O conceito "socialização" caiu em desuso? Uma análise dos processos de socialização na infância com base em Georg Simmel e George H. Mead

Is the " socialization" concept outdated? An analisis of the socialization processes in childhood according to Georg Simmel and George H. Mead

Resumos

O artigo apresenta uma leitura das obras de George H. Mead e Georg Simmel a respeito do conceito processos de socialização à luz de questões suscitadas no interior do domínio da sociologia da infância. Aborda o desenvolvimento do conceito processos de socialização em Simmel e correlaciona as concepções simmelinas com a obra de Mead a respeito do desenvolvimento do self, com o objetivo de definir os processos de socialização na infância. Visa demonstrar como as obras de Simmel e Mead permitem pensar a infância como um período específico dos processos de socialização, em que as crianças desempenham papéis ativos na construção de seus selves individuais e da sociedade e cultura em que estão inseridas.

Processos de socialização; Self; Sociologia da infância; Georg Simmel; George H. Mead


This paper presents an analysis of George H. Mead's and Georg Simmel's works about the concept of socialization processes in the light of questions arised in the scope of childhood sociology. It approaches the development of Simmel's socialization processes concept and establishes a correlation between the Simmelian conceptions and Mead's work about the self development, in an attempt to define the socialization processes in childhood. It is intended to demonstrate how Simmel's and Mead's works allow us to think about childhood as a specific period of the socialization processes in which children play active roles in building their individual selves, as well as the society and culture they are in.

Socialization processes; Self; Childhood sociology; Georg Simmel; George H. Mead


ARTIGOS

O conceito "socialização" caiu em desuso? Uma análise dos processos de socialização na infância com base em Georg Simmel e George H. Mead

Is the " socialization" concept outdated? An analisis of the socialization processes in childhood according to Georg Simmel and George H. Mead

Tamara Grigorowitschs

Mestre em Educação e doutoranda em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). E-mail: tgrigoro@yahoo.com.br

RESUMO

O artigo apresenta uma leitura das obras de George H. Mead e Georg Simmel a respeito do conceito processos de socialização à luz de questões suscitadas no interior do domínio da sociologia da infância. Aborda o desenvolvimento do conceito processos de socialização em Simmel e correlaciona as concepções simmelinas com a obra de Mead a respeito do desenvolvimento do self, com o objetivo de definir os processos de socialização na infância. Visa demonstrar como as obras de Simmel e Mead permitem pensar a infância como um período específico dos processos de socialização, em que as crianças desempenham papéis ativos na construção de seus selves individuais e da sociedade e cultura em que estão inseridas.

Palavras-chave: Processos de socialização. Self. Sociologia da infância. Georg Simmel. George H. Mead.

ABSTRACT

This paper presents an analysis of George H. Mead's and Georg Simmel's works about the concept of socialization processes in the light of questions arised in the scope of childhood sociology. It approaches the development of Simmel's socialization processes concept and establishes a correlation between the Simmelian conceptions and Mead's work about the self development, in an attempt to define the socialization processes in childhood. It is intended to demonstrate how Simmel's and Mead's works allow us to think about childhood as a specific period of the socialization processes in which children play active roles in building their individual selves, as well as the society and culture they are in.

Key words: Socialization processes. Self. Childhood sociology. Georg Simmel. George H. Mead.

A socialização infantil ou, mais precisamente, os processos de socialização infantil constituem-se objetos de análise clássicos no domínio da sociologia da educação. Nota-se um interesse crescente, sobretudo em análises a respeito das chamadas " instâncias socializadoras" , em que ganham relevância principalmente a esfera familiar, a instituição escolar (Hurrelmann, 1991; Tillmann, 2001; Parsons, 1955) e, mais recentemente, o domínio da mídia (Setton, 2005) e as interações entre pares (Corsaro, 1997; Qvortrup, 2005; Hengst, 2005 etc.).

Desde meados dos anos de 1980, com o surgimento das primeiras iniciativas de desenvolvimento de uma " Sociologia da Infância" , sociólogos e pedagogos de diferentes nacionalidades (Zeiher, 1996; Corsaro, 1997; Qvortrup, 2005 etc.) debruçaram-se com afinco sobre as categorias criança e infância, tratando-as como objetos centrais de suas investigações e buscando compreender os processos de socialização partindo dessa nova perspectiva.

No anseio por reconhecer o papel ativo das crianças em sua socialização, isto é, considerá-las atores sociais e produtoras de cultura, muitos estudiosos da infância pretenderam " repensar" o próprio conceito de socialização (Plaisance, 2004; Sirota, 2005; Javeau, 2005; Mollo-Bouvier, 2005; Setton, 2005 etc.), no sentido de mobilizá-lo sem perder de vista as questões emergentes no interior do desenvolvimento da sociologia da infância nas últimas décadas.

Outros autores, no entanto, propuseram mudanças de nomenclatura que enfatizassem a não-passividade infantil em tais processos (Gilgenmann, 1986; Corsaro, 1997; James & Prout, 1997; Mayall, 2002; Sarmento, 2005 etc.). Como justificativa para o desuso do conceito socialização e com o objetivo de construir um novo campo específico – o campo da sociologia da infância –, grande parte desses autores defendeu e ainda defende que o conceito socialização surgiu imbricado em teorias de reprodução e manutenção da ordem social – um incorporar de padrões de valores, normas de conduta moral com relação aos outros e a si mesmo –, com suas bases em concepções durkheimeanas. O conceito careceria de uma renomeação, na medida em que, na perspectiva de Durkheim (1922, 1950), abordar a socialização na infância significaria conceber crianças socializadas por adultos, crianças em processo de integração passiva em sociedade.

Contudo, essa recusa da utilização do conceito socialização culminou também na recusa do reconhecimento de diversas outras obras sociológicas clássicas que utilizaram a mesma nomenclatura conceitualmente. Esses trabalhos parecem negar grande parte desse escopo teórico já existente, esquecendo-se, propositadamente ou não, de que outros sociólogos clássicos, além de Durkheim, também desenvolveram o conceito socialização em suas obras de maneiras muito diversas das durkheimeanas e, a meu ver, plenas de sentido para o desenvolvimento teórico de uma sociologia da infância hoje.

Ana Cristina Coll Delgado e Fernanda Müller, em sua apresentação do dossiê sobre Sociologia da Infância da revista Educação & Sociedade n. 91 (Delgado & Müller, 2005), destacam os principais desafios enfrentados pela sociologia da infância contemporânea: a lógica adultocêntrica, a entrada no campo e a ética nas pesquisas com crianças. Acredito que, ao lado desses desafios, poderíamos também alocar as dificuldades do desenvolvimento de teorias sociológicas contemporâneas para pensar a infância e a articulação de conceitos sociológicos clássicos no desenvolvimento de tais teorias. Ao propor novas nomenclaturas, a sociologia da infância enfrenta a difícil tarefa de, junto a elas, criar novos significados integrados em desenvolvimentos teóricos mais amplos – o que pode acarretar um empobrecimento no âmbito teórico (Montandon, 2001), exatamente por não reconhecer a relevância das teorias sociológicas clássicas na construção de novos campos de análise.

