Imagens na pesquisa com professores: o oral e a fotografia

Images in the research into teachers: verbal and the photograph

Resumos

A proposta deste texto é pensar o oral e a fotografia como ferramentas, mas também como dispositivos que dão voz e imagens as leituras de realidades e, mais especificamente, à investigação no território das ciências sociais. Nosso lugar de fala é o das ciências sociais, onde nosso envolvimento mais específico no campo da pesquisa é o da educação. Temos trabalhado com um projeto interinstitucional e transdisciplinar, porque sendo de lugares diferentes e desconhecidos, também, e principalmente, aprendemos muito destes e com estes. A experiência de investigação em rede é, uma das grandes aprendizagens que temos feito, na perspectiva de melhor compreensão do que estamos chamando de imaginários docentes. Nossa abordagem de investigação/formação com professores privilegia o trabalho da memória, capaz de reconstruir imagens e processos de subjetivação, ressignificando as trajetórias de vida pessoal e profissional.

Imagens; história oral; fotografia; memórias; professores


The proposal of this text is to think oral and the photograph as instruments, but also as devices that give voice and images for the readings of realities and, more specifically to the inquiry in the territory of social sciences. Our place of speaks is of social sciences where, our more specific envolvement in the field of the research is of the education. We have worked with a interinstitucional project and to transdisciplinar, because being of different and unknown places, also and, mainly, we learn very of these and with these. The experience of inquiry in net is, one of the great learnings that we have fact, in the perspective of better understanding that we are calling imaginary professors. Our boarding of inquiry/formation with professors privileges the work of the memory, capable to reconstruct images and subjetivities of subjetivação, resignifying the trajectories of personal and professional life.

Imagines; oral history; fotographycs; memories; professors


ARTIGOS DE DEMANDA CONTÍNUA

Imagens na pesquisa com professores: o oral e a fotografia

Images in the research into teachers: verbal and the photograph

Valeska Maria Fortes de OliveiraI; Vânia Fortes de OliveiraII; Laura Elise de Oliveira FabrícioIII

IDoutora em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora Titular do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Imaginário Social (Gepeis). Coordenadora da Pesquisa Laboratório de Imagens: significações da docência na formação de professores, com apoio do CNPq (Plano Sul de Pesquisa) e da FAPERGS. guiza@terra.com.br

IIPsicóloga da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí). Especialista em Psicologia Social e Bolsista de Apoio Técnico do CNPq

IIIJornalista. Bolsista de Apoio Técnico do CNPq

RESUMO

A proposta deste texto é pensar o oral e a fotografia como ferramentas, mas também como dispositivos que dão voz e imagens as leituras de realidades e, mais especificamente, à investigação no território das ciências sociais. Nosso lugar de fala é o das ciências sociais, onde nosso envolvimento mais específico no campo da pesquisa é o da educação. Temos trabalhado com um projeto interinstitucional e transdisciplinar, porque sendo de lugares diferentes e desconhecidos, também, e principalmente, aprendemos muito destes e com estes. A experiência de investigação em rede é, uma das grandes aprendizagens que temos feito, na perspectiva de melhor compreensão do que estamos chamando de imaginários docentes. Nossa abordagem de investigação/formação com professores privilegia o trabalho da memória, capaz de reconstruir imagens e processos de subjetivação, ressignificando as trajetórias de vida pessoal e profissional.

Palavras-chave: Imagens, história oral, fotografia, memórias, professores.

ABSTRACT

The proposal of this text is to think oral and the photograph as instruments, but also as devices that give voice and images for the readings of realities and, more specifically to the inquiry in the territory of social sciences. Our place of speaks is of social sciences where, our more specific envolvement in the field of the research is of the education. We have worked with a interinstitucional project and to transdisciplinar, because being of different and unknown places, also and, mainly, we learn very of these and with these. The experience of inquiry in net is, one of the great learnings that we have fact, in the perspective of better understanding that we are calling imaginary professors. Our boarding of inquiry/formation with professors privileges the work of the memory, capable to reconstruct images and subjetivities of subjetivação, resignifying the trajectories of personal and professional life.

Key-words: Imagines, oral history, fotographycs, memories, professors.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Texto recebido em 25 maio 2003

Texto aprovado em 05 set. 2003

1 Conforme a proposição feita por GAUTHIER, J., FLEURI, R. M.; GRANDO, B. S. Uma pesquisa sociopoética: o índio, o negro e o branco no imaginário de pesquisadores da área de Educação. Florianópolis: UFSC/NUP/CED, 2001.

2 Na rede constituída pela pesquisa Laboratório de imagens: significações da docência na formação de professores, temos um subprojeto coordenado pela professora Andréa Becker Narvaes, da Unijuí. Para maiores informações acerca das imagens mais comuns sobre a docência e a figura do professor, ver: NARVAES, A. B. Imagens docentes. In: RAYS, O. A. Educação: ensaios reflexivos. Santa Maria: Pallotti, 2002.

3 O texto que estamos nos referindo é "Professores Falantes de Si na Sala da Aula, na Escola e na Constituição da Pedagogia", publicado no livro "Imagens de Professor: significações do trabalho docente", organizado por OLIVEIRA, Valeska Fortes de. Publicado pela Editora da Unijuí.

