Accessibility / Report Error

A geopolítica simbólica da sífilis: um ensaio de antropologia histórica

The symbolic geopolitics of syphilis: an essay in historical anthropology

Resumos

O presente artigo analisa certas idéias científicas que os médicos brasileiros, particularmente os especialistas em sífilis, ou sifilógrafos, desenvolveram a respeito da doença. Eles construíram, sobretudo ao longo da década de 1920, uma sífilis singularmente brasileira, discutindo com seus colegas estrangeiros a respeito da origem, das manifestações e da incidência da doença no país. Em suas formulações, a sífilis transformou-se em uma espécie de símbolo natural, através do qual expressavam-se simultaneamente suas pretensões a uma posição de destaque na comunidade científica internacional e seu esforço em re-situar o país na hierarquia das nações, retirando-lhe o fado de, por ser quente e miscigenado, estar condenado para sempre ao atraso e à barbárie.

antropologia médica; história da medicina; sexualidade; nacionalismo; sífilis


The article analyzes certain scientific ideas tbatBrazilianpbysicians, andparticularly sypbilologists, b ave bela about tbis disease. During tbe 1920's especially, tbese specialists constructed a uniqitely Brazilian version oftbe disease as tbey debated withforeign specialists on tbe origins, symptoms, and incidence of sypbilis in Brazil. In tbeirformulations, syphilis became a kind of natural symbol tbrougb whicb tbey expressed tbeirdesires to play a leading role witbin tbe International scientific community andputforth efforts to earn Brazil a new status in tbeworld ranking ofnations contesting tbe notion tbat Brazil was forever doomed to backwardness and barbarism becanse it was a tropical country with a racially mixed population.

medicai anthropology; history of medicine; sexuality; nationalism; syphilis


ANÁLISE

A geopolítica simbólica da sífilis: um ensaio de antropologia histórica

The symbolic geopolitics of syphilis: an essay in historical anthropology

Sérgio Carrara

Doutor em antropologia, pesquisador e professor do Instituto de Medicina Social, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro(IMS/UERJ). Rua São Francisco Xavier, 524/7º bl. D, 20550-013 Rio de Janeiro — RJ

RESUMO

O presente artigo analisa certas idéias científicas que os médicos brasileiros, particularmente os especialistas em sífilis, ou sifilógrafos, desenvolveram a respeito da doença. Eles construíram, sobretudo ao longo da década de 1920, uma sífilis singularmente brasileira, discutindo com seus colegas estrangeiros a respeito da origem, das manifestações e da incidência da doença no país. Em suas formulações, a sífilis transformou-se em uma espécie de símbolo natural, através do qual expressavam-se simultaneamente suas pretensões a uma posição de destaque na comunidade científica internacional e seu esforço em re-situar o país na hierarquia das nações, retirando-lhe o fado de, por ser quente e miscigenado, estar condenado para sempre ao atraso e à barbárie.

Palavras-chave: antropologia médica, história da medicina, sexualidade, nacionalismo, sífilis.

ABSTRACT

The article analyzes certain scientific ideas tbatBrazilianpbysicians, andparticularly sypbilologists, b ave bela about tbis disease. During tbe 1920's especially, tbese specialists constructed a uniqitely Brazilian version oftbe disease as tbey debated withforeign specialists on tbe origins, symptoms, and incidence of sypbilis in Brazil. In tbeirformulations, syphilis became a kind of natural symbol tbrougb whicb tbey expressed tbeirdesires to play a leading role witbin tbe International scientific community andputforth efforts to earn Brazil a new status in tbeworld ranking ofnations contesting tbe notion tbat Brazil was forever doomed to backwardness and barbarism becanse it was a tropical country with a racially mixed population.

Keywords: medicai anthropology, history of medicine, sexuality, nationalism, syphilis.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em agosto de 1996

