EDITORIAL

Nos últimos anos, os números especiais de Educação & Sociedade, assim como alguns dossiês, vêm tratando dos nexos entre as transformações ocorridas em nível mundial em termos políticos, econômicos, sociais e as novas tendências visualizáveis no campo educacional, algumas das quais concretizadas na forma de políticas públicas para a área. Analisando o impacto da crescente mercantilização da vida social e da cultura sobre as várias dimensões da educação regular, esses números reuniram artigos que examinam a situação brasileira e internacional com o intuito de intensificar a reflexão e divulgar o debate sobre tais temas e políticas, procurando, dessa forma, cumprir a função que cabe à revista.

Seguindo tal linha editorial, o número 95, com o dossiê "Políticas educacionais e diferenças culturais", retomou a discussão sobre as diferenças, iniciada no dossiê do número 79, focalizando a questão das políticas públicas desenvolvidas na área, que se inspiram nas concepções empenhadas em atribuir à educação um papel proeminente na regulação e compensação das diferenças.

O número especial apresentado aqui dá seqüência ao conjunto de reflexões anteriores, ampliando o leque de temas e aprofundando a análise dos problemas suscitados, com foco nas políticas educacionais emergentes e afirmativas voltadas a contribuir para tornar menos dramáticas as desigualdades sociais e étnicas. Tais desigualdades, históricas no país, receberam um tratamento profundamente diferente do atual, inclusive no campo das políticas incidentes sobre a educação, principalmente no período que se inicia no último pós-guerra e se encerra na década de 1990. Ao longo desse período, o enfoque da educação estava na perspectiva do modelo de Estado de Bem-Estar Social, embora houvesse um forte embate em busca de hegemonia de um outro modelo, pelo menos desde meados dos anos de 1950 e, sobretudo, após o golpe de 1964.

Com as recentes e drásticas mudanças no campo econômico, intensificam-se e tornam-se mais visíveis as desigualdades, ao mesmo tempo em que, no plano internacional, ganham corpo as políticas de ação afirmativas, implementadas com a finalidade de garantir maior coesão social e sustentadas, no plano teórico, pelo pensamento econômico, social e cultural que afirma a necessidade de atenção às particularidades, perante uma suposta falência das meta-narrativas. Com isso, as desigualdades sociais são naturalizadas, já não causando impacto, na medida em que são admitidas sem averiguação de suas causas. Nesse contexto, as políticas públicas no campo educacional procuram, desde meados dos anos de 1990, dar respostas a tais mudanças, nas formas pelas quais elas se manifestam no Brasil, deslizando seu enfoque do eixo anterior para o da "focalização", tendo continuidade, de algum modo, no atual governo.

Vale lembrar que este número não enfoca apenas o tratamento dado às questões das desigualdades e diferenças pelas políticas afirmativas, mas contempla outras dimensões, tais como as Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia, os sistemas de avaliação do ensino superior, o ensino fundamental de nove anos, a reforma universitária e o fundeb. Tentando compreender em que medida e por quais razões as políticas públicas do governo atual para a educação dão continuidade às do governo anterior, todos os artigos procuram analisar os seus propósitos e impasses, refletidos no grave fato de que, em pleno processo eleitoral, não se vislumbram projetos de governo para a área educacional, embora todos os discursos dêem a ela centralidade. Mais trágico ainda foi o recente apelo à sociedade para uma articulação objetivando "salvar a educação".

O conjunto de artigos aqui publicados possibilita uma visão ampla das políticas educacionais emergentes e afirmativas em vigor ou em processo de aprovação no país.

O comitê editorial solicitou, para tratar do caráter complexo e contraditório dessas políticas, a contribuição de estudiosos e pesquisadores, garantindo a pluralidade de abordagens e pontos de vista, com o objetivo de contribuir para a reflexão que o momento exige.

Comitê Editorial

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    11 Dez 2006
  • Data do Fascículo
    Out 2006
Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Av. Berttrand Russel, 801 - Fac. de Educação - Anexo II - 1 andar - sala 2, CEP: 13083-865, +55 12 99162 5609, Fone / Fax: + 55 19 3521-6710 / 6708 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: revistas.cedes@linceu.com.br