A epistemologia genética em pesquisas sobre o fracasso escolar realizadas na década de 80

Solange Franci R. Yaegashi Sobre o autor

Resumo

O principal objetivo deste artigo é analisar as pesquisas piagetianas sobre o fracasso escolar, realizadas na década de 80. As análises de tais estudos sugerem que, embora haja uma fidelidade ao pensamento de Piaget, os pesquisadores enfatizam aspectos distintos ao tentarem explicar o fracasso escolar das crianças marginalizadas.

aprendizagem; conhecimento; epistemologia genética; fracasso escolar


ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

A epistemologia genética em pesquisas sobre o fracasso escolar realizadas na década de 80

Solange Franci R. Yaegashi

Professora do Departamento de Teoria e Prática da Educação, Universidade Estadual de Maringá

RESUMO

O principal objetivo deste artigo é analisar as pesquisas piagetianas sobre o fracasso escolar, realizadas na década de 80. As análises de tais estudos sugerem que, embora haja uma fidelidade ao pensamento de Piaget, os pesquisadores enfatizam aspectos distintos ao tentarem explicar o fracasso escolar das crianças marginalizadas.

Palavras-chave: aprendizagem; conhecimento; epistemologia genética; fracasso escolar.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

1 De acordo com Chauí (1981), passou-se à afirmação da existência não tanto de raças inferiores ou indivíduos constitucionalmente inferiores, mas de culturas inferiores ou diferentes.

2 Em algumas pesquisas tais mecanismos foram denominados de fatores intra-escolares.

3 Por conhecimento fugurativo a autora entende a forma de cognição que aparece como uma cópia do real.

4 Isto pode ser observado quando surge no adolescente a vontade de mudar, de transformar o mundo, de experimentar outras possibilidades.

5 Foram aplicadas as seguintes provas: conservação de quantidade (massa e líquido), inclusão de classe (animais e frutas), seriação de bastonetes, correspondência termo-a-termo e classificação de objetos. O estudo da construção do real foi realizado através de oito provas: passar objetos através de uma grade, construir uma bola de futebol, pular de diferentes alturas, fazer fogueira, reconhecer o efeito do vento em função do peso dos objetos, guardar objetos dentro de uma caixa, flutuar objetos dentro de uma bacia e construir uma ponte.

6 Participaram da amostra 39 crianças entre 7 e 8 anos, 25 entre 9 e 10 anos e 21 entre 11 e 12 anos.

7 Maria Aparecida Moysés e Gerson Z. de Lima (1982), médicos-pediatras do Instituto da Criança da USP, chegaram a estas mesmas conclusões após uma longa experiência de exame neurológico evolutivo de crianças de nível sócio-econômico desfavorecido pertencentes a escolas públicas de periferia.

8 Cerca de 98% dos problemas formulados nesta situação foram adequadamente resolvidos.

9 Como exemplos destes métodos podem-se citar os seguintes: armar a conta no papel, vai um, abaixar o zero, multiplicar começando pela unidade, etc.

10 Foram aplicadas as seguintes tarefas piagetianas: conservação, seriação, inclusão de classes, correspondência, inversão e representação simbólica de quantidades. As tarefas de matemática, baseadas nos conteúdos previstos nos guias curriculares de Pernambuco, foram: escrita e leitura de números, resolução de adições e subtrações e resolução de problemas simples que requerem adição e subtração.

11 Foram aplicadas provas nas quais forma utilizadas substâncias contínuas e descontínuas.

12 Foi utilizada uma única tarefa de ordenação de bastões, em três momentos experimentais: a) ordenação da metade dos bastões; b) intercalação da outra metade dos bastões, tomados numa ordem casual e c) introdução de um anteparo e construção da ordenação de todos os bastões pela criança.

13 Foram utilizadas 8 provas: agrupamento exaustivo, quantificação intensiva, classificação múltipla, negação, união de classes, agrupamento horizontal, subdivisão de classes e quantificação da inclusão e da intersecção. O material utilizado foi: 4 tipos diferentes de doces, de cores distintas e de 2 tamanhos diversos.

14 Nesta tarefa foram utilizados 2 tipos de frutas da região.

15 De acordo com Piaget, o realismo nominal lógico caracteriza-se pela confusão que a criança faz entre palavra falada e o objeto ou significado que ela representa.

16 A crítica que comumente é feita a esta teoria, refere-se ao fato de que a mesma postula a equivalência funcional das estruturas cognitivas das crianças pertencentes a diferentes classes sociais, encobrindo assim, os efeitos deletérios que as condições materiais de vida, resultantes da exploração e da dominação, podem ter sobre o desenvolvimento humano.

