FORMULAÇÃO DE QUESTÕES A PARTIR DA LEITURA DE UM TEXTO: DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DE LICENCIATURA EM QUÍMICA DA MODALIDADE A DISTÂNCIA

QUESTIONING FROM READING OF A TEXT: A STUDY WITH STUDENTS OF THE DISTANCE EDUCATION COURSE OF CHEMISTRY

Ana Luiza de Quadros Dayse Carvalho da Silva Fernando César Silva Sobre os autores

Resumos

A leitura de textos científicos e o entendimento decorrente desta leitura têm sido objeto de investigação. Neste trabalho buscamos verificar o entendimento do texto por meio da elaboração de questões, considerando que as questões elaboradas são um espelho do entendimento do lido. A pesquisa foi realizada com estudantes de Licenciatura em Química, na modalidade a distância, da Universidade Federal de Minas Gerais. Os estudantes apresentaram facilidade em elaborar questões cujas respostas podem ser copiadas do texto. Percebemos que esses estudantes possuem visão restrita da leitura de um texto, entendendo-a mais como interpretação da voz do autor do que como momento de confrontar as próprias ideias com a visão do autor e dos colegas. Assim, consideramos importante verificar o entendimento de um texto e, para isso, a elaboração de questões se mostrou uma boa ferramenta. Porém, a formulação de diferentes tipos de questões deve ser amplamente discutida durante os cursos de formação de professores.

Leitura; Formulação de Questões; Avaliação Escolar


The reading of scientific texts and the understanding resulting from this reading have been the object of investigation. In this work, we aimed to verify reading comprehension through the elaboration of questions by the students, considering that the questions formulated mirror the understanding of what was read. The research was carried out with students on the distance learning teacher training program of the Universidade Federal of Minas Gerais. The easiest questions for the students to elaborate were those whose responses could be copied from the text. The students demonstrated to have a restricted vision of reading, seeing it more as an interpretation of the author's voice than as a moment of confrontation of their own ideas with the vision of the author and that of fellow students. We consider, therefore, that it is important to verify reading comprehension, and to that end, the elaboration of questions has proven to be a useful tool. However, the formulation of different types of questions should be thoroughly discussed in teacher training courses.

Lecture; Questioning; School Evaluation


Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

  • ABREU, L. N. Textos de Divulgação Científica no Ensino Superior de Química: funcionamento e produção de sentidos. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Instituto de Química de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2009.
  • BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 6 ed. São Paulo: Hucitec, 1992.
  • BAKHTIN, M. Estética da criação verbal: os gêneros do discurso. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
  • CHARMEUX, E. Aprender a ler: vencendo o fracasso. São Paulo: Cortez, 1994.
  • DANTAS, C. C. Grounded theory - conceptual and operational aspects: a method possible to be applied in nursing research. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 17, n. 4, p. 573-579, jul./ago. 2009.
  • DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 7 ed. Campinas: Autores Associados, 2005.
  • GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. Cascável: Assoeste, 1984.
  • HIEBERT, J.; WEARNE, D. Instructional tasks, classroom discourse, and students' learning in second-grade arithmetic. American Educational Research Journal, Washington, v. 30, n. 2, p. 393-425, 1993.
  • HOFFMANN, J. M. L. Avaliação: Mito & Desafio - uma perspectiva construtivista. 24 ed. Porto Alegre: Mediação, 1998a.
  • HOFFMANN, J. M. L. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à Universidade. 15 ed. Porto Alegre: Mediação, 1998b.
  • INAF. INAF - Indicador Nacional de Analbetismo Funcional, 2005. Disponível em: <http://www.açãoeducativa.org.br/downloads/inaf05.pdf >. Acesso em 26 mai. 2010.
    » http://www.açãoeducativa.org.br/downloads/inaf05.pdf
  • KENSKI, R. Que mistura!. Ciência Hoje. Rio de Janeiro, p. 78-82, out. 1982.
  • KLINZING, G.; KLINZING-EURICH, G.; TISHER, R. P. Higher cognitive behaviours in classroom discourse: Congruencies between teachers' questions and pupils' responses. The Australian Journal of Education, Camberwell, v. 29, n. 1, p. 63-75, abr. 1985.
  • LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. 17 ed. São Paulo: Cortez, 2005a.
  • LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. 2 ed. Salvador: Editora Malabares Comunicação e Eventos, 2005b.
  • ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leituras e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.
  • QUADROS, A. L.; MIRANDA, L. C. A Leitura dos Estudantes do Curso de Licenciatura em Química. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 31, n. 4, p. 235-240, nov. 2009.
  • MERCOSUL. MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal. Disponível em: <http://www.agais.com/normas/leite/queijo_minas_frescal.htm>Acesso em:26 mai. 2010.s/d
    » http://www.agais.com/normas/leite/queijo_minas_frescal.htm
  • SANT'ANNA, I. M. Por que avaliar? Como Avaliar? Critérios e instrumentos. 12 ed. Petrópolis: Vozes, 2006.
  • SILVA, H. C.; ALMEIDA, M. J. P. M. O deslocamento de aspectos do funcionamento do discurso pedagógico pela leitura de textos de divulgação científica em aulas de Física. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 4, n. 3, p. 1-25. 2005. Disponível em: <http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen4/ART8_Vol4_N3.pdf>. acesso em: 22 set. 2010.
    » http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen4/ART8_Vol4_N3.pdf
  • TERRAZAN, E. A.; GABANA, M. Um estudo sobre o uso de atividade didática com texto de divulgação científica em aulas de Física. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 4, 2003, Baurú. Atas... Baurú: Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 2003. 1CD-ROM.

  • 1
    Usamos a nomenclatura Roquefort para nos referirmos ao tipo de queijo de origem francesa, de sabor forte, feito de leite de ovelha, no qual se desenvolvem bolores, com o auxílio de fungos Penicillium roqueforte.
  • *
    Ana Luiza de Quadros, Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora de Ensino de Química no Departamento de Química da UFMG. E-mail: aquadros@qui.ufmg.br
  • **
    Dayse Carvalho da Silva, Doutoranda em Química pelo Programa de PósGraduação (PPG) em Química da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora de Química no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET/MG). E-mail: daysecsm@yahoo.com.br
  • ***
    Fernando César Silva, Doutorando em Química orgânica pelo Programa de Pós-Graduação PPG) em Química da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor de Química Orgânica na Faculdade de Farmácia da Universidade de Itaúna/MG. E-mail: fcsquimico@yahoo.com.br

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Abr 2011

Histórico

  • Recebido
    05 Jul 2010
  • Aceito
    11 Ago 2010
Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antonio Carlos, 6627, CEP 31270-901 Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Tel.: (55 31) 3409-5338, Fax: (55 31) 3409-5337 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: ensaio@fae.ufmg.br