Isso posto, proponho que as obras de sociólogos clássicos que desenvolveram o conceito processos de socialização em suas pesquisas de formas distintas das de Durkheim, como Simmel (1908) e Mead (1934), sejam lidas à luz das questões suscitadas no interior do domínio da sociologia da infância, a fim de demonstrar o quão enriquecedor pode ser empregar tal conceito para pensar a infância hoje. Primeiramente, apresento o desenvolvimento do conceito processos de socialização em Simmel e, num segundo momento, correlaciono as concepções simmelianas com a obra de Mead a respeito do desenvolvimento do self, com o objetivo de definir os processos de socialização na infância. Ao final, procuro demonstrar como as concepções de socialização em Simmel e Mead permitem pensar a infância como um período específico dos processos de socialização, cunhado por formas de interação específicas, nas quais as crianças desempenham papéis ativos na construção de seus selves individuais e da sociedade e cultura em que estão inseridas.

" Processos de socialização" : o desenvolvimento do conceito

Émile Durkheim (1922, 1950) foi um dos primeiros autores a forjar o conceito socialização em sociologia; considerava-o o desenvolvimento conduzido pelos adultos daqueles que ainda não estão inseridos na vida em sociedade – portanto, algo específico do período da infância (Scherr, 2002). A autonomia do agir foi tratada por Durkheim como um déficit para a vida organizada em sociedade, à qual os indivíduos deveriam ser integrados, uma vez que incorporavam os saberes e normas sociais vigentes, por intermédio de indivíduos " já socializados" , com a finalidade de manter a coesão e a ordem social (Veith, 2002).

Em Simmel (1900) e Weber (1905-1920) a autonomia individual passa a ser considerada um valor cultural, uma modalidade moderna de condução da vida de forma racional e motivada internamente (Veith, 2002). Essa maneira de conceber as relações entre indivíduo e sociedade subsidiou o desenvolvimento do conceito de socialização (Vergesellschaftung) em Simmel (1908, p. 284), para quem qualquer forma de interação entre seres humanos deve ser considerada uma forma de socialização. Nesse sentido, em Simmel, o ser humano como um todo é visto como um complexo de conteúdos, forças e possibilidades sem forma; com base nas suas motivações e interações do seu " estar-no-mundo mutante" , modela a si mesmo como uma forma diferenciada e com fronteiras definidas (Simmel, 1917, p. 55) e, ao mesmo tempo, socializa-se.

Após Simmel, muitos outros autores também desenvolveram, de maneiras variadas, reflexões a respeito do conceito de socialização, como Mead (1934), Parsons (1955), Piaget (1975), Habermas (1973) e Luhmann (1987), para mencionar apenas alguns. De certo modo, muitos desses autores afirmam, como Simmel, que os processos de socialização constituem-se de interações e que os conceitos, valores, autoconceitos e estruturas individuais da personalidade se desenvolvem de maneira dinâmica nesses processos e seguem a lógica de uma transformação ligada a práticas sociais que ocorrem desde a infância (Veith, 2002, p. 169). Para Parsons, por exemplo, a socialização ocorre nas diversas dimensões da vida dos indivíduos: na família, nos relacionamentos (amizades, grupos de interesses etc.), na escola, na universidade e na vida profissional (Schulze, apud Hurrelmann, 1991). Luhmann (1987, p. 177), assim como Simmel, também afirma que socialização acontece em todos os contatos sociais.

Já o caráter processual do conceito de socialização foi explorado principalmente por Leopold von Wiese (1931, 1933) e Norbert Elias (1939, 1970), com base na concepção simmeliana de Vergesellschaftung (processos de socialização) (Waizbort, 2000, p. 91). " Processos de socialização" , no plural, e não no singular, e nem simplesmente " socialização" , é uma concepção extraída de Simmel que deriva do seu entendimento de processos sociais, que, pensados no plural, enfatizam o caráter de mobilidade e dinâmica das interações sociais. Esse conceito de extração simmeliana irá subsidiar, num segundo momento, a definição daquilo que considero processos de socialização infantil.

Em suas dimensões mais amplas, os processos de socialização envolvem um ser humano individual (todo um espectro de experiências, posicionamentos, saberes, estruturas emocionais, capacidades cognitivas); suas interações, comunicações e atividades no meio social em que vive (relações familiares, escolares, interações com outras crianças, meios de comunicação de massa, religião etc.); bem como as distinções sociais que podem se manifestar em todas essas relações (sua pertença racial, de gênero, de estratificação social etc.). Essas dimensões devem ser tratadas, em seu conjunto ou em suas particularidades, segundo uma perspectiva sociológica, de acordo com um modelo " reflexivo" de socialização (Hurrelmann, 1991), que permite analisar como os indivíduos desenvolvem necessidades, capacidades, competências do agir, interesses e qualidades pessoais em tensão com as regras, expectativas e costumes sociais. Nesses processos estão em jogo aspectos multidimensionais objetivos e subjetivos, isto é, os processos do desenvolvimento da identidade e as comunicações e interações com o outro.

De uma perspectiva simmeliana e eliasiana, é fundamental iniciar uma análise sociológica dos processos de socialização, tendo como ponto de partida as conexões, as relações e as interdependências para, com base nisso, dirigir-se para os elementos (pessoas e grupos) nelas envolvidos (Elias, 1970). Visto que esses processos constituem-se de interações, devem ser considerados redes de interdependências, onde tudo está relacionado (Waizbort, 2000b). A realização das inúmeras modalidades de interação social implica interdependência dos envolvidos na interação; desse modo, nas interações constituintes dos processos de socialização, a atitude de um membro individual de determinado agrupamento social nunca pode ser vista como independente (Becker-Beck, 1997).

Tanto em Simmel como em Elias, o mundo social é tido por um conjunto de relações, um todo relacional, relações em processo. É por isso que socialização (Vergesellschaftung) é interação, e se compreende que as formas de interação são as formas de socialização (Simmel, 1917, p. 58-59). Isso significa que cada relação, por mais insignificante que pareça ser, contribui para a organização da vida em sociedade, e a sociedade nada mais é do que o conjunto dessas interações (Waizbort, 2000b, p. 96). Desse modo, " (...) a partir de cada interação singular é possível adentrar na teia do todo. Não há uma via de acesso que seja privilegiada, senão que todas elas levam a ele" (idem, ibid., p. 97).

