Fatores associados ao uso excessivo de medicação sintomática em pacientes com enxaqueca crônica

OBJETIVO: Avaliar a prevalência de transtornos psiquiátricos em pacientes com diagnóstico de enxaqueca crônica com e sem uso excessivo de medicação sintomática. MÉTODOS: Setenta e dois voluntários foram recrutados a partir de um Programa de Saúde da Família da comunidade de Paraisópolis, na cidade de São Paulo (SP). Esses pacientes foram submetidos a exames clínico e neurológico. As seguintes variáveis foram analisadas: idade, gênero, nível educacional, índice de massa corporal, tipo de uso excessivo de medicação, características da cefaleia, consumo de cafeína, presença de ansiedade e distúrbios de humor. RESULTADOS: Dos 72 pacientes, 50 (69%) tinham cefaleia crônica, com uso exagerado de medicação, e 22 (31%) tinham cefaleia crônica, sem uso excessivo de medicação. Os fatores idade, gênero, nível educacional, índice de massa corporal, tipo de uso excessivo de medicação, características da cefaleia e consumo de cafeína não mostraram diferença significante entre os grupos estudados. Os diagnósticos de ansiedade e de distúrbios de humor ao longo da vida foram mais comuns nos pacientes com uso excessivo de medicação (p=0,003 e p=0,045, respectivamente). CONCLUSÃO: Este estudo mostrou uma associação significativa entre cefaleia crônica e uso excessivo de medicação nos pacientes avaliados, quanto ao diagnóstico de transtornos de ansiedade e de humor ao longo da vida. Não foi encontrada nenhuma associação com outros distúrbios psiquiátricos pesquisados.

Transtornos de enxaqueca; Doença crônica; Transtornos mentais; Prevalência; Comorbidades


Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Avenida Albert Einstein, 627/701 , 05651-901 São Paulo - SP, Tel.: (55 11) 2151 0904 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@einstein.br