Mediación o autogestión: grandes represas, movimientos sociales y etnicidad* * La primera versión de este ensayo fue presentada en el Simposio Development and Impoverishment, realizado en enero de 1995 por el Refugee Studies Programme de la Universidad de Oxford, Inglaterra.

Resumo:

No presente artigo, os autores analisam dois movimentos sociais indígenas de protesto no México, surgidos a partir da construção da represa Cerro de Oro, no estado de Oaxaca, e do projeto de construção da represa San Juan Tetelcingo, no estado de Guerrero. A primeira afeta aos indígenas Chinanteco; o segundo, aos Nahua do Alto Balsas. Os autores entendem que estes movimentos estão relacionados a dois tipos de racionalidades sócio-ecológicas: aquela dos indígenas, que buscam conviver com o meio, e a dos não-indígenas, que pretendem transformá-lo. Esta é causadora de conflitos que provocam movimentos sociais de resistência entre as populações regionais, sobre os quais a antropologia deve refletir no sentido de determinar suas causas e características, e as conseqüências de realocações compulsórias.

Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - IFCH-UFRGS UFRGS - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43321, sala 205-B, 91509-900 - Porto Alegre - RS - Brasil, Telefone (51) 3308-7165, Fax: +55 51 3308-6638 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: horizontes@ufrgs.br