Manejo não farmacológico da dor neonatal: pesquisa e prática clínica na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal

Maria Beatriz Martins LINHARES Cláudia Maria GASPARDO Sobre os autores

Resumo

De acordo com a Organização Mundial de Saúde e a Associação Internacional para o Estudo da Dor, a dor é um problema mundial relevante na área da Saúde. O presente estudo teve por objetivo descrever a definição da dor pediátrica e principais características, assim como examinar achados sobre impactos da dor no desenvolvimento da criança. As melhores práticas clínicas devem incluir o cuidado ao desenvolvimento nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal e, especificamente, a implementação do manejo da dor, visando proteger o desenvolvimento e saúde dos bebês. O manejo não-farmacológico da dor neonatal inclui amamentação, leite humano, sucção não-nutritiva, toque facilitador e enrolamento. As soluções adocicadas, como glicose e sacarose, também têm efeitos de alívio de dor. Psicólogos podem participar ativamente das intervenções não-farmacológicas e todo processo de sensibilizar e treinar equipes de profissionais, alertar familiares para proteção contra a dor e dar suporte aos dirigentes na implementação dos protocolos de dor no hospital.

Palavras-chave:
Bebês; Dor; Manejo da dor

Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Núcleo de Editoração SBI - Campus II, Av. John Boyd Dunlop, s/n. Prédio de Odontologia, 13060-900 Campinas - São Paulo Brasil, Tel./Fax: +55 19 3343-6875 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: estudosdepsicologia@puc-campinas.edu.br