  • ALENCAR, E. S. (org.). Novas contribuições da Psicologia aos processos de ensino e aprendizagem São Paulo: Cortez, 1992.
  • BOVET, M. C. Cognitive processes among illiterate children and adults. In: BERRY, J. W. e DASEN, P.R. Culture and cognition: readings in cross-cultural psychology London, Methuen & Co Ltda, 1974, cap. 1.
  • BRUNER, J. S. Uma nova teoria de aprendizagem Rio de Janeiro: Bloch Editores, 1973.
  • CAMARGO, D. A. F. Um estudo piagetiano com crianças ludovicences. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.57, p.71-7, maio, 1986.
  • CARRAHER, T. N.; REGO, L. B. O realismo nominal como obstáculo na aprendizagem da leitura. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.39, p.3-10, novembro, 1981.
  • ______; CARRAHER, D. W.; SCHLIEMANN, A. D. Na vida, dez: na escola, zero. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.42, p. 79-86, agosto, 1982.
  • ______ (org.). Aprender pensando Recife: Secretaria de Estado da Educação e UFPE, 1983 a.
  • ______. Fracasso escolar: uma questão social. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.45, p. 3-19, maio, 1983 b.
  • ______ e REGO, L. B. Desenvolvimento cognitivo e alfabetização. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v.65, n. 149, p.38-65, 1984.
  • ______; CARRAHER, D. W.; SCHLIEMANN, A. D. Cultura, escola, ideologia e cognição: continuando um debate. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.57, p.78-85, maio, 1986.
  • CHAUÍ, M. S. O que é ideologia? São Paulo: Brasiliense, 1981.
  • CHAIRROTINO, Z. R. Piaget: modelo e estrutura Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.
  • ______. Em busca do sentido da obra de Jean Piaget: pequena contribuição para a história das idéias e para a ação do psicólogo num país de contrastes São Paulo: Instituto de Psicologia da USP, 1982 (Tese de Livre-Docência).
  • ______. Em busca do sentido da obra de Jean Piaget São Paulo: Ática, 1984.
  • ______. Psicologia e Epistemologia Genética de Jean Piaget São Paulo: E.P.U., 1986.
  • COLE, M,; GRIFFIN, P. Cultural amplifiers reconsidered. In: OLSON, D. R. (org.). The social fondations of langage and thought New York: Norton, 1980.
  • FREITAG, B. Sociedade e conhecimento: um estudo piagetiano na favela e na escola São Paulo: Cortez, 1984.
  • ______. Piagetianos brasileiros em desacordo? Contribuição para um debate. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.53, p.33-44, maio, 1985.
  • LEITE, I. C. N. Desenvolvimento cognitivo e escolaridade: um estudo realizado com crianças de meio sócio-econômico desfavorecido. Cadernos de Pesquisa, São Paulo v.58, p. 69-76, agosto, 1986.
  • LURIA, A. R. Desenvolvimento cognitivo: seus fundamentos culturais e sociais São Paulo: Ícone, 1986.
  • MONTOYA, A. O. D. De que modo o meio social influi no desenvolvimento cognitivo da criança marginalizada? Busca de uma explicação através da concepção epistemológica e Jean Piaget São Paulo, 1983. (Dissertação de Mestrado) - Instituto de Psicologia da USP.
  • MORO, M. L. F. Iniciação em matemática e construções operatório-concretas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.45, p.20-24, maio, 1983.
  • ______. Interação social e aprendizagem operatória e iniciação matemática a partir da teoria de Piaget São Paulo, 1984 (Tese de Doutorado) PUC.
  • ______. A construção da inteligência e a aprendizagem escolar de crianças de famílias de baixa renda. Cadernos de Pesquisa, São Paulo v.56, p.66-72, fev., 1986.
  • MOYSÉS, M. A.; LIMA, G. Z. Desnutrição e fracasso escolar: uma relação tão simples? Revista Ande, v.1, n.5, p.57-61, 1982.
  • PATTO, M. H. S. A criança marginalizada para os piagetianos brasileiros, deficiente ou não? Cadernos de Pesquisa, São Paulo v.51, p.3-11, nov., 1984.
  • ______. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia São Paulo: T.A. Queiroz, 1990.
  • PIAGET, J. The child's conception of number New York: Humanities, 1952.
  • ______. Linguagem e pensamento na criança Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1959.
  • ______. Psciologia e Pedagogia Rio de Janeiro: Forense, 1970 a.
  • ______. Piaget's theory. In: MUSSEN, P. H. (org.). Charmichael's manual of child psychology New York: John Wiley, 1970 b.
  • ______ e GARCIA, R. Les explications causales Paris: Press Universitaires de France, 1971.
  • ______. Intellectual evolution from adolescence to adulthood Human Development, v.15, p.1-12, 1972.
  • ______. Biologia e conhecimento Petrópolis: Vozes, 1973.
  • ______; GRÉCO, P. Aprendizagem e conhecimento São Paulo: Freitas Bastos, 1974.
  • ______. Estudos sociológicos Rio de Janeiro: Forense, 1973.
  • ______. A construção do real na criança Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
  • ______. A tomada de consciência São Paulo: Melhoramentos/EDUSP, 1977.
  • ______. Fazer e compreender São Paulo: Melhoramentos/EDUSP, 1978 a.
  • ______. O nascimento da inteligência na criança Rio de Janeiro: Zahar, 1978b.
  • ______. Psicologia e Epistemologia Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978c.
  • ______. O possível e o necessário: evolução dos possíveis na criança. v.1. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
  • VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente São Paulo: Martins Fontes, 1985.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    06 Mar 2015
  • Data do Fascículo
    Dez 1994
Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná Educar em Revista, Setor de Educação - Campus Rebouças - UFPR, Rua Rockefeller, nº 57, 2.º andar - Sala 202 , Rebouças - Curitiba - Paraná - Brasil, CEP 80230-130 - Curitiba - PR - Brazil
E-mail: educar.ufpr2016@gmail.com educar@ufpr.br