Portanto, socializar-se implica sempre transformação, pois se trata de processos que são móveis e dinâmicos, não-fixos; são transformações tanto estruturais, como processuais e individuais. As estruturas/configurações dos diversos grupos sociais e as diversas estruturas/configurações1 1 . Há autores, como von Wiese e Elias, que afirmam a não-existência de estruturas em uma sociedade que é constituída por processos sociais. O termo configurações apresenta-se como uma alternativa para designar aquilo que para outros autores é compreendido como estruturas, pois configurações enfatizariam algo não fixo. " Uma configuração social é uma pluralidade de relações sociais, ligadas de modo a serem consideradas, na vida prática, como unidade. As configurações sociais não podem ter outros elementos senão processos sociais, pois não há outros. Elas são um estado contínuo (relativo) de determinados distanciamentos entre homens, estado esse representado como algo que tem forma" (Wiese, 1933, p. 5). Elias (1970), a seguir, propôs o termo figuração. no interior de uma determinada sociedade não são fechadas em si mesmas, estão sempre em relação com outras estruturas e por isso modificam-se constantemente (Seiler, apud Hurrelmann, 1991). Da mesma forma, " (...) a mutabilidade é uma característica imutável dos seres humanos. Ela não é uma espécie de caos, mas sim um determinando tipo de ordem (...)" (Elias, 1970, p. 125). Nesse sentido, " (...) interagir significa ajustar-se a situações mutáveis (...)" (idem, ibid., p. 119).

Socialização é um conceito congregador para estruturas/configurações e processos, que reúne simultaneamente juízos de valor, esquemas emocionais, orientações do agir e prontidões do desenvolvimento de crianças e adultos, desde que estejam inseridos em um grupo ou cultura de interesses coletivos (Ulich, apud Hurrelmann, 1991, p. 554). Ela abrange os processos que permeiam toda a vida de um indivíduo, nos quais este toma parte ativamente por meio da participação em comunicações sociais, ações sociais, língua, costumes sociais, regras, normas e saberes. E assim desenvolve a capacidade da linguagem e do agir tanto quanto a sua própria personalidade e uma imagem de si, uma identidade (Scherr, 2002, p. 47).

O individual só realiza-se nessas interações, nas relações com o outro e, nesse sentido, não é possível dissociar indivíduo de sociedade (Waizbort, 2000b, p. 91-92, 100). O conceito de indivíduo refere-se a pessoas interdependentes, pois " (...) não há identidade-eu sem identidade-nós (...)" (Elias, 1939, p. 152). " O sentido que cada um tem da sua identidade está estreitamente relacionado com as ,relações de 'nós' e de 'eles' no nosso próprio grupo e com a nossa posição dentro dessas unidades que designamos por 'nós' e 'eles'" (idem, 1970, p. 139). Em Mead, o conceito socialização aparece atrelado ao desenvolvimento do self,2 2 . Self é a nomenclatura utilizada por Mead para designar a " identidade" que se desenvolve em cada indivíduo singular. Adoto essa forma de nomear identidade em meu trabalho e aponto seus significados de maneira detalhada adiante (Mead, 1934). de um self individual que é resultado de uma concepção de indivíduo dotado de certo grau de autonomia desde a infância. Como veremos adiante, essa não-dissociação de desenvolvimento do self e socialização é fundamental para compreender os processos de socialização infantil.

Assim, socialização pode ser entendida como uma série de processos abertos em todas as idades, e também no que concerne aos seus resultados, por meio dos quais os indivíduos formam " tensões ativas" com o seu ambiente (Liegle, apud Hurrelmann, 1991, p. 215). Nesse sentido, ela ocorre de forma não-planejada e não-previsível (Scherr, 2002, p. 48). É por esse motivo que Luhmann (1987, p. 176) afirma que socialização deve ser caracterizada como " auto-socialização" , pois não existem mecanismos de causa e efeito que determinam a interação e comunicação sociais e o desenvolvimento psíquico da identidade. Isso significa que os efeitos de certas condições sociais de socialização não são determinados e previsíveis (isto é, estão sob o regime da contingência), e o que importa perceber é como as diferentes condições de socialização possibilitam ou limitam as chances de desenvolvimento da identidade (Scherr, 2002, pp. 46, 57).

Antes mesmo do surgimento do campo da " Sociologia da Infância" , alguns autores radicalizaram essa maneira de conceber os processos de socialização e passaram a não mais nomeá-los " processos de socialização" , mas apenas " auto-socialização" (Selbstsozialisation) (Gilgenmann, 1986; Hurrelmann, 1986; Hoff, 1981), como forma de enfatizar esse aspecto de contingência de tais processos. O problema dessa radicalização é que ela acaba por enfatizar apenas o lado autônomo e individual dos processos de socialização; processos de socialização, como se pode depreender do que foi dito nos parágrafos anteriores, é um conceito mais amplo, que abrange tanto o caráter reprodutivo como o criativo do agir social, porque se constitui de interações e são elas, e não apenas o ser individual, que os definem.

Como dito anteriormente, no desenvolvimento do campo da " Sociologia da Infância" , diversos autores procuraram uma terceira forma de nomear esses processos que, em seu próprio nome, congregassem aspectos divergentes, como Corsaro, que propõe o termo reprodução interpretativa, afirmando que da maneira como foi tratado na sociologia, socialização não é um bom termo, pois carrega consigo o pressuposto de que as crianças são socializadas por outros ou por outras instâncias, e não são consideradas ativas nesses processos. Porém, não se trata apenas de uma questão de nomenclatura, mas sim de atribuição de significados; dessa forma, processos de socialização também pode ser considerado um bom termo, basta redefini-lo como Simmel, há um século, o fez.

Em resumo, os processos de socialização podem ser compreendidos como um compêndio de interações entre seres humanos, das quais estes participam ativamente e assim tornam-se membros de determinada sociedade e cultura. Por meio de tais processos, os indivíduos internalizam uma série de valores, formas de agir e maneiras de pensar e ao mesmo tempo desenvolvem seu self individual em uma relação de interdependência e ao mesmo tempo de conflito com os valores socioculturais que lhes são oferecidos (Hillmann, 1994); esses processos ocorrem quando se estabelecem correspondências entre a realidade objetiva (mundo social) e a realidade subjetiva (identidade pessoal) (Berger & Luckmann, 1967).

Tendo como ponto de partida uma compreensão dos processos de socialização, com base nas concepções de inspiração simmeliana acima explicitadas – nas quais tais processos são considerados interações sociais que perpassam toda a vida dos indivíduos –, resta saber qual seria a especificidade dos processos de socialização infantil. Seria possível (e necessário) classificar os processos que ocorrem na infância como constituintes de uma " socialização primária" e os que ocorrem na vida adulta como constituintes de uma " socialização secundária" ? A infância como uma fase particular da vida apresenta formas de interação singulares?

