Efeitos da improvisação musical como intervenção cognitiva e motora para idosos

Marcelo Rabello dos SANTOS Monique Siebra KRUG Michel Rasche BRANDÃO Victória Silva de LEON Júlia Cenci MARTINOTTO Júlia Delgado da FONSECA Alissa Costa BRASIL Andréa Guedes MACHADO Alcyr Alves de OLIVEIRA Sobre os autores

Resumo

A música tem sido discutida como fator promotor da saúde do idoso. Em um estudo randomizado, uma intervenção baseada em exercícios de percussão e improvisação foi comparada a uma atividade de canto coral. O objetivo foi investigar os efeitos sobre o funcionamento executivo e motor de idosos saudáveis. Um conjunto de instrumentos de avaliação psicológica e motora foi aplicado antes e depois da intervenção. Foram encontradas diferenças no desempenho do grupo de improvisação no Teste de Desenho do Relógio sugerindo possíveis ganhos executivos. Houve ganhos independentes de grupo na parte A do Teste de Trilhas, que avalia a atenção sustentada. Não foram verificadas evidências de efeitos motores. Os resultados indicam que atividades musicais podem contribuir na prevenção do declínio cognitivo decorrente do envelhecimento.

Palavras-chave
Cognição; Saúde do idoso; Atividade motora; Música

Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Núcleo de Editoração SBI - Campus II, Av. John Boyd Dunlop, s/n. Prédio de Odontologia, 13060-900 Campinas - São Paulo Brasil, Tel./Fax: +55 19 3343-6875 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: estudosdepsicologia@puc-campinas.edu.br