  • BACHELARD, G. A filosofia do não: filosofia no novo espírito científico. Lisboa: Presença, 1987.
  • BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1994.
  • CAMARGO, A. Os usos da história oral e da história de vida. Dados. Revista de Ciências Sociais, v. 27, n. 1, 1984.
  • DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é filosofia? Tradução de: Bento Prado Júnior e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.
  • DEMARTINI, Z. de B. F. Histórias de vida na abordagem de problemas educacionais. In: SIMSON, O. M. von (Org.). Experimentos com histórias de vida (Itália - Brasil) São Paulo: Vértice/Revista dos Tribunais, 1988.
  • ______. Resgatando imagens, colocando novas dúvidas: reflexões sobre o uso de fotos na pesquisa em História da Educação. Cadernos CERU, São Paulo, série 2, n. 8, 1997.
  • FERREIRA, L. M. A.; ORRICO, E. G. D. Linguagem, identidade e memória social: novas fronteiras, novas articulações. Rio de Janeiro: DP& A, 2002.
  • FERREIRA, M. de M.; FERNANDES, T. M.; ALBERTI, V. (Orgs.). História oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Fiocruz/Casa de Oswaldo Cruz/CPDOC - Fundação Getúlio Vargas, 2000.
  • GAUTHIER, J.; FLEURI, R. M.; GRANDO, B. S. (Orgs.). Uma pesquisa sociopoética: o índio, o negro e o branco no imaginário dos pesquisadores da área de Educação. Florianópolis: UFSC/NUP/CED, 2001.
  • GIDDENS, A. Modernidade e identidade Rio de Janeiro: Zahar, 2002.
  • GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Cartografias dos desejo Petrópolis: Vozes, 1996.
  • HORN, C. C. et al. Passo a passo: caminhos percorridos pela pesquisa. In: OLIVEIRA, V. F. de. Imagens de professor: significações do trabalho docente. Ijuí: Unijuí, 2000.
  • ______. Imaginário e memória docente: um quebra-cabeças montado em rede. In: RAYS, O. A. (Org.). Educação: ensaios reflexivos. Santa Maria: Pallotti, 2002.
  • ______. Imagens orais, escritas e fotográficas: registros reconstruídos por professores. História da Educação, Pelotas, v. 6, n. 12, set. 2002.
  • KRAMER, S. Alfabetização, leitura e escrita: formação de professores em curso. São Paulo: Ática, 2001.
  • KUREK, D.; OLIVEIRA, V. F. de. O "cuidado de si" na produção da subjetividade docente. In: VASCONCELOS, J. G.; MAGALHÃES JÚNIOR, A. G. Um dispostivo chamado Foucault Fortaleza: LCR, 2002.
  • LUCENA, C. T. Artes de lembrar e de inventar: (re)lembranças de migrantes. São Paulo: Arte & Ciência, 1999.
  • MARQUES, M. O. Professores falantes de si na sala de aula, na escola e na constituição da Pedagogia. In: OLIVEIRA, V. F. de. Imagens de professor: significações do trabalho docente. Ijuí: Unijuí, 2000.
  • MARRE, J. L. História de vida e método biográfico. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 1, n. 1, abr. 1991.
  • RAPCHAN, A. Questões teóricas e metodológicas na história oral. In: MONTENEGRO, A. T.; FERNANDES, T. M. (Orgs.). História oral: um espaço plural. Recife: Universitária, UFPE, 2001.
  • NARVAES, A. B. Imagens docentes. RAYS, O. A. (Org.). Educação: ensaios reflexivos. Santa Maria: Pallotti, 2002.
  • OLIVEIRA, V. F. de O. Imaginário e memória docente: um quebra-cabeças montado em rede. In: RAYS, O. A. (Org.). Educação: ensaios reflexivos. Santa Maria: Pallotti, 2002.
  • ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 2. ed. Campinas: Unicamp, 1993.
  • PEREIRA, M. V. Subjetividade e memória: algumas considerações sobre formação e autoformação. In: OLIVEIRA, V. F. de (Org.). Imagens de professor: significações do trabalho docente. Ijuí: Unijuí, 2000.
  • PEREIRA, L. M. L. Algumas reflexões sobre histórias de vida, biografias e autobiografias. História Oral, n. 3, 2000.
  • PERES, L. M. V.; OLIVEIRA, V. F. de. Imagens e imaginários: a dimensão simbólica do vivido e do pensado na formação de professoras. Cadernos de Educação, Pelotas, ano 11, n. 18, jan./jun. 2002.
  • POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, São Paulo, n. 3, 1989.
  • PORTELLI, A. A Filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo 2, Revista do Departamento de História, Rio de Janeiro, dez. 1996.
  • QUEIROZ, M. I. Relatos orais: do indizível ao dizível. Ciência e Cultura, v. 39, n. 3, mar. 1987.
  • ROLNIK, S. Toxicômanos de identidade: subjetividade em tempos de globalização. In: LINS, D. (Org.). Cultura e subjetividade: saberes nômades. Campinas: Papirus, 1997.
  • SIMSON, O. von. A arte de recriar o passado: a metodologia da História Oral e suas possibilidades para contribuir na promoção do envelhecimento bem-sucedido. Mimeog.
  • SWAIN, T. N. Identidade nômade: herotopias de mim. In: RAGO, M.; ORLANDI, E.; VEIGA-NETO, A. (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzchianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
  • THOMPSON, P. A voz do passado - História Oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    04 Mar 2015
  • Data do Fascículo
    2003

Histórico

  • Aceito
    05 Set 2009
  • Recebido
    25 Maio 2003
Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná Educar em Revista, Setor de Educação - Campus Rebouças - UFPR, Rua Rockefeller, nº 57, 2.º andar - Sala 202 , Rebouças - Curitiba - Paraná - Brasil, CEP 80230-130 - Curitiba - PR - Brazil
E-mail: educar.ufpr2016@gmail.com educar@ufpr.br