As especificidades dos processos de socialização infantil

Não há um ponto zero do relacionar-se social do singular, um " começo" ou um corte, ao qual ele, como um ser livre de interdependências, possa se aproximar da sociedade como que de fora, para posteriormente vincular-se a outros seres humanos. (...) assim, o singular está sempre e desde o princípio em relações com outros e na verdade em relações de estrutura totalmente determinadas e específicas para o seu grupo. Ele obtém sua peculiaridade da história dessas suas relações, dependências e referências, e com isso, em um nexo mais amplo, da história do conjunto dos entrelaçamentos humanos, em que ele cresce e vive. Essa história, esse entrelaçamento humano está presente nele e é representada por ele (...). (Elias, 1939, p. 47-48)

A especificidade dos processos de socialização na infância, de um ponto de vista sociológico, repousa no fato de que as crianças participam de uma série de modalidades de interações sociais, que variam cultural e historicamente e, de maneira generalizada, ocorrem " apenas" na infância. Dentre elas podemos citar como fundamentais as interações no interior da instituição escolar (interações entre crianças, entre crianças e professoras/es, entre crianças e demais funcionárias/os); as interações no interior da vida familiar (com pais, irmãos, primos, avós etc.), nas quais a criança possui o status de alguém que depende financeira e emocionalmente dos adultos por ela responsáveis; e as interações entre pares (onde o jogar/brincar revela-se fundamental).3 3 . A maioria das pesquisas sobre socialização infantil repousa principalmente sobre as chamadas instâncias socializadoras " escola" e " família" , mas deixa em segundo plano as interações entre as crianças. É claro que há crianças que não vão à escola, trabalham e não possuem adultos por elas responsáveis, mas essas são consideradas, em nossa sociedade, condições adversas de uma infância privada de infância. Desse modo, podemos dizer que as modalidades acima citadas4 4 . Além das outras inúmeras formas de interação compartilhadas com as outras gerações. são formas de interação infantil características da sociedade contemporânea ocidental. Quando essas crianças tornam-se pessoas adultas, deixam de participar (na condição de crianças) da maioria dessas modalidades de interação e passam a privilegiar outras formas de interação em suas experiências cotidianas. Nesse aspecto, as divergências entre os processos de socialização infantil e os processos de socialização na vida adulta ocorrem apenas no que se refere às formas de interagir, mas não no próprio ato de interagir. Isso faz com que, por um lado, os processos de socialização infantil tenham uma especificidade, mas, por outro lado, isso define os seus limites, pois, vistos de uma perspectiva mais ampla, pode-se considerar que tanto adultos como crianças participam de interações; e o interagir é o que define o socializar-se.

Dessa forma, os processos de socialização infantil podem ser definidos da mesma maneira pela qual se define o conceito de processos de socialização em suas características mais amplas. Sendo assim, compreendo a socialização infantil como uma série incontável de processos, por meio dos quais as crianças aprendem, compartilham, criam e reproduzem ação, pensamento e comunicação, que possibilitam não apenas a sua introdução passiva no mundo, mas também a constituição de um mundo no qual passam a habitar e simultaneamente desenvolvem o seu self individual. Ao mesmo tempo em que as crianças se apropriam subjetivamente do mundo social, apropriam-se subjetivamente de sua própria identidade, que se constrói em relação com esse mundo (Berger & Luckmann, 1967). São processos que perpassam toda a infância de diversas maneiras, e não um marco temporal, no qual as crianças são repentinamente inseridas no mundo.

Portanto, não é possível afirmar, como Berger e Luckmann, que as crianças são socializadas por outros que lhes são impostos, filtrando o mundo social para elas e encarregando-se de sua socialização.5 5 . Embora depois afirmem que as crianças não se apropriam de tudo o que lhes é transmitido, mas que também filtram o mundo social subjetivamente de acordo com aqueles aspectos com os quais se identificam ou não (Berger & Luckmann, 1967). É claro que, quer elas aceitem de forma positiva ou negativa, os adultos que estão ao seu redor são-lhes referências; alguns dos aspectos do mundo social serão " filtrados" por e para elas e contribuirão para a formação de suas identidades. Porém, visto que os processos de socialização infantil constituem-se de interações, no interagir com adultos as crianças não são socializadas, mas socializam-se, assim como os adultos que, ao interagir entre si ou com crianças, também se socializam; pois mesmo uma criança pequena é alguém que trabalha as realidades interna e externa e, dessa forma, modela seu próprio self, já que, dessa perspectiva, a infância é concebida como uma fase que possui o mesmo peso que a idade adulta ou a velhice (Hurrelmann, 1995).

Entretanto, o interagir social com " o outro" é algo que precisa ser desenvolvido. Mead demonstra que crianças pequenas não possuem o mesmo grau de percepção das suas interações com " o outro" que crianças maiores. Isto é, a percepção do " estar no mundo social" e de que para estar nele é preciso participar de interações sociais constituintes de um conjunto incontável de processos é algo que não está dado de antemão. A forma pela qual essa percepção se desenvolve é o próprio interagir, e uma das modalidades de interação infantil que contribui para esse desenvolvimento é o jogar/brincar. As crianças interagem umas com as outras não necessariamente porque pertencem a uma mesma geração, mas porque são contemporâneas umas das outras nas formas de interação de que participam. O conceito de pares não diz respeito necessariamente a crianças da mesma idade, mas a crianças que compartilham das mesmas expectativas, interesses e condições sociais.

Ao contrário de Berger e Luckmann, que afirmam que as crianças são socializadas primariamente e, na vida adulta, experienciam uma " socialização secundária" , já estando em grande parte " socializadas" e apenas inserindo-se em novos setores sociais por elas ainda não explorados, podemos dizer que, nos processos de socialização infantil, quanto mais as crianças interagem, maior é a percepção do interagir com o outro, e mais o " outro generalizado" define-se para elas, como veremos adiante com Mead. Com base nisso, as crianças continuam a interagir nesses mesmos processos, não como se passassem por uma ruptura e só então começassem a experienciar uma " socialização secundária" . Isso enfatiza o caráter sem fim dos processos de socialização, que se estendem por toda a vida; porém, sem deixar de reconhecer as peculiaridades de cada fase específica desses processos – e sem deixar de lembrar que essas fases devem ser vistas em relação de continuidade umas com as outras. Esses processos não são processos lineares, mas sim uma constelação, na qual diversas categorias e esferas de relações estão interagindo concomitantemente.

Desse modo, para compreender as especificidades dos processos de socialização na infância faz-se necessário compreender o modo pelo qual as crianças desenvolvem seu self, suas identidades individuais, e o papel do " outro" nesses processos.

As interdependências de processos de socialização e desenvolvimento do self

Mead foi o autor que desenvolveu de forma mais elaborada e pioneira análises a respeito da relevância do " outro" nas interações sociais e para o desenvolvimento do self. Dessa forma, apresenta um modelo reflexivo-interativo (Hurrelmann, 1986) de desenvolvimento da identidade, no qual demonstra que processos de socialização e individuação são duas dimensões correspondentes que juntas tornam possível o desenvolvimento da identidade (idem, 1995), antecipando a idéia eliaseana, mas de inspiração simmeliana, de que " (...) não há identidade-eu sem identidade-nós (...)" (Elias, 1970, p. 152).

