A FUNDAMENTAÇÃO ESTATÍSTICA, O GOVERNO DA EDUCAÇÃO E A INCLUSÃO E EXCLUSÃO SOCIAIS

Le raisonnement statistique, le gouvernement de l'éducation, et l'inclusion et l'exclusion sociale

Thomas Popkewitz Sverker Lindblad Sobre os autores

Resumo:

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), pode ser entendido historicamente como uma forma particular de dizer a verdade sobre as pessoas e a mudança. Primordial nesse estilo de raciocínio da investigação contemporânea e das reformas escolares é a estatística. Historicamente, as estatísticas modernas envolvem o paradoxo da administração das populações pelo Estado em nome da independência e da liberdade. Os cálculos internacionais contemporâneos e o ranking do desempenho dos alunos incorporam esse paradoxo da administração das populações. Os seus números fabricam os princípios sobre quem é - e como deverá ser - a criança. A fabricação que torna a criança certo tipo de pessoa é produzida por intermédio das distinções, categorias e magnitudes incorporadas nas estatísticas. Além disso, a comparabilidade nos inventários ou perfis dos tipos de pessoa produz, no impulso para a inclusão, diferenças e exclusões. A análise realizada neste artigo é direcionada para os estudos da ciência e para as políticas do conhecimento.

Palavras-chave:
Estatística; Sistema de razão; Governo da educação; Inclusão/exclusão; Fabricação de tipos humanos

Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Av. Berttrand Russel, 801 - Fac. de Educação - Anexo II - 1 andar - sala 2, CEP: 13083-865, +55 12 99162 5609, Fone / Fax: + 55 19 3521-6710 / 6708 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: revistas.cedes@linceu.com.br