Algumas reflexões sobre a qualificação do trabalho a partir da sociologia francesa do pós-guerra

Reflections on work qualification from the post-war french sociology

Este artigo procura refletir sobre a pertinência histórica e analítica do conceito de "qualificação do trabalho", em um contexto social que tem demandado a sua substituição pela noção de "competência". Para isso, busca compreendê-lo do ponto de vista teórico, tendo por base o pensamento de Georges Friedmann e Pierre Naville (especialmente o deste último), os pais da sociologia do trabalho na França, no pós-guerra. É nesse país e nesse período que a qualificação começa a adquirir centralidade: ela se torna não apenas um aspecto da prática política e social como, também - e talvez por isso mesmo -, o objeto por excelência da disciplina nascente. Isso significa que a qualificação tem uma história social e interpretativa, e é só por meio dela que se pode decretar ou não o fim de sua vigência analítica. O texto argumenta que as contribuições de Naville, como precursor da chamada visão "relativista" da qualificação - aquela que a concebe como socialmente construída -, são fundamentais para se pensar o debate "qualificação" versus "competência".

Qualificação; Competência; França; Georges Friedmann; Pierre Naville


Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Av. Berttrand Russel, 801 - Fac. de Educação - Anexo II - 1 andar - sala 2, CEP: 13083-865, +55 12 99162 5609, Fone / Fax: + 55 19 3521-6710 / 6708 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: revistas.cedes@linceu.com.br