. 6, n. 4, p. 5-21, out./dez. 1986.
  • _______. Mr Keynes and the post keynesians. Cheltenham: Edward Elgar, 1992.
  • _______. Sobre a endogenia da oferta de moeda: réplica ao Professor Nogueira da Costa. Revista de Economia Política, v. 13, n. 3, p. 114-121, jul./set. 1993.
  • CHICK, V. The evolution of the banking system and the theory of saving, investment and interest. In: On money, method and Keynes: selected essays. London: MacMillan, 1992.
  • COSTA, F. N. (Im)propriedades da moeda. Revista de Economia Política, v. 13 n. 2, p. 61-75, abr./jun. 1993.
  • _______. Sobre o "horizontalismo" da oferta da moeda: tréplica ao Professor Cardim de Carvalho. Revista de Economia Política, v. 14, n. 1, p. 142-146, 1994.
  • DAVIDSON, P. International money & the real world. 2nd Edition. London: Macmillan, 1992.
  • _______. Post Keynesian macroeconomics theory. Aldershot: Edward Elgar, 1994.
  • _______. Colocando as evidências em ordem: macroeconomia de Keynes versus velho e novo keynesianismo. In LIMA, G. T.; SICSÚ, J.; PAULA, L. F. (orgs.), Macroeconomia moderna: Keynes e a economia contemporânea. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
  • DYMSKI, G.; POLLIN, R. Hyman Minsky as hedgehog: the power of the Wall Street Paradigm. In FAZZARI, S.; PAPADIMITRIOU, D. (eds.), Financial conditions and macroeconomic performance. Armonk/London: M.E.Sharp, 1992.
  • DOW, S. Horizontalism: a critique. Cambridge Journal of Economics, v. 20, p. 497-508, 1996.
  • FERRARI FILHO, F.; CONCEIÇÃO, O. A noção de incerteza nos pós-keynesianos e institucionalistas: uma conciliação possível? Anais do XXIX Encontro Nacional de Economia, 17p. Salvador: ANPEC, 2001.
  • FIOCCA, D. A oferta de moeda na macroeconomia keynesiana. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
  • FRANKEL, J. No single currency regime is right for all countries or at all times. NBER Working Paper 7338. Washington: NBER, 1999.
  • FREITAS, C. P. Moeda endógena e passividade bancária: uma análise crítica da abordagem "horizontalista" e da teoria do circuito monetário. Revista de Economia Política, v. 19, n. 4, p. 114-133, 1999.
  • GERMER, C. "Economia monetária" ou "economia capitalista"? Marx e Keynes: sobre a natureza do capitalismo. Estudos Econômicos, v. 26, n. especial, p. 51-81, 1996.
  • GOODHART, C. Has Moore become too horizontal? Journal of Post Keynesian Economics, v. 12, n. 1, p. 29-34, Fall 1989.
  • KALDOR, N. The scourge of monetarism. 2a. ed. Oxford: Oxford University Press, 1985.
  • KAUFMAN, G. Bank failures, systemic risk, and bank regulation. Working Papers Series WP-96-1 Chicago: Federal Reserve Bank of Chicago, January 1996.
  • KEYNES, J. M. The general theory of employment, interest, and money New York: Harcourt Brace, 1964.
  • _______. The general theory and after, part I: preparation. Collected writings of John Maynard Keynes, vol. XIII. London: Macmillan, 1973a.
  • _______. The general theory of employment. In: The general theory and after: defence and development. Collected writings of John Maynard Keynes, vol. XIV. London: Macmillan, 1973b.
  • KLAGSBRUNN, V. H. A gênese do princípio da demanda efetiva. Estudos Econômicos, v. 26, n. especial, p. 135-163, 1996.
  • KREGEL, J. The past and future of banks. 1997. Mimeografado.
  • MEULENDYKE, A. Can the Federal Reserve influence whether the money supply is endogenous? A comment on Moore. Journal of Post Keynesian Economics v. 10, n. 3, p. 390-7, Spring 1988.