O trabalho de Mead (1934) sobre o desenvolvimento do self inspirou uma série de outros autores afinados com perspectivas interacionistas, tais como Erving Goffman (1956, 1974), Jürgen Habermas (1968) e Klaus Hurrelmann (1995). Por isso, ao abordar os conceitos desenvolvidos por Mead, procurarei também relacionar as possíveis variações desses conceitos desenvolvidas posteriormente por esses e outros autores, uma vez que trouxerem contribuições para as questões de meu trabalho.

Segundo Mead, dois elementos são fundamentais para o desenvolvimento do self, o " I" e o " me" . O I é uma forte qualidade impulsiva e espontânea, o lugar da criatividade, que é freada pelo me. Goffman, Habermas e Tillmann nomeiam o I " identidade pessoal" , como aquilo que é único no indivíduo, sua biografia. O me é a imagem que eu tenho de como os outros me vêem, as expectativas intersubjetivas que ajudam a orientar as minhas ações (Joas, 1979); funciona como uma instância valorativa para a estruturação dos impulsos espontâneos provenientes do I. Quanto mais o ser humano individual se relaciona com outros, mais me's diferentes adquire, que por sua vez procuram ser sintetizados em uma auto-imagem unificada (Joas, apud Hurrelmann, 1991). Para Goffman, Habermas e Tillmann, o me é nomeado " identidade social" (o indivíduo como todos os outros) e é expresso na pertença da mesma pessoa a diferentes e muitas vezes incompatíveis grupos de pertencimento.

Enquanto o I (identidade pessoal) garante uma continuidade do eu ante as diversas condições da história de vida, o me (identidade social) permite a unidade dos diferentes sistemas de papéis que precisam ser desempenhados simultaneamente. As duas identidades podem ser descritas como a vivência de uma síntese, que se estende ao longo do tempo e reúne uma variedade de expectativas com relação ao meio social. Isso significa que identidade individual e mundo social estabelecem uma relação de interdependência e referencialidade mútua.6 6 . Em outros autores a correlação entre processos de socialização e desenvolvimento da identidade na infância também aparece, porém, não de forma tão desenvolvida como em Mead. Vigotski (1930-1966), por exemplo, mesmo que de um ponto de vista da psicologia, valoriza o caráter coletivo dos processos de socialização infantil e da " internalizarão da cultura" por parte das crianças. Para demonstrar como ocorrem esses processos de internalizacão da cultura (reprodução e criatividade), Vigotski afirma que todas as capacidades cognitivas, afetivas e comunicativas infantis se desenvolvem na comunicação com outras pessoas, e só então são internalizadas, como duas etapas não-concomitantes. Habermas (1968) também afirma que os processos de socialização são um predecessor da individuação. Baseado em Vigotski, Corsaro (1997) propõe, sem citar Mead e de forma " inovadora" , que essas duas etapas devem ser vistas como simultâneas.

Dessa forma, o self pode e deve ser compreendido como o balanço e/ou a manutenção dessas duas identidades, social e pessoal, o me e o I (Habermas, 1968).7 7 . Enquanto Mead nomeia esses processos " construção do self" , Walter Benjamin (1932-1938) pensa os mesmos como a construção de uma imagem de si; outros autores, como Goffman, Habermas ou Tillmann, os denominam " construção da identidade-do-eu" . O self é uma identidade unificada tendo em vista uma autovaloração e orientações do agir flexíveis (Joas, apud Hurrelmann, 1991), uma estrutura humana específica composta de qualidades, competências do agir e opiniões, mas que é individual na interação e comunicação com coisas e pessoas (Hurrelmann, 1995). Essas " identidades unificadas" individuais, o " meu self" e o " self dos outros" , interagem constantemente, comunicando e ao mesmo tempo interpretando aquilo que foi comunicado pelos outros; portanto, é o self que entra em comunicação com " o outro" , e não a identidade social ou a identidade pessoal sozinhas (Tillmann, 2001).

Nesse sentido, o self é um arranjo interindividual que está fundado em " processos de interpretação ativos" (Hurrelmann, 1995). Dessa forma, o self não é algo solitário, solipsista e consciente de si, mas sim uma compreensão intersubjetiva sobre o agir (Krewer, apud Hurrelmann, 1991). Cada um dos selves é diferente dos outros e, ao mesmo tempo, os selves só podem existir em relações com outros selves: o ser individual possui um self apenas em relação com os selves dos outros membros de seu grupo social, e a estrutura do seu próprio self expressa e também contesta os padrões de conduta gerais desse grupo social ao qual ele pertence, assim como faz a estrutura do self de todos os outros indivíduos pertencentes a esse grupo social.

Dessa maneira, nos processos de socialização infantil, a inserção das crianças no mundo social ocorre por meio da construção de uma identidade (self), isto é, cada criança insere-se no mundo ao mesmo tempo em que constrói uma identidade própria, que permitirá essa mesma inserção. Essa identidade é individual exatamente porque está carregada de certo grau de autonomia em relação ao mundo social, mas ao mesmo tempo só pode ser construída quando inserida nesse mesmo mundo. O self deve então ser visto como essa identidade que começa a se tornar perceptível na infância, não apenas como algo estritamente social e externo à criança, mas sim intersubjetivo, como o centro do agir por meio de processos de co-construção, que nas relações intersubjetivas constroem tanto uma série de experiências coletivas, como também deixam espaços vazios para que o centro do agir individual tenha lugar (Krewer, apud Hurrelmann, 1991).

Para além do desenvolvimento do self, encontra-se, como em uma etapa posterior, o desenvolvimento de uma consciência do self (Mead, 1934). Nesse desenvolvimento da percepção do self, que ocorre na correlação de duas realidades interdependentes (realidade interna e externa), não há uma determinada meta ou " ponto final" a serem atingidos; o sujeito desenvolve certo grau de autonomia no seu agir social, autonomia essa que, por sua vez, depende da capacidade de percepção do próprio self (Hurrelmann, 1986).

Tanto Mead, como Elias e Habermas, relacionam esses processos de desenvolvimento da identidade (e consciência dessa identidade) ao desenvolvimento da capacidade do ser individual de sair de si mesmo de maneira reflexiva e transformar a si mesmo em objeto (Tillmann, 2001). Isso significa que distanciamento e autodistanciamento são fundamentais para as crianças começarem a se perceber como seres individuais, providos de uma identidade individual, conscientes de seu self ante o coletivo (Elias, 1970). Von Wiese, ao definir o conceito de relação social, que poderíamos aqui aproximar às interações sociais, afirma que " (...) uma relação social é uma determinada distância entre homens (...)" e que " processos sociais, portanto, são mudanças de distância (distanciamentos) (...) significando essa palavra tanto proximidade como também afastamento. Distanciamento não é somente aumento, mas também diminuição da distância" (Wiese, 1933, p. 2). Dessa forma, demonstra que, ao se distanciar dos outros e de si mesma, a criança, ao mesmo tempo, aproxima-se dos outros (na forma de interações, no reconhecer a necessidade do interagir com o outro) e de si mesma (da percepção de sua identidade).

