Do etnografado ao etnografável: “o Sul” como área cultural* * Agradeço a Elisabeth Colson, que em suas reflexões sobre a história da antropologia, há muitos anos (Universidade da California, Berkeley, em 1983) foi quem primeiro incentivou-me a ler os autores aqui discutidos na intenção de investigar os construtos etnográficos que conformam áreas culturais na literatura antropológica. Agradeço também a Ruben Oliven e Ari Oro por suas pertinentes sugestões e a José F. Fachel por suas muitas contribuições, sobretudo, seus depoimentos pessoais a respeito de Emilio Willems.

Resumo

Tomo alguns autores (Darwin, Mantegazza, Herskovits, Willems e Bastide) como chaves para a construção do Rio Grande do Sul como um campo etnográfico. A partir de textos originais destes antropólogos, mapeio as características básicas daquilo que passa a ser identificado como uma área cultural. A problemática da diferença, face a uma suposta homogeneidade cultural nacional, é o ponto central que organiza e identifica o Sul como um constructo antropológico.

Abstract

I approach few authors (Darwin, Mantegazza, Herskovits, Willems and Bastide) as key-anthropologists in taking the Brazilian state of Rio Grande do Sul as an ethnographic field. Presenting original texts from these early anthropologists, I analyze the main features of what came to be identified as a cultural area. The issue of cultural difference in contrast with a alleged homogeneous national culture is the central point that organizes and identifies the South as an anthropological construct.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Referências

  • 1
    ARAÚJO, R. Sob o signo da canção: uma análise de festivais de nativistas no Rio Grande do Sul. 1987. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)–Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1987.
  • 2
    BASTIDE, R. Brasil: terra de contrastes. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1959a.
  • 3
    BASTIDE, R. O batuque de Porto Alegre. In: BASTIDE, R. Sociologia do folclore brasileiro São Paulo: Anhembi, 1959b.
  • 4
    BASTIDE, R. Cavalos de Santo. In: BASTIDE, R. Sociologia do folclore brasileiro São Paulo: Anhembi, 1959c.
  • 5
    BASTIDE, R. Les Ameriques Noirs Paris: Payot, 1967.
  • 6
    CORRÊA, M. Traficantes do excêntrico. Os Antropólogos no Brasil dos anos 30 aos anos 60. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 3, n. 6, p. 79-98, 1988.
  • 7
    DARWIN, C. Diary (1831-18360) of the voyage of H.M.S Beagle Cambridge: The University Press, 1933.
  • 8
    DARWIN, C. The origin of species New York: Literary Classics, [s.d.].
  • 9
    DICIONÁRIO DE SOCIOLOGIA. Porto Alegre: Globo, 1961.
  • 10
    GILLISPIE, C. Charles Darwin. In: INTERNATIONAL ENCYCLOPEDIA OF SOCIAL SCIENCES. New York: Macmillan: Free Press, 1968.
  • 11
    HERSKOVITS, M. The Southermost Outposts of New World Africanisms. American Anthropologist, v. 45, n. 4, Oct./Dec. 1943.
  • 12
    HERSKOVITS, M. Deuses africanos em Porto Alegre. Província de São Pedro, n. 11, mar./jun. 1948.
  • 13
    KREBS, C. Cavalo de santo. Província de São Pedro, n. 21, 1957.
  • 14
    LEAL, O. F. Gaúchos: male culture and identity in the Pampas. 1989. Tese (Ph.D. em Antropologia Social)–University of California, Berkeley, 1989.
  • 15
    LEROI-GOURHAN, A. Le geste et la parole: la mémoire et les rythmes. Paris: Albin Michel, 1965.
  • 16
    MACIEL, M. E. Le Gaucho Brésilien: identité culturelle dans le Sud du Brésil. 1994. Tese (Doutorado em Antropologia Social)–Université René Descartes Paris V, Paris, 1994.
  • 17
    MANTEGAZZA, P. Physiologie du plasir Paris: C. Reinwald, 1886.
  • 18
    MANTEGAZZA, P. Prime Linee di Psicologia Positiva. Archivio per l’Antropologia e la Etnologia, v. 32, 1902.
  • 19
    MANTEGAZZA, P. Viajes por el Río de la Plata y el interior de la Confederación Argentina Buenos Aires: Coni Hermanos, 1916.
  • 20
    MANTEGAZZA, P. The sexual relations of mankind New York: Eugenics Publishing Company, 1935.
  • 21
    MATORY, J. Homens montados: homossexualidade e simbolismo da possessão nas religiões afro-brasileiras. In: REIS, J. J. (Org.). Escravidão e invenção da liberdade São Paulo: Brasiliense, 1988.
  • 22
    MATORY, J. Sex and the Empire that is no more: gender and the politics of metaphor in Oyo Yoruba religion. Minneapolis: University of Minesota Press, 1993.
  • 23
    MATORY, J. Man in the “City of Women”: trans nationalism, matriarchy, and the rise of Afro-Brazilian Candomblé. Princeton: Princeton University Press. In print.
  • 24
    OLIVEN, R. A fabricação do gaúcho 1983. Trabalho apresentado. VII Encontro Anual da ANPOCS, Águas de São Pedro, 1983.
  • 25
    OLIVEN, R. A parte e o todo: a diversidade cultural no Brasil-Nação. Petrópolis: Vozes, 1992.
  • 26
    QUEIROZ, M. I. Nostalgia do Outro e do alhures: a obra sociológica de Roger Bastide. In: QUEIROZ, M. I. (Org.). Roger Bastide São Paulo: Ática, 1983.
  • 27
    TEIXEIRA, S. A. O recado das festas: representações e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 1988.
  • 28
    WILLEMS, E. Assimilação e populações marginais no Brasil São Paulo: [s.n.], 1940.
  • 29
    WILLEMS, E. Acculturation and the horse complex among German-Brasilians. American Antropologist, v. 46, 1944.

  • *
    Agradeço a Elisabeth Colson, que em suas reflexões sobre a história da antropologia, há muitos anos (Universidade da California, Berkeley, em 1983) foi quem primeiro incentivou-me a ler os autores aqui discutidos na intenção de investigar os construtos etnográficos que conformam áreas culturais na literatura antropológica. Agradeço também a Ruben Oliven e Ari Oro por suas pertinentes sugestões e a José F. Fachel por suas muitas contribuições, sobretudo, seus depoimentos pessoais a respeito de Emilio Willems.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Nov 1997
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - IFCH-UFRGS UFRGS - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43321, sala 205-B, 91509-900 - Porto Alegre - RS - Brasil, Telefone (51) 3308-7165, Fax: +55 51 3308-6638 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: horizontes@ufrgs.br