  • MINSKY, H. Can `IT' happen again? Essays on instability and finance. New York: M. E. Sharpe, 1982.
  • _______. Stabilizing an unstable economy New Haven: Yale University Press, 1986.
  • MOLLO, M. L. R. A endogeneidade pós-keynesiana da moeda: traços ortodoxos e heterodoxos. Estudos Econômicos, v. 27, n. 3, p. 395-416, set./dez. 1997.
  • _______. A importância analítica da moeda em Marx e Keynes. Análise Econômica, ano 16, n. 29, p. 5-20, março 1998.
  • MOORE, B. The endogenous money supply. Journal of Post Keynesian Economics, v. 10 n. 3, p. 372-389, Spring 1988a.
  • _______. Horizontalists and verticalists: the macroeconomics of credit money. Cambridge: Cambridge University Press, 1988b.
  • _______. A simple model of bank intermediation. Journal of Post Keynesian Economics, v. 11, n. 1, p. 10-28, Fall 1989a.
  • _______. On the endogeneity of money once more. Journal of Post Keynesian Economics, v. 11, n. 3, p. 479-487, Spring 1989b.
  • PAULA, L. F. R. Liquidez e zeragem automática: crítica da crítica. Estudos Econômicos, v. 26, n. 3, p. 411-439, set./dez. 1996.
  • _______. Liquidez e "zeragem automática": uma tréplica a Ramalho. Estudos Econômicos, v. 27, n. 3, p. 527-530, set./dez. 1997.
  • _______. Dinâmica da firma bancária: uma abordagem não-convencional. Revista Brasileira de Economia, v. 53, n. 3, p. 136-142, jul./set. 1999.
  • PAULA, L. F. R.; ALVES JR., A. J. Comportamento dos bancos, percepção de risco e margem de segurança no ciclo minskiano. Análise Econômica, v. 21, n. 39, p. 135-162, março 2003.
  • POLLIN, R. Two theories of money supply endogeneity: some empirical evidence. Journal of Post Keynesian Economics, v. 13, n. 3, p. 397-403, Spring 1991.
  • POSSAS, M. Racionalidade e regularidades: rumo a uma integração micro-macrodinâmica. Economia e Sociedade, n. 2, p. 59-80, agosto 1993.
  • RAMALHO, V. "Zeragem automática" no mercado aberto e controle monetário. Estudos Econômicos, v. 25, n. 1, p. 25-52, jan./abr. 1995.
  • _______. Liquidez e "zeragem automática": resposta. Estudos Econômicos, v. 27, n. 3, p. 519-525, set./dez. 1997a.
  • _______. Liquidez e "zeragem automática": nota final. Estudos Econômicos, v. 27, n. 3, p. 531-534, set./dez. 1997b.
  • SAAD-FILHO, A.; LAPAVITSAS, C. A teoria horizontalista da moeda e do crédito: uma análise crítica. Estudos Econômicos, v. 29, n. 1, p. 23-45, jan./mar. 1999.
  • SICSÚ, J. A negação da ineficácia da política monetária: uma alternativa de Keynes e dos pós-keynesianos. Análise Econômica, ano 15, n. 28, p. 80-107, 1997.
  • TOBIN, J. The commercial banks as creators of "money". In: Essays in economics, v. 1. Cambridge: MIT Press, 1987.
  • TORRES, M. J. R. Operacionalidade da política monetária no Brasil 1999. Tese (Doutorado). UNICAMP/IE, Campinas.
  • WRAY, L. Money and credit in capitalist economies: the endogenous money approach. Aldershot: Edward Elgar, 1990.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Out 2009
  • Data do Fascículo
    Jun 2003

Histórico

  • Recebido
    Set 2002
  • Aceito
    Jan 2003
Departamento de Economia, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) Av. Prof. Luciano Gualberto, 908. FEA II - térreo- Cid. Universitária, CEP: 05508-010 São Paulo/SP, Tel.: (55 11) 3091-5802/3091-5947 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: estudoseconomicos@usp.br