Na infância, ao mesmo tempo em que o self se desenvolve, desenvolve-se concomitantemente a ele a percepção do " outro generalizado" . O " outro generalizado" funciona como uma maneira de organizar as interações de todos os indivíduos envolvidos nos mesmos processos. É uma espécie de norteador das condutas individuais nos processos de socialização e da própria percepção do self. É possibilitando que cada indivíduo seja capaz de " antecipar" a conduta dos outros, isto é, conhecer os outros e os lugares que estes ocupam nas interações sociais – nas palavras de Mead, ser capaz de " assumir" mentalmente o papel do outro (Popitz, 1997, p. 41) –, que o outro generalizado organiza as interações e norteia as ações individuais. Isso não significa que indivíduos podem real ou virtualmente " trocar" de lugar com seus parceiros ou que desempenhem papéis de igual peso na hierarquia das relações sociais, como foi fortemente criticado por alguns seguidores posteriores de Mead (Habermas, 1968), mas sim um " compreender" das posições dos outros no interior das interações sociais, e adquirir uma idéia do " todo" social, ou seja, daquele conjunto de relações sociais.

Os processos de socialização são, ao mesmo tempo, pressupostos e resultados das ações e interações dos seres humanos em sociedade e são compostos pelo compêndio de interações de todos os que nela vivem; processos esses que ganham forma na assunção recorrente do papel do outro (Hurrelmann, 1995). O desempenhar papéis e o antever a conduta do outro são interações nas quais participam no mínimo dois agentes e que são regidas por normas que possuem a forma de expectativas complementares (Habermas, 1968). Porém, não é simplesmente o agente do qual se assume o papel (e nem a " comunidade organizada" ) que propicia um desenvolvimento do self nas crianças (como o avanço a um novo patamar social, cognitivo e emocional), mas sim a situação social que resultou dessa interação especifica.

O antecipar a conduta do outro não significa necessariamente agir em conformidade a ela, mas também contestá-la, uma capacidade de contestação que não deve ser interpretada como um sinal de instabilidade, mas sim como a representação de todas as variadas interações do dia-a-dia (Joas, apud Hurrelmann, 1991); o assumir o papel do outro não é pura e simplesmente uma capacidade cognitiva individual, mas uma capacidade de interação social. As crianças, na sociedade contemporânea ocidental, entram em contato com uma pluralidade de papéis e, ao assumir esses papéis, não apenas os reproduzem, mas aprendem a refletir sobre eles, como um assumir o papel do outro auto-reflexivamente, ao mesmo tempo em que formam a sua identidade, o seu self (e ao mesmo tempo em que essa identidade possibilita essa reflexibilidade) (Habermas, 1968; Ottomeyer, apud Hurrelmann, 1991).8 8 . Habermas (1981), como se sabe, inspira-se no conceito de self, de Mead, para desenvolver a sua teoria do " agir comunicativo" e da possibilidade de autonomia individual. Portanto, aqui, o assumir o papel do outro possui um caráter específico: " papel" não tem o mesmo significado que para diversas teorias funcionalistas; papel é algo individual e circunstancial, ou seja, processual, e não algo já dado de antemão (Tillmann, 2001).

Esses processos de desenvolvimento do self implicam compartilhar com outros os mesmos sistemas simbólicos que permitem a comunicação (em certo sentido, uma cultura em comum), assim como o indivíduo deve se confrontar com padrões de relacionamentos e comportamentos vindos dos outros relativamente estáveis, pois só assim é possível interpretar a conduta dos outros, estabelecer uma interação e continuar a ação (idem, ibid.). Nos processos de desenvolvimento do self na infância, as crianças aprendem a se relacionar interativamente porque os que estão à sua volta (adultos ou outras crianças) " (...) transformam as suas ações (da criança) em interações (...)" (Popitz, 1997, p. 36). A mãe responde às ações da criança pequena como se elas tivessem um sentido interativo e, dessa forma, estabelece uma " ficção comunicativa" . A criança se torna um comunicador porque ela é tratada como tal e, com o desenvolvimento do self, o caráter das interações se transforma, isto é, suas ações são percebidas, de fato, como interações e, portanto, como socialização (Popitz, 1997).

Esses são processos que ocorrem tanto entre adultos e crianças, como apenas entre crianças e, neste último caso, se os adultos interferem nesses processos, essa co-construção não ocorre. Para uma criança singular, as outras crianças são uma parte específica do " outro generalizado" e, ao interagirem, desempenham um papel único nos processos de socialização infantil. Quando crianças conversam (discutem) sobre determinado tema, ou jogam/brincam juntas, elas dispõem do controle desse mundo, dessa cultura – o controle da ação e o controle do saber (Corsaro, 1997).

Para Mead, " assumir o papel do outro" significa " assumir o mundo no qual os outros já vivem" , para, com base nisso, poder agir nele de forma criativa e ser capaz não apenas de compreender as situações partilhadas, " (...) mas também de defini-las reciprocamente (...)" (Berger & Luckmann, 1967, p. 174-175). São processos de interpretação dos significados dos acontecimentos e ações sociais e de reconhecimento dos símbolos e dos códigos sociais. Desse modo, as interações sociais ocorrem quando os gestos se transformam em símbolos (isto é, passam a ser percebidos como símbolos), por meio da internalização de estruturas de sentido, que só podem ser internalizadas por meio de regras que orientam a conduta, que permitem a construção e a interpretação dos símbolos. Os gestos estão presentes em todas as dimensões do agir social – não gestos quaisquer, mas sim gestos dotados de significado (donde a idéia de um interacionismo simbólico, de extração meadana) que são capazes de despertar reações similares ou relativamente estandardizadas em quase todos os membros de determinada sociedade (Brumlik, 1973). É somente assim que as interações podem ocorrer.

Dessa forma, o self torna-se objeto da inteligência e da consciência humana (mind), de sorte que as ações individuais e as relações interindivíduos emergem do complexo jogo entre me, I, self e mind. Nesse sentido, as crianças passam a perceber a si mesmas como seres dotados de uma consciência reflexiva, que resulta em sujeitos individuais e ao mesmo tempo sociais (socializados). A qualidade que as liberta das determinações do mundo social e material é a comunicação simbólica; é ela que permite o assumir o papel do outro e, portanto, desenvolver o próprio self e construir o próprio ambiente, no qual as estruturas sociais são o produto da interação e interpretação dos agentes humanos (Hurrelmann, 1995).