  • Almeida, T. de ago. 1925 'Da origem não americana da syphilis'. Anais Brás. Dermat. Sifil., ano I, nş 7.
  • Anônimo 1871 'Da freqüência das moléstias syphiliticas no Rio de Janeiro e da necessidade de adoptarem-se medidas que attenuem seus estragos'. Gazeta Médica da Bahia, ano V, nos 99 a 101.
  • Araújo, O. S. 1928 Alguns commentários sobre a sypbilis no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Empreza Gráphica Editora Paulo Pongetti & Cia.
  • Azambuja, A. C. N. d' 1847 Conselhos práticos sobre os meios de prevenir e curar immediatamente as moléstias venéreas, precedidos de noções geraes sobre a história, propagação, e modo de produção da syphilis em linguagem adaptada à intelligência de todas as classes da sociedade. Paris, Typ. Fain e Thunot.
  • Bechelli, L. M. 1976 'Bouba'. Em R. Veronese, Doenças infecciosas e parasitárias. 6Ş ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan.
  • Brandt, A. M. 1985 No magic buttet: a social history of venereal disease in the United States since 1880. Nova York/Oxford, Oxford University Press.
  • Caldas, C. 1886 'Ligeiras considerações acerca das principaes theorias syphilográphicas'. Gazeta Médica da 'Bahia, ano I, nos 5 , 8, 14 e 18.
  • Carrara, S. 1996 Tributo a Vênus: a luta contra a sífilis no Brasil, da passagem do século aos anos 40. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.
  • Clark, O. 1921 'Syphilis no Brasil e suas manifestações viscerais'. 2ş Boletim do VIII Congresso Brasileiro de Medicina, do 1ş Congresso Sul-Americano de Dermatologia e Sifilografia etc. Rio de Janeiro, Imp. Nacional.
  • Corbin, A. 1988 'La grande peur de la syphilis'. Em Bardet; Bourdelais; Guillaume; Lebrune Quétel (orgs.), Peurs et terreurs face a la contagion choléra, tuberculose et syphilis: XIXe et XXe siècles. Paris, Fayard.
  • Corbin, A. 1982 Les filies de noces. Paris, Flammarion.
  • Corbin, A. 1981 'L'hérédosyphilis ou l'impossible rédemption. Contribution à l'histoire de l'hérédité morbide'. Romantisme Revue du Dix-neuvième Siècle, nş 31.
  • Corbin, A. dez. 1977 'Le péril vénérien au debut du siècle: prophylaxie sanitaire et prophylaxie morale'. Recherches, nş 29.
  • Correa, M. 1982 As ilusões da liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Tese de doutouramento, São Paulo, USP/FFLCH.
  • Costa, H. M. 1938 'Aspectos e particularidades da sífilis no Brasil parte especial'. Anais Bras. de Dermat. e Sifilog., ano XIII, nş 34.
  • Costa, J. F. 1981 História da psiquiatria no Brasil. 3Ş ed. rev., Rio de Janeiro, Campus.
  • Farage, N. 1991 'As muralhas dos sertões: os povos indígenas no rio Branco e a colonização'. Rio de Janeiro, Paz e Terra/ANPOCS.
  • Faro, E. T. jun. 1934 'Profilaxia das doenças venéreas na marinha de guerra portuguesa', Jornal de Syphilis e Urologia, ano V, nş 54.
  • Fleck, L. 1986 La génesis y el desarrollo de un hecho científico introducción a la teoria del estilo de pensamiento y del colectivo de pensamiento. Madri, Alianza Editorial.
  • Freyre, G. 1952 Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro, José Olympio.
  • Gurjão, H. 1922 'A prostituição em Belém: suas causas, localização, fiscalização e assistência médico-sanitária'. Em H. C. de S. Araújo (org.), A prophylaxia rural no estado do Pará. Belém, Typ. da Liv. Gillet.
  • Kehl, R. 1921 O perigo venéreo conferência realizada no dia 25 de julho de 1921, no salão da Associação dos Empregados do Commercio. Rio de Janeiro, Dep. Nac. de Saúde Publ. e Inspectoria de Prophylaxia da Lepra e das Doenças Venéreas.
  • Leite, D. M. 1983 O caráter nacional brasileiro história de uma ideologia. 4Ş ed., São Paulo, Liv. Pioneira Ed.
  • Lima, J. T. de 1849 Breves considerações acerca da origem da syphilis. Rio de Janeiro, Typ. Brasiliense de F. M. Ferreira.
  • Löwy, I. 1993 'Testing for sexually transmissible diseases'. Em V. Berridge e P. Strong (orgs.), Aids, and contemporary history. Cambridge, Cambridge University Press.
  • MacNeill, W. H. 1976 Plagues and peoples. Nova York, Doubleday.
  • Moreira, J. jul. 1899 'A syphilis como factor de degeneração'. Gazeta Médica da Bahia, ano XXXI, nş 1.
  • Parker, R. G. 1991 Corpos, prazeres e paixões: a cultura sexual no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, Best Seller.
  • Peixoto, A. 1913 Elementos de higiene. Rio de Janeiro, Francisco Alves.
  • Pires de Almeida, J. R. 1902 'A libertinagem no Rio de Janeiro perante a história, os costumes e a moral'. Brazil-Médico, ano VI, nos 3 a 47.
  • Prado, P. 1931 Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. Rio de Janeiro, F. Briguiet & Cia.
  • Quétel, C. 1986 Le mal de Naples: histoire de la syphilis. Paris, Seghers.
  • Rabelo, E. jan. 1925 'Existia a syphilis na época do descobrimento?', Anais Bras. de Dermat. e Sifilog., ano I, nş 1.
  • Rabelo, E. 1921 'Orientação actual da lucta contra a syphilis'. 2ş Boletim do VIII Congresso Brasileiro de Medicina, do 1ş Congresso Sul-Americano de Dermatologia e Sifilografia etc. Rio de Janeiro, Imp. Nacional.
  • Roeschmann, H. 1929 'A lucta contra as doenças venéreas na Allemanha em comparação com as medidas adoptadas em outros países'. Anais Bras. de Dermat. e Sifilog., ano V, nş 12.
  • Santos Filho 1991 História geral da medicina brasileira. 2 vols., São Paulo, Hucitec/Edusp.
  • Schwarcz, L. M. 1993 O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870 -1930. São Paulo, Companhia das Letras.
  • Souza, C. de 1909 Da responsabilidade civil e criminal do syphilítico: publicação da Liga Paulista de Prophylaxia Moral e Sanitária. São Paulo, Typ. Hennies Irmãos.
  • Souza, L. de M. e 1993 O diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo, Companhia das Letras.
  • Stepan, N. 1990 'Eugenics in Brazil, 1917-1940'. Em M. B. Adams (org.), The wellborn science: eugenics in Germany, France, Brazil and Rússia. Nova York, Oxford University Press.
  • Virey, J. J. 1836 'Dissertação acerca da incontinência e seus perigos em relação às faculdades intellectuais e physicas'. Rio de Janeiro, Typ. Nacional.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    18 Ago 2006
  • Data do Fascículo
    Nov 1996

Histórico

  • Recebido
    Ago 1996
Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Av. Brasil, 4365, 21040-900 , Tel: +55 (21) 3865-2208/2195/2196 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: hscience@fiocruz.br