Por uma antropologia do objeto documental: entre a "a alma nas coisas"<A HREF="#nt01">1</A> e a coisificação do objeto

A proposta do texto em questão é a de refletir acerca da simbólica do objeto e seus vínculos com a experiência cotidiana dos grupos sociais, imersos em suas paisagens de pertencimento. Portanto, busca situá-lo para além de uma visão reducionista do "objeto museal" desvinculado do vivido. A imaterialidade dos bens culturais emerge, assim, como uma instância das relações dos sujeitos com o mundo social e uma simbólica das coisas que circulam, dispersando sentidos no mundo. Uma antropologia do objeto documental acenaria, dessa maneira, para o objeto e sua dinâmica social, considerando a circularidade e a "alma nas coisas" junto às formas sociais que as engendram e dinamizam. Nesses termos, o papel da mediação se configura como o caminho mais profícuo para evitar o congelamento do objeto e o isolamento da cultura na ação.

museus; objeto; patrimônio cultural; paisagem


Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - IFCH-UFRGS UFRGS - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43321, sala 205-B, 91509-900 - Porto Alegre - RS - Brasil, Telefone (51) 3308-7165, Fax: +55 51 3308-6638 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: horizontes@ufrgs.br