ALGUMAS QUESTÕES AMBIENTAIS PERMEANDO O ENSINO DE QUÍMICA: O QUE PENSAM OS ESTUDANTES

SOME ENVIRONMENTAL QUESTIONS ABOUT CHEMISTRY EDUCATION: WHAT THE STUDENTS THINK

Viviane de Paula Gouveia Sheila Rodrigues Oliveira Ana Luiza de Quadros Sobre os autores

Resumos

Com o objetivo de investigar a percepção de estudantes do final do Ensino Médio sobre poluição e alguns impactos ambientais a ela relacionados, desenvolvemos a presente pesquisa. Os pesquisados pertencem a quatro escolas da região metropolitana de Belo Horizonte. Percebemos que, mesmo terminando o Ensino Médio, os estudantes têm dificuldade em explicar os impactos ambientais mais tratados pela mídia. Entendemos, pela análise dos dados coletados, que a cultura do dia-a-dia prevalece nos estudantes em comparação com a cultura mais científica, desenvolvida nas escolas.

Impactos ambientais; ensino de química; aprendizagem


The major goal of our research is the investigation of the perception of high school students in four schools in Belo Horizonte about environmental impacts. It was observed that even after high school conclusion, it is hard to explain the environmental impacts showed by usual national media. After data analysis, it was noticed that non-scientific point of view predominates in the students.

Environmental impact; chemistry education; learning


Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

  • BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, Matemática e suas Tecnologias. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf>. Acesso em 28 ago. 2008.
    » http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencian.pdf
  • CIRINO, M. M. e SOUZA, A. R. O Discurso do alunos de Ensino Médio a respeito da "Camada de Ozônio". Revista Ciência & Educação. v. 14, n°. 1, 2008, p.115 - 134.
  • DRIVER, R. et al. Construindo conhecimento científico na sala de aula. Revista Química Nova na Escola. p. 31 - 40. Maio, 1999.
  • LOBATO, A. C. (2007) A abordagem do Efeito Estufa nos livros de ciência: uma análise crítica. Monografia de Especialização. Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.
  • GOUVEIA, Viviane de Paula.(2006) Estudo das concepções dos alunos de 3a série do Ensino Médio sobre a solubilidade de compostos orgânicos. Monografia de Graduação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.
  • MILLAR, R. Um Currículo de Ciência voltado para a compreensão de todos. Revista ENSAIO, v. 5, n° 2, p. 139-154, out. 2003
  • MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n° 1, 1996.
  • MORTIMER, E. F. e BRAGA, S. A. M. Os gêneros de discurso do texto de Biologia dos livros didáticos de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Ensino de Ciências. v. 3, n° 3, p. 56 - 74, 2003.
  • OLIVEIRA, Sheila Rodrigues. (2006) A Química Orgânica no ensino Médio: análise da apropriação de conhecimentos pelos alunos. Monografia de Graduação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.
  • QUADROS, A. L. e LIMA, M. E. C. (2006) A área de Ciências na concepção de professores de Ensino Médio e alunos do ENCI - Ensino por Investigação, modalidade a distância. In: XIII Encontro Nacional de Ensino de Química. 2006, Campinas- SP.
  • SCHNETZLER, R. P. Importância, Sentido e Contribuições de Pesquisas para o Ensino de Química. Química Nova na Escola, v.1, n° 1, maio 1995, p. 27 - 31.
  • SHREVE, R. Norris e BRINK JR, Joseph A. Indústrias de processos químicos. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.
  • SILVA, C. N. (2006) A Discussão do Efeito Estufa nos Livros de Química do Ensino Médio e Superior. Monografia (graduação) - Departamento de Química, Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.
  • TOMAZELLO, M. G. C. e FERREIRA, T. R. C. Educação ambiental: que critérios adotar para avaliar a adequação pedagógica de seus projetos? Ciência & Educação, Bauru, v. 7, n°. 2, 2001, p. 199 - 207.
  • VIGOTSKI, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

  • 1
    No Brasil, segundo a Anvisa (2000) todo o álcool comercializado deve conter um agente desnaturante exceto para o álcool utilizado na fabricação de bebidas alcoólicas. Porém, o álcool combustível é regulamentado pela Agência Nacional do Petróleo, gás natural e biocombustíveis - ANP - que estabelece, em resolução própria (ANP, 2005) as especificações do Álcool Etílico Anidro Combustível (AEAC) e do Álcool Etílico Hidratado Combustível (AEHC) comercializados pelos diversos agentes econômicos em todo o território nacional.
  • 2
    HESS, Sônia. Tentativas de Homicídio. In: Jornal Correio do Estado/MS em 04/03/2008, p. 2ª.
  • *
    Viviane de Paula Gouveia - Professora de Química - Escola Politécnica de Minas Gerais - POLIMIG
  • **
    Sheila Rodrigues Oliveira - Estudante de pós-graduação - Departamento de Química - ICEx - UFMG
  • ***
    Ana Luiza de Quadros - Professora de Ensino de Química - Departamento de Química - ICEx - UFMG

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jun 2009

Histórico

  • Recebido
    17 Maio 2008
  • Aceito
    05 Ago 2008
Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antonio Carlos, 6627, CEP 31270-901 Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Tel.: (55 31) 3409-5338, Fax: (55 31) 3409-5337 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: ensaio@fae.ufmg.br