Mead, e menos ainda Simmel, não tomaram a infância ou as crianças como objetos de investigação centrais de suas obras. Nesse sentido, a contribuição inovadora trazida pelos trabalhos de " Sociologia da Infância" é a posição que as categorias criança e infância ocupam no interior das pesquisas; de temas periféricos passam a ocupar um lugar central, trazendo consigo novas demandas para a sociologia. Uma dessas demandas é justamente desenvolver investigações de cunho teórico que abordem a infância como tema central, sem deixar em segundo plano o rigor teórico e o diálogo com os trabalhos sociológicos já existentes sobre o assunto.

Simmel, Mead e uma série de outros autores que vieram após eles fornecem ricos subsídios para trabalhar teoricamente o conceito " processos de socialização" como dimensão fundamental tanto da infância, como da vida adulta. Demonstram que a criança ativa nos processos de socialização não é aquela que planeja e executa suas atividades isoladamente, mas sim aquela que as consegue coordenar por meio de processos interativos com as atividades dos outros (Weissenborn, apud Hurrelmann, 1991). O conceito " interação" ou " interações sociais" , como aquilo que constitui os processos de socialização, permite reconhecer todos os atores sociais (crianças, adultos, idosos, negros, brancos, mulheres, homens, homossexuais, heterossexuais etc.) como ativos nos processos dos quais participam, o que não significa que, na vida em sociedade, não existam figurações sociais específicas dotadas de formas variadas de distinção social e hierarquias diversas. Mas o fato é que essas formas de distinção social encontram-se em constante tensão com a dimensão de autonomia individual que o interagir proporciona. Desse modo, o conceito processos de socialização assim definido permite captar as tensões e contradições constituintes da vida em sociedade, tanto na infância, como na vida adulta, sem pender nem para o lado da mera reprodução e manutenção da ordem social, nem para a total autonomia do agir individual.

Para que o campo da sociologia da infância se desenvolva em suas dimensões teóricas, tais tensões devem ser levadas em conta: as crianças são, simultaneamente, atores sociais que interagem com adultos e outras crianças, ao mesmo tempo em que pertencem a uma forma de distinção social singular, a infância, posicionada em lugar específico nas hierarquias de determinada sociedade; lugar esse não totalmente fixo, dado o caráter processual e fluido da socialização e, portanto, da própria sociedade.

Notas

Recebido em junho de 2007 e aprovado em dezembro de 2007.

As traduções do inglês e do alemão ao longo do texto são de minha autoria.

  • BECKER-BECK, U. Soziale Interaktion in Gruppen: Struktur und Prozessanalyse. Opladen: Westdeutscher, 1997.
  • BENJAMIN, W. Infância em Berlim por volta de 1900 [1932-1938] São Paulo: Brasiliense, 1987.
  • BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade [1967] Petrópolis: Vozes, 1983.
  • BRUMLIK, M. Der symbolische Interaktionismus und seine pädagogische Bedeutung Frankfurt am Main: Fischer, 1973.
  • CORSARO, W. Interpretative reproduction in children's peer cultures. Social Psychology Quarterly, New York, v. 55, n. 2, p. 160-177, 1992.
  • CORSARO, W. The sociology of childhood. Thousand Oaks: Pine Forge, 1997.
  • DELGADO, A.C.C.; MÜLLER, F. Apresentação: " Sociologia da infância: pesquisa com crianças" . Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 351-360, maio/ago. 2005.
  • DURKHEIM, E. Educação e sociologia [1922] São Paulo: Melhoramentos, 1967.
  • DURKHEIM, E. Lições de sociologia: a moral, o direito e o estado. [1950] São Paulo: T/A Queirós, 1983.
  • ELIAS, N. Die Gesellschaft der Individuen [1939] Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1987.
  • ELIAS, N. Was ist Soziologie? [1970] Weinheim und München: Juventa, 1993.
  • GILGENMANN, K. Autopoiesis und Selbstsozialisation: Zur systemtheoretischen Rekonstruktion von Sozialisationstheorie. Zeitschrift für Sozialisationsforschung und Erziehungssoziologie, Weinheim, v. 6, n. 1, p.71-90, 1986.
  • GRIGOROWITSCHS, T. Jogo, processos de socialização e mimese: uma análise sociológica do jogar infantil coletivo no recreio escolar e suas relações de gênero. 2007. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • GOFFMAN, E. Frame analysis: an essay on the organization of experience. [1974] Boston: Northeastern University, 1986.
  • HABERMAS, J. Stichworte zu einer Theorie der Sozialisation. [1968] In: HABERMAS, J. Kultur und Kritik. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1973.
  • HABERMAS, J. Paradigmenwechsel bei Mead und Durkheim: von der Zwecktätigkeit zum kommunikativen Handeln. In: HABERMAS, J. Theorie des kommunikativen Handelns Zur Kritik der funktionalistischen Vernunft. [1981] Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1988. v.2.
  • HENGST, H.; ZEIHER, H. (Hrsg.). Kindheit soziologisch Wiesbaden: Verlag für Sozialwisseschaften, 2005.
  • HILLMANN, K. Sozialisation: Wörterbuch der Soziologie. Stuttgart: Kröner, 1994.
  • HOFF, E. Sozialisation als Entwicklung der Beziehung zwischen Person und Umwelt. Zeitschrift für Sozialisationsforschung und Erziehungssoziologie, Weinheim, n. 1, 1981.
  • HURRELMANN, K. Einführung in die Sozialisationstheorie: Über den Zusammenhang von Sozialstruktur und Persönlichkeit. Weinheim und Basel: Beltz, 1995.
  • HURRELMANN, K.; MÜRMANN, M.; WISSINGER, J. Persönlichkeitsentwicklung als produktive Realitätverarbeitung. Die interactions - und handlungstheoretische Perspektive in der Sozialisationsforschung. Zeitschrift für Sozialisationsforschung und Erziehungssoziologie, Weinheim, n. 1, 1986.
  • HURRELMANN, K.; ULICH, D. (Hrsg.). Neues Handbuch der Sozializationsforschung Weinheim und Basel: Beltz, 1991.
  • JAMES, A.; PROUT, A. Constructing and reconstructing childhood London: Falmer, 1997.
  • JAVEAU, C. Criança, infância(s), crianças: que objetivo dar a uma ciência social da infância? Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 379-389, maio/ago. 2005.
  • JOAS, H. Die Kreativität des Handelns Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1996.
  • JOAS, H. Praktische Intersubjektivität: Die Entwicklung des Werkes von G. H. Mead. [1979] Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2000.
  • LUHMANN, N. Soziologische Aufklärung 4. Beiträge zur funktionalen Differenzierung der Gesellschaft. Opladen: Westdeutscherverlag, 1987.
  • MAYALL, B. Towards a sociology for childhood: thinking from children's lives. Philadelphia: Open University, 2002.
  • MEAD, G.H. Mind, self and society [1934] Chicago: University of Chicago, 1952.
  • MOLLO-BOUVIER, S. Transformação dos modos de socialização das crianças: uma abordagem sociológica. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 391-403, maio/ago. 2005.
  • MONTANDON, C. Sociologia da infância: balanço dos trabalhos em língua inglesa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 112, p. 33-60, mar. 2001.
  • PARSONS, T.; BALES, R.F. Family, socialisation and interaction process London: Routledge, 1955.
  • PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. [1945] Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
  • PLAISANCE, E. Para uma sociologia da pequena infância. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 86, p. 221-241, abr. 2004.
  • POPITZ, H. Wege der Kreativität [1997] 2. erw. Aufl. Tübingen: Mohr Siebeck, 2000.
  • QVORTRUP, J. (Ed.). Studies in modern childhood: society, agency, culture. Hampshire: Palgrave MacMillan, 2005.
  • SARMENTO, M.J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 361-378, maio/ago. 2005.
  • SCHERR, A. Sozialisation, person, individuum. In: SCHÄFERS, B. (Hrsg.). Einführung in Hauptbegriffe der Soziologie. 6. erw. Aufl. Opladen: Leske und Budrich, 2002.
  • SETTON, M.G.J. A particularidade do processo de socialização contemporâneo. Tempo Social, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 335-350, nov. 2005.
  • SIMMEL, G. Grundfragen der Soziologie [1917] Berlin: Walter de Gruyter, 1984.
  • SIMMEL, G. Philosophie des Geldes [1900] Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1989. (Gesamtausgabe, v. 6).
  • SIMMEL, G. Soziologie: Untersuchungen über die Formen der Vergesellschaftung. [1908] Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1992. (Gesamtausgabe, v. 11).
  • SIROTA, R. Primeiro os amigos: os aniversários da infância, dar e receber. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 535-562, maio/ago. 2005.
  • TILLMANN, K. Sozialisationstheorien: Eine Einführung in den Zusammenhang von Gesellschaft, Institution und Subjektwerdung. Hamburg: Rowohlts, 2001.
  • VEITH, H. Sozialisation als reflexive Vergesellschaftung. Zeitschrift für Sozialisationsforschung und Erziehungssoziologie, Weinheim, n. 2, 2002.
  • VIGOTSKI, L.S. A formação social da mente [1930-1966] São Paulo: Martins Fontes, 1987.
  • WAIZBORT, L. As aventuras de Georg Simmel São Paulo: Editora 34, 2000a.
  • WAIZBORT, L. Elias e Simmel. In: WAIZBORT, L. (Org.) Dossier Norbert Elias São Paulo: EDUSP, 2000b.
  • WEBER, M. Die protestantische Ethik und der Geist des Kapitalismus. [1905/1920] In: WEBER, M. Gesammelte Aufsätze zur Religionssoziologie Tübingen: Mohr, 1988. v. 1, p. 17-206.
  • WIESE, L. As quatro categorias fundamentais: processo social, distância, espaço social e configuração social. [1933] In: BARRETO, R.; WILLEMS, E. Leituras sociológicas São Paulo: Revista de Sociologia, 1940. (Ciências Sociais, v.1)
  • WIESE, L. Beziehungssoziologie. [1931] In: VIERKANDT, A. Handwörterbuch der soziologie Stuttgart: Ferdinand Enke, 1959.
  • ZEIHER, H.; BÜCHNER, P.; ZINNECKER, J. (Hrsg.). Kinder als Aubenseiter?: Umbrüche in der gesellschaftlichen Wahrnehmung von Kindern und Kindheit. Weinheim, 1996.

  • 1
    . Há autores, como von Wiese e Elias, que afirmam a não-existência de estruturas em uma sociedade que é constituída por processos sociais. O termo
    configurações apresenta-se como uma alternativa para designar aquilo que para outros autores é compreendido como estruturas, pois
    configurações enfatizariam algo não fixo. " Uma configuração social é uma pluralidade de relações sociais, ligadas de modo a serem consideradas, na vida prática, como unidade. As configurações sociais não podem ter outros elementos senão processos sociais, pois não há outros. Elas são um estado contínuo (relativo) de determinados distanciamentos entre homens, estado esse representado como algo que tem forma" (Wiese, 1933, p. 5). Elias (1970), a seguir, propôs o termo
    figuração.
  • 2
    .
    Self é a nomenclatura utilizada por Mead para designar a " identidade" que se desenvolve em cada indivíduo singular. Adoto essa forma de nomear identidade em meu trabalho e aponto seus significados de maneira detalhada adiante (Mead, 1934).
  • 3
    . A maioria das pesquisas sobre socialização infantil repousa principalmente sobre as chamadas instâncias socializadoras " escola" e " família" , mas deixa em segundo plano as interações entre as crianças.
  • 4
    . Além das outras inúmeras formas de interação compartilhadas com as outras gerações.
  • 5
    . Embora depois afirmem que as crianças não se apropriam de tudo o que lhes é transmitido, mas que também filtram o mundo social subjetivamente de acordo com aqueles aspectos com os quais se identificam ou não (Berger & Luckmann, 1967).
  • 6
    . Em outros autores a correlação entre processos de socialização e desenvolvimento da identidade na infância também aparece, porém, não de forma tão desenvolvida como em Mead. Vigotski (1930-1966), por exemplo, mesmo que de um ponto de vista da psicologia, valoriza o caráter coletivo dos processos de socialização infantil e da " internalizarão da cultura" por parte das crianças. Para demonstrar como ocorrem esses processos de internalizacão da cultura (reprodução e criatividade), Vigotski afirma que todas as capacidades cognitivas, afetivas e comunicativas infantis se desenvolvem na comunicação com outras pessoas, e só então são internalizadas, como duas etapas não-concomitantes. Habermas (1968) também afirma que os processos de socialização são um predecessor da individuação. Baseado em Vigotski, Corsaro (1997) propõe, sem citar Mead e de forma " inovadora" , que essas duas etapas devem ser vistas como simultâneas.
  • 7
    . Enquanto Mead nomeia esses processos " construção do
    self" , Walter Benjamin (1932-1938) pensa os mesmos como a construção de uma
    imagem de si; outros autores, como Goffman, Habermas ou Tillmann, os denominam " construção da
    identidade-do-eu" .
  • 8
    . Habermas (1981), como se sabe, inspira-se no conceito de
    self, de Mead, para desenvolver a sua teoria do " agir comunicativo" e da possibilidade de autonomia individual.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    06 Jun 2008
  • Data do Fascículo
    Abr 2008

Histórico

  • Recebido
    Jun 2007
  • Aceito
    Dez 2007
Centro de Estudos Educação e Sociedade - Cedes Av. Berttrand Russel, 801 - Fac. de Educação - Anexo II - 1 andar - sala 2, CEP: 13083-865, +55 12 99162 5609, Fone / Fax: + 55 19 3521-6710 / 6708 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: revistas.cedes